Marcelo Rebelo de Sousa: um Presidente da República que reconfigurou o cargo com a colaboração dos média noticiosos

Felisbela Lopes, Paula Espírito Santo, Leonete Botelho, Sandra Sá Couto

Resumo


A afirmação política no espaço mediático, por parte de Marcelo Rebelo de Sousa, durante o seu primeiro mandato como Presidente da República (2016-2021), constituiu uma singularidade institucional no domínio da relação com os média, com o espaço público e em termos de interpretação e desempenho dos poderes presidenciais, na sua relação com o Governo e o Primeiro-ministro António Costa. Este artigo visa identificar em que medida o desempenho da ação presidencial, em Marcelo Rebelo de Sousa, tal como espelhada através da imprensa diária, trouxe uma reconfiguração do papel do Presidente da República, na sua interpretação dos poderes e funções presidenciais. Em termos metodológicos, este estudo socorre-se essencialmente da técnica de análise de conteúdo, aplicada a um corpus de análise derivado dos principiais diários generalistas portugueses, totalizando 2.458 textos noticiosos, no intervalo entre os dias 9 de março de 2016 (dia de tomada de posse) a 7 de dezembro de 2020 (dia do anúncio da recandidatura ao cargo). A questão de partida a que se pretende dar resposta é: em que extensão o primeiro mandato (2016-2021) de Marcelo Rebelo de Sousa, tal como espelhado na imprensa ao longo deste período, passou uma imagem de reconfiguração dos poderes presidências? 


Palavras-chave


Presidente da República; mediatização; jornalismo

Texto Completo:

PDF

Referências


(2016, abril 23). Público.

(2017, março 9). Público.

(2017, julho 30). Diário de Notícias.

(2018, maio 8). Público.

(2020, novembro 2). Público.

Bacelar Gouveia, J. (2007). A Dissolução da Assembleia da República – Uma nova perspectiva da dogmática do Direito Constitucional. Almedina.

Blondel, J., Thiébault, et al (2010). Political leadership, Parties and Citizens. Routtledge.

Blumler, J., & Kavanagh, D. (1999). The Third Age of Political Communication: Influences and Features. Political Communication, (16), 209-230.

Blumler, J. (2001). The third age of political communication. Journal of Public Affairs, 1(3), 201-209.

Castells, M (2007). Communication, Power and Counter-power in the Network Society. International Journal of Communication, (1), 238-266.

Corner, J., & Pels, D. (2003). Media and the restyling of Politics. Sage Publications.

Costa Pinto, A., & Canelas Rapaz, P. (2018). Presidentes e Semi-presidencialismo nas Democracias Contemporâneas. ICS.

Duverger, M. (1978). Échec au Roi. A. Michel.

Duverger, M. (1980). A New Political System Model: Semi-Presidential Government. European Journal of Political Research, (8), 165-187.

Espírito Santo, P., & Lopes, F. (2019). Marcelo Rebelo de Sousa, a Popular President who has all the Media Coverage - Content Analysis of the Press (2016-2018). Obs., 13(4), 1-13.

Espirito Santo, P., & Figueiras, R. (2019). Populism and the media factor: The Portuguese case in a European comparative perspective. In E. Hidalgo Tenorio, M.-A. Benitez-Castro & F. De Cesare (Eds.), Populist Discourses – Critical Approaches to Contemporary Politics. Routledge.

Fabbrini, S. (2005). The Semi-Sovereign American Prince. The Dilemma of na Independent President in a Presidential Government. In T. Poguntke, P. Webb, The presidencialization of politics-a comparative study of modern democracies (pp. 313-336). Oxford University Press.

Freire, A., & Costa Pinto, A. (2006). O Poder dos Presidentes. Campo das Letras.

Howard, P., Woolley, S., & Calo, R (2018). Algorithms, bots, and political communication in the US 2016 election: The challenge of automated political communication for election law and administration. Journal of Information Technology & Politics, 15(2), 81-93.

King, A (Ed.) (2003). Leaders’ Personalities and the Outcomes of Democratic Elections. University Press.

Lopes F., & Botelho, L. (2019). Marcelo, Presidente todos os dias. Porto Editora.

Lopes, F., & Espírito Santo, P. (2016). Os 100 Primeiros Dias do XXI Governo Constitucional através da Imprensa Generalista: Quando as Finanças Travam uma Mudança de Ciclo Político. Estudos em Comunicação (23), 1-22.

Lopes, F., & Espírito Santo, P. (2019). Quando um Presidente da República vive no limite do semipresidencialismo. Estudos em Comunicação, 1(28), 237-258.http://ojs.labcom-ifp.ubi.pt/index.php/ec/article/view/554/pdf.

Mazzoleni, G., & Schulz, W. (1999). Mediatization of Politics: A Challenge for Democracy?, Political Communication, 16(3), 247-261.

Moreira, V., & Canotilho, J. (1991). Os Poderes do Presidente da República. Coimbra Editora.

Negrine, R., & Stanyer, J. (2007). The Political Communication Reader. Routledge.

Sabato, L. (2000). Feeding Frenzy- Attack Journalism & American Politics. Lanahan Publishers, Inc.

Schwartzenberg, R.-G. (1977). O Estado Espectáculo. Difel.

Stier, S., Bleier, A., Lietz, H., & Strohmaier, M. (2018). Election Campaigning on Social Media: Politicians, Audiences and the Mediation of Political Communication on Facebook and Twitter. Political Communication, 35(1), 50-74.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT