Golpe no Brasil: o que a mídia tem a ver com isso?

Flávia Quirino, Liziane Guazina

Resumo


Em 2015, o Brasil assinalou um importante momento em sua história: o impeachment que destituiu do poder executivo do país Dilma Rousseff. O processo de ruptura democrática, levado a cabo no dia 31 de agosto de 2016, com a votação no Senado Federal, veio acompanhado de um apanhado de manifestações, envoltas na euforia das denúncias de corrupção, e, também na crise econômica, termo cativado e angariado por muitos setores, sobretudo os empresariais, para justificar o afastamento da Presidenta. Este artigo, que é parte de uma pesquisa ainda em andamento no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, tem como proposta levantar questões e reflexões, com base na teoria do enquadramento, sobre o papel da mídia no processo de impeachment de Dilma Rousseff, a partir de uma análise de notícias veiculadas no jornal Folha de São Paulo, em eventos que ocorreram nos meses de março e dezembro de 2015.


Texto Completo:

PDF

Referências


Alvarez, S. & Novion, J. (2016). Mídia e a nova metodologia de golpe na América Latina: o caso de Honduras. In J. G. de S. Junior, et al. (org.), Introdução crítica ao direito à comunicação e à informação (pp. 325-335). Brasília: FACUnB.

Biroli, F. & Miguel, L. (2016). Notícias em disputa. São Paulo: Contexto.

Chaui, M. (2006). Simulacro e poder. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Chomsky, N. (1999). Segredos, mentiras e democracia. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Costa, A. B.; Sousa Junior, J. G. de; Delduque, M. C.; Oliveira, M. S. de C. & Dallari, S. G. (org.) (2009). O direito achado da rua: introdução crítica ao direito à saúde. Brasília: CEAD/UnB.

Cook, T. (2011). O jornalismo político. Revista Brasileira de Ciência Política, (6), 203-247.

Fontenelle, A. (2017). Pesquisas eleitorais e colunismo político na cobertura das eleições presidenciais de Brasil (2014) e Argentina (2015). Dissertação de Mestrado. Brasília: UNB. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/23558/1/2017_Andr%C3%A9Lu%C3 %ADsSoaresFontenelle.pdf

Guazina, L. (2015). Campos em disputa: jornalismo versus política na abordagem do Jornal Na- cional sobre o escândalo do mensalão. In Z. Adghirni (org.), Jornalismo e poder legislativo: relações entre mídia e política no Brasil. Curitiba: Editora Appris.

Guazina, L. (2015). Quando cultura política e subcultura profissional andam de mãos dadas: a des- confiança na política em tempos de escândalos. Novos Questionamentos em Mídia e Política. Florianópolis: Insular. (Também disponível em: http://compos.org.br/encontro2014/anais/D ocs/GT05_COMUNICACAO_E_POLITICA/guazinaxxi iicompos_2175.pdf)

Guazina, L.; Prior, H. & Araújo, B. (s.d.). Enquadramentos de uma crise: o impeachment de Dilma Rousseff em editoriais nacionais e internacionais.

Motta, L. G. & Guazina, L.(2010). O conflito como metacategoria estruturante da narrativa política. Brazilian Journalism Research, 6(1), 132-149. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/ bjr/article/viewFile/251/250

Lago, C. & Benetti, M. (orgs) (2010). Metodologia de pesquisa em jornalismo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Harnecker, M. (s.d.). América Latina e el socialismo del siglo XXI. Disponível em: www.rebelion. org/docs/101472.pdf. Acesso em: 17 de julho de 2017.

Pereira, F. H.; Moura, D. O. & Adghirni, Z. L. (orgs.) (2012). Jornalismo e sociedade: teorias e metodologias. Florianópolis: Insular.

Porto, M. (2004). Enquadramentos da mídia e política. In A. A. C. Rubim, (org.), Comunicação e política: conceitos e abordagens. Salvador: Edufba.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT