A Influência do Envolvimento na Atitude Em Relação Às Torcidas Organizadas:

Claudia Rosa Acevedo, Caio Beltrami, Diogo Zucato, Caíque Carneiro, Helenita Tamashiro

Resumo


Este trabalho buscou entender a influência do envolvimento de torcedores de futebol em sua percepção das torcidas organizadas. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa na qual torcedores não membros de torcidas organizadas foram entrevistados para levantar as percepções mais comuns. Subsequente, realizou-se uma pesquisa quantitativa que se utilizou de delineamento observacional para testar os achados da qualitativa. Os resultados mostram que quanto maior o envolvimento, mais positiva é a atitude do torcedor em relação às torcidas organizadas, ao passo que não há relação entre os hábitos de mídia, o grau de consumo e o grau em que a pessoa se dispõe a comparecer a jogos com a atitude em relação às torcidas organizadas.


Palavras-chave


torcedores; torcidas organizadas; grau de envolvimento; atitude

Texto Completo:

PDF

Referências


Bodin, D. & Robène, L. (2014). hooligans, Casuals, Independents: Decivilisation or Rationalization of the Activity?. The International Journal of the History of Sport, 31(16): 2013-2033.

Dunning, E.; Murphy, P. & Waddington, I. (1991). Anthropological versus sociological approaches to the study of soccer hooliganism: some critical notes. The Sociological Review, 39(3): 459-478.

Groot, M. & Robinson, T. (2008). Sport fan attachment and the psychological continuum model: A case study of an Australian football league fan. Leisure/Loisir, 32(1): 117-138.

Herr, P.; Kardes, F. & Kim, J. (1991). Effects of word-of-mouth and product-attribute information on persuasion: An accessibility-diagnosticity perspective. Journal of consumer research, 17(4): 454-462.

Malhotra, N. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

Peeters, G. (1971). The positive-negative asymmetry: On cognitive consistency and positivity bias. European Journal of Social Psychology, 1(4): 455-474.

Pimenta, C. (2000). Violência entre as torcidas organizadas de futebol. São Paulo em Perspectiva, 14(2).

Porat, A. (2010). Football fandom: a bounded identification. Soccer & Society, 11(3): 277-290.

Pratta, J. & Salterb, M. (1984). A fresh look at football hooliganism. Leisure Studies, 3(2): 201-230.

Rookwood, J. & Pearson, G. (2010). The hoolifan: Positive fan attitudes to football ‘hooliganism’. International Review for the Sociology of Sport, 47(2): 149-164.

Rookwood, J. & Pearson, G. (2010). Doing it for the team – examining causes of hooliganism in English football. Journal of Qualitative Research in Sports Studies, 2(1): 71-82.

Spaaij, R. (2008). Men Like Us, Boys Like Them: Violence, Masculinity, and Collective Identity in Football Hooliganism. Journal of Sport & Social Issues: 369-392.

Tversky, A. & Kahneman, D. (1991). Loss aversion in riskless choice: A reference-dependent model. The quarterly journal of economics, 106(4): 1039-1061.

Wachelke, et al (2008). Mensuração da identificação com times de futebol: evidências de validade fatorial e consistência interna de duas escalas. Arq. Bras. Psicol., 60(1).


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT