Comida e Consumo Midiático: formas contemporâneas de pensar e consumir comida

Maria Henriqueta Sperandio Garcia Gimenes-Minasse, Joana Angélica Pellerano

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir, a partir de uma revisão bibliográfica, a construção de representações midiáticas do cozinhar e do comer. Para tanto, são mencionados exemplos de relevância no contexto brasileiro relacionados à presença da alimentação na literatura, na televisão e na internet. Como principais resultados, tem-se: em relação à literatura, discute-se sua importância na consolidação de um imaginário sobre cozinhas e verifica-se a diversidade temática das produções disponíveis em português no mercado nacional. Sobre a relação entre comida e televisão, trata-se de como os programas de culinária influenciam a criação de um imaginário contemporâneo compartilhado em torno da comida, dos responsáveis por ela (notadamente o chef) e dos diferentes estilos de vida que ela pode inspirar. E em relação à presença da comida na internet, reflete-se sobre as novas possibilidades de relações intermediadas pela tecnologia, que criam novas formas de se informar e de emitir opiniões sobre dietas, restaurantes e afins, bem como novas maneiras de interagir com outros comensais, chefs e outros personagens da área.


Palavras-chave


consumo midiático; alimentação; comida e literatura; comida e televisão; comida e internet

Texto Completo:

PDF

Referências


Alvarez, M. (2005). La cocina como patrimônio (in)tangible. In L. Maronese (org.), Primeras jornadas de patrimonio gastronômico (pp. 1-20). Buenos Aires: CPPHC-CABA.

Amorim, E. (1998). A televisão brasileira. São Paulo: Centro Cultural São Paulo.

Appadurai, A. (2008). How to make a national cuisine: cookbooks in comtemporary India. In C.

Counihan & P. Esterik (eds.), Food and culture: a reader (pp. 289-307). New York, Oxon: Routledge.

Baccega, M. (2012). Ressignificação e atualização das categorias de analise da “ficção impressa”

como um dos caminhos de estudo da narrativa teleficcional. Comunicación, 1(10): 1290-1308. Sevilha.

Campbell, C. (2001). A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. Rio de Janeiro: Rocco.

Collins, K. (2009). Watching what we eat: The evolution of cooking shows. Nova York/Londres: Continuum.

Contreras Hernández, J. & Gracia-Arnaíz, M. (2005). Alimentación y cultura: Perspectivas antropológicas.

Barcelona: Ariel.

Csergo, J. (1998). A emergência das cozinhas regionais. In M. Montanari & J. Flandrin (ed.), História da alimentação (pp.806-824). São Paulo: Liberdade.

Da Matta, R. (1987). Sobre o simbolismo da comida no Brasil. O Correio da Unesco, 15(7): 22-23. Rio de Janeiro.

Davenport, T. & Beck, J. (2002). The attention economy: understanding the new currency of business. Cambridge: Harvard Business Review Press.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

Dória, C. (2008). A cozinha nacional antes da feijoada. Cozinheiro Nacional: 7-26. São Paulo: Senac São Paulo.

Dória, C. (2009). A formação da culinária brasileira. São Paulo: Publifolha.

Efe. (2015, maio 26). Mais de 4 bilhões de pessoas no mundo não têm acesso à internet. Exame.com. Recuperado de: http://exame.abril.com.br/tecnologia/mais-de-4-bilhoes-de-pessoas-no-mundo-nao-tem-acesso-a-internet/

Featherstone, M. (1995). Cultura de consumo e pós-modernidade. São Paulo: Studio Nobel.

Fersuson, P. (1998). A cultural field in the making: Gastronomy in 19th-century France. The American Journal of Sociology, 104(3): 597-641. Chicago.

Fischler, C. (1995). El (h)ominívoro: el gusto, la cocina y el cuerpo. Barcelona: Anagrama.

García Canclini, N. (1995). Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ.

García Canclini, N. (1990). La modernidad después de la posmodernidad. In A. Belluzo (org.), Modernidade: vanguardas artísticas na América Latina (pp. 201-237). São Paulo: Unesp.

Gomes, L. & Barbosa, L. (2004). Culinária de papel. Estudos Históricos, jan-jun, (33): 3-23. Rio de Janeiro.

Hall, J. (2016, nov. 2). Instagram has dramatically changed the nation’s eating habits – and that’s

no bad thing. Telegraph Online. Disponível em: www.telegraph.co.uk/men/the-filter/instagram-has-dramatically-changed-the-nations-eating-habits—a1/

Heck, M. (2004). Comer como atividade de lazer. Estudos Históricos, 1(33): 136-146. Disponível

em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2212/1351

Hosie, R. (2017, abr. 11). How Instagram has transformed the restaurant industry for millennials.

Independent Online. Recuperado de: www.independent.co.uk/life-style/food-anddrink/millenials-restaurant-how-choose-instagram-social-media-where-eat-a7677786.html

Jacob, H. (2013). Gastronomia, culinária e mídia: Estudo dos ambientes midiaáticos e das linguagens

da comida e da cozinha. Tese, Programa de Pós-Graduação de Comunicação e semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Kellner, D. (2001). A cultura da mídia. Bauru: EDUSC.

Ketchum, C. (2005). The essence of cooking shows: how the Food Network constructs consumer

fantasies. Journal of Communication Inquiry, jul., 29(3): 217-234.

Leme, A. & Basso, R. (2013). A contribuição do modernismo para o discurso de formação da culinária

brasileira. Anais do Congresso Internacional de Gastronomia – Mesa Tendências (pp.

-99). São Paulo. Disponível em: www3.sp.senac.br/hotsites/campus_santoamaro/cd/arqui

vos/pesquisa/2013/mesa_tendencias_anais_2013.pdf. Acesso em 2 maio 2014.

Lévy, P. (2003). A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola.

Martín-Barbero, J. (1995). Pre-textos: Conversaciones sobre la comunicación y sus contextos.

Cali: Centro Editorial Universidad del Valle.

Morin, E. (2011). Cultura de massas no século XX: Espírito do tempo 1 Neurose. Rio de Janeiro:

Forense Universitária.

Odell, K. (2017, abril 24). Is the Cosmopolitan making a comeback?. Vogue Online. Recuperado

de: http://www.vogue.com/article/cosmopolitan-sex-and-the-city-cocktail-comeback

Pellerano, J. (2016). Cozinhar e comer em Orange is the New Black: relações entre consumo,

poder, pertencimento e cidadania. Temática, fevereiro, ano XII, (02): 1-15. Recuperado de:

http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/tematica

Pilcher, J. (1998). Que vivan los tamales!: Food and the making of Mexican identity. Albuquerque:

University of New Mexico Press.

Pollan, M. (2014). Cozinhar: Uma história natural da transformação. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Redação. (2014, abril 17). Prosecco supera Champagne em vendas de espumante em 2013. Adega

Online. Recuperado de: http://revistaadega.uol.com.br/artigo/prosecco-supera-champagneem-venda-de-espumantes_9759.html#ixzz4jQ07oLcy

Revel, J.-F. (1984). Culture and cuisine. A journey through the history of food. 2.ed. New York: Da Capo.

Rousseau, S. (2012a). Food media: Celebrity chefs and the politics of everyday interference. Nova

York: Bloomsbury Academic.

Rousseau, S. (2012b). Food and social media: you are what you tweet. Laham: AltaMira Press.

Straubhaar, J. (2013). Sedimentada, híbrida e múltipla? A nova geografia cultural das identidades.

Matrizes, jan./jun., 1(1): 59-93. Recuperado de: www.revistas.usp.br/matrizes/article/viewFile/56646/59664.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT