A pandemia de fake news no Facebook durante a covid-19

Erivelto Amarante

Resumo


O artigo analisa a disseminação de fake news durante a pandemia da covid-19 no Facebook. O corpus é constituído de 53 postagens publicadas em perfis brasileiros entre julho e agosto de 2020. Para a identificação das mensagens falsas utilizamos como referência o serviço de checagem de fatos da Agência Lupa, que possui uma seção especifica para analisar a disseminação desse tipo de conteúdo na mídia social estudada. O objetivo é verificar quais os assuntos e personagens foram mais alvos de desinformação durante a pandemia da covid-19. Para isso, utilizamos a metodologia da análise de conteúdo quantitativa. Com base na classificação proposta por Claire Wardle também identificamos os tipos mais comuns de notícias falsas encontradas no Facebook nas postagens coletadas. O resultado apontou que a maior parte das fake news traziam conteúdo fabricado, inteiramente falso, criado para ludibriar e desinformar os usuários da mídia social. O alvo principal das mensagens eram políticos e celebridades.

Palavras-chave


Fake News; pandemia da covid-19; Facebook

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, R. D. (2019). Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. Novos estudos CEBRAP, 38(1): 185-213.

Alcott, H., & Gentzkow, M. (2017). Social Media and Fake News in the 2016 Election. Retrieved from Stanford University.

Bovet, A. & Makse, H. (2019). Influence of fake news in Twitter during the 2016 US presidential election. Nature communications, 10(1): 1-14.

Branco, S. (2017). Fake news e os caminhos para fora da bolha. ITS, (1): 51-61.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa, Edições 70.

Canavilhas, J. & Ferrari, P. (2018). Fact-checking: o jornalismo regressa às origens. Jornalismo em tempo de transformação: desafios de produção e de ação. 30-49.

Garcia, A. (2019). Brazil under Bolsonaro: Social base, agenda and perspectives. Journal of Global Faultlines, 6(1): 62-69.

Gelfert, A. (2018). Fake news: A definition. Informal Logic, 38(1): 84-117.

Graves, L. (2018). Boundaries not drawn: Mapping the institutional roots of the global fact-checking movement. Journalism Studies, 19(5): 613-631.

Jack, C. (2017). Lexicon of lies: Terms for problematic information. Data & Society, 3(22).

Nielsen, R. & Graves, L. (2017). News you don’t believe: Audience perspectives on fake News. Reuters Institute for the Study of Jounalism.

Lage, N. (2014). A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro: Record.

Lazer, D.; Baum, M.; Benkler, Y.; Berinsky, A.; Greenhill, K.; Menczer, F. & Schudson, M. (2018). The science of fake news. Science, 359(6380): 1094-1096.

Lowrey, W. (2017). The emergence and development of news fact-checking sites: Institutional logics and population ecology. Journalism Studies, 18(3): 376-394.

Ramalho,W. (2018). O combate às fake news no brasil: Um estudo sobre a checagem de fatos.

Recuero, R. & Gruzd, A. (2019). Cascatas de Fake News Políticas: um estudo de caso no Twitter. Galáxia (São Paulo), (41): 31-47.

Seaton, J., Sippitt, A., & Worthy, B. (2020). Fact Checking and Information in the Age of Covid. The Political Quarterly, 91 (3), 578-584.

Tandoc Jr, E.; Lim, Z. & Ling, R. (2018). Defining “fake news” A typology of scholarly definitions. Digital journalism, 6(2): 137-153.

Wardle, C. (2017). Fake news. It’s complicated. First Draft, 16.

Wardle, C. & Derakhshan, H. (2017). Information disorder: Toward an interdisciplinary framework for research and policy making. Council of Europe report, 27.

Zuckerman, E. (2017). Stop Saying Fake News, It’s not Helping. My Heart is in Accra.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT