Perspectiva da neurociência em comunicação

Everaldo Pereira

Resumo


Pesquisa bibliográfica com objetivo de consolidar o estágio atual da intersecção entre neurociência e comunicação. Usamos um referencial teórico multidisciplinar com o objetivo de oferecer insights investigativos e chaves de entendimento. Dividido em três partes: compreender a neurociência e sua interface com a comunicação; investigar as tecnologias em neurociência e suas aplicações em comunicação; e avaliar a viabilidade do uso da metodologia de Design Science Research na interface comunicação-neurociência. Compreendemos que há espaço para uma investigação sistemática e de que é viável o uso dessa metodologia, considerando uma orientação pragmática utópica.

Palavras-chave


neurociência em comunicação, neurocomunicação, design science research, pragmatismo utópico.

Texto Completo:

PDF

Referências


Bear, M. F.; Connors, B.W. & Paradiso, M. A. (2002). Neurociências: desvendando o sistema nervoso. Porto Alegre: Artmed. Disponível em: www.jvasconcellos.com.br/fat/FAT_BIO/wpcontent/

uploads/2014/09/Livro-de-Fisiologia-Neuroci%C3%AAncias-Desvendando-o-siste

ma-nervoso-Bear-M.-F.-Connors-B.-W.-Paradiso-M.-A.pdf. Acesso em: 29 nov. 2016.

Castro, C.; Tome, T. & Barbosa Filho, A. (2005). Midias Digitais. São Paulo: Paulinas.

Cogan, G. B. et al. (2014). Sensory–motor transformations for speech occur bilaterally. Nature, 507(7490): 94-98. Disponível em: www.nature.com/doifinder/10.1038/nature12935. Acesso

em: 1 dez. 2016.

Costa, D. C.; Oliveira, J. M. A. P. & Bressan, R. A. (2001). PET e SPECT em neurologia e psiquiatria: do básico às aplicações clínicas. Revista Brasileira de Psiquiatria, 23: 4-5. Disponível

em: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462001000500003&lng=pt

&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 3 dez. 2016.

Crew, B. (s.d.). Scientists have invented a mind-reading machine that visualises your thoughts - ScienceAlert. Disponível em: www.sciencealert.com/scientists-have-invented-a-mind-readin

g-machine-that-can-visualise-your-thoughts-kind-of.

Dresch, A. (2015). Design Science Research. Porto Alegre: Bookman.

Duarte, J. & Barros, A. (2006). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas.

Gazzaniga, M.; Ivry, R. B.; Mangun, G. R. (2006). Neurociência cognitiva: a biologia da mente. Porto Alegre: Artemed.

Grau, C. et al. (2014). Conscious Brain-to-Brain Communication in Humans Using Non-Invasive Technologies. PLoS ONE, 9(8): e105225. Disponível em: http://dx.plos.org/10.1371/journal.

pone.0105225. Acesso em: 4 out. 2016.

Harari, Y. (2015). Sapiens: uma breve história da humanidade. Porto Alegre: L&PM.

Huth, A. G. et al. (2016). Natural speech reveals the semantic maps that tile human cerebral cortex. Nature, 532(7600): 453-458 . Disponível em: www.nature.com/doifinder/10.1038/nature176

Acesso em: 26 nov. 2016.

Kaku, M. (2011). A física do futuro. São Paulo: Rocco.

Kaku, M. (2015). The future of mind: The scientific quest to understand, enhance, and empower the mind. New York: Anchor Books.

Kawano, D. (2014). Publicidade e neurociência: uma revisão bibliométrica. Foz do Iguaçu: Intercom.

Kurzweil, R. (2013). How to create a mind. New York: Penguin.

Lee, H. & Kuhl, B. A. (2016). Reconstructing Perceived and Retrieved Faces from Activity Patterns in Lateral Parietal Cortex. Journal of Neuroscience, 36(22).

Lemos, A. (2005). Cibercultura e Mobilidade. A Era da Conexão. Rio de Janeiro: Intercom.

Maclean, P. D. (1990). The Triune Brain in Evolution: Role in Paleocerebral Functions - P.D. MacLean – Google Livros. New York: Plenum. Disponível em: https://books.google.com.br/boo

ks?id=4PmLFmNdHL0C&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&ca

d=0#v=onepage&q&f=false.

McClure, S. M. et al. (2004). Neural Correlates of Behavioral Preference for Culturally Familiar Drinks. Neuron, 44: 379-387.

Nicolelis, M. (2011). Muito além do nosso eu. São Paulo: Companhia da Letras.

Nishimoto, S. et al. (2011). Reconstructing Visual Experiences from Brain Activity Evoked by Natural Movies. Current Biology, 21(19): 1641-1646. Disponível em: http://linkinghub.else

vier.com/retrieve/pii/S0960982211009377. Acesso em: 26 nov. 2016.

Reardon, S. (2016). Laser used to control mouse’s brain – and speed up milkshake consumption. Nature. Disponível em: www.nature.com/doifinder/10.1038/nature.2016.20995. Acesso em: 18 nov. 2016.

Squirra, S. (org.) (2012). Ciber midias: extensões comunicativas, expansões humanas. Porto Alegre: Buqui.

Squirra, S. C. (2016). A tecnologia e a evolução podem levar a comunicação para a esfera das mentes. São Bernardo do Campo: [s.n.].

Weber, R.; Mathiak, K. & Sherry, J. (2009). The neurophysiological perspective in mass communication research: theoretical rational,methods, and applications. In M. J. Beatty, J. C.

McCroskey & K. Floyd (orgs.), Biological Dimensions of Communication: Perspectives, Methods, and Research (pp. 41-71). New York: Hampton.

Wolton, D. (2011). Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina.

Zarkadakis, G. (2015). In our own image. New York: Pegasus.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT