Riscos, dilemas e oportunidades: atuação jornalística em tempos de Covid-19

Vítor de Sousa, Pedro Rodrigues Costa, Edson Capoano, Ivan Paganotti

Resumo


Este artigo trata da atuação do jornalismo durante a pandemia de SARS-COV.2 (Covid-19), em 2020. Neste contexto singular, em que os jornalistas e os média em geral tiveram um papel preponderante, refletimos sobre o campo jornalístico (Bourdieu, 1992) relacionando-o com uma noção construtivista da realidade (Berger & Luckmann, 1999). No entanto, recorremos às noções de pós-verdade e de fake news para demonstrar duas das principais linhas de força que envolvem hoje os média em geral, bem como para expor uma análise de casos sobre instituições como a Organização Mundial de Saúde e a Comissão Europeia. O objetivo foi o de dar conta dos problemas de desinformação e de “infodemia” (Zarocostas, 2020), que ocupam as brechas informativas na internet. O método utilizado foi misto. Na dimensão quantitativa, recorremos à aplicação de um inquérito online com uma amostra de 365 pessoas, entre jornalistas de imprensa, nos média em geral e consumidores recorrentes de notícias, sobre processos produtivos, rotinas de trabalho, informação gerada durante a quarentena e consumo de notícias em tempo de confinamento. Na dimensão qualitativa, recorremos à descrição de casos que demonstram a presença do fenómeno da pós-verdade e das fake news em tempos de pandemia e de como isso pode ter afetado comportamentos sociais. Os resultados desta análise apontam para a necessidade de serem revistas determinadas rotinas produtivas do campo jornalístico, que acentuam falhas de informação, além de práticas que fomentam a precarização profissional. Verificamos que existe falta de postura crítica da imprensa sobre instituições oficiais, cujos discursos, quando erráticos, podem dificultar ao público a perceção da diferença entre fake news e verdades provisórias das notícias durante a cobertura da pandemia. Conclui-se, por isso, que existe uma necessidade constante de autoavaliação sobre as falhas do campo profissional.


Palavras-chave


jornalismo; pós-verdade; “fake news”; processos produtivos; precarização; infodemia

Texto Completo:

PDF

Referências


(2020). COCID-19 Pandemic Planning Scenarios. CDC Retirado de www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/planning-scenarios.html.

(2020, junho 15). Covid-19 Coronavirus Pandemic. Worldometer. Retirado de www.

worldometers.info/coronavirus/.

(2020, junho 5). Jornal inglês manipula dados do coronavírus em Portugal para mostrar risco em viagens de férias. Correio da Manhã. Retirado de www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/jornal-ingles-manipula-dados-do-coronavirus-em-portugal-para-mostrar-risco-em-viagens-de-ferias?.

(2020, maio 13). Unicef prevê que pandemia pode vir a matar indiretamente seis mil crianças por dia. Observador. Retirado de https://observador.pt/2 020/05/13/unicef-preve-que-pandemia-pode-vir-a-matar-indiretamente-seis-mil-criancas-pordia/.

(2020, 25 de fevereiro). Coronavírus: como a taxa de mortalidade do Covid-19 se compara com outras doenças infeciosas. BBC. Retirado de www.bbc.com/portuguese/internacional-51627407.

Abramo, P. (2016). Padrões de manipulação na grande imprensa. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Allcott, H. & Gentzkow, M. (2017). Social media and “fake news” in the 2016 election. Journal of economic perspectives, 31(2): 211-236. Doi: 10.1257/jep.31.2.211.

Barroso, E. & Estrada, R. (2018). De Hípias Menor a Trump: das virtudes do erro (e da mentira) ao erro da pós-verdade. Estudos em Comunicação, 1(26): 301-309. Doi: 10.20287/ec.n26.v1.a17.

Bassas, A. (2016, 17 de novembro). L’anàlisi d’Antoni Bassas: ’La postveritat’. Diari Ara (em catalán).

Beckett, C. & Deuze, M. (2016). On the role of emotion in the future of journalism. Social media+ society, 2(3). Doi: 10.1177/2056305116662395.

Berger, P. & Luckmann, T. (1999). A Construção Social da Realidade. Lisboa: Dinalivro.

Bourdieu, P. (1989). O Poder Simbólico. Lisboa: Difel.

Bourdieu P. (1992). Réponses. Paris, Seuil.

Bourdieu, P. (1997). Sobre a televisão. Lisboa: Celta.

Camilo, A. (2020, março 6). O novo coronavírus é igual à gripe? Não. Mata 26 vezes mais. Sábado. Retirado de www.sabado.pt/portugal/detalhe/o-novocoronavirus-e-igual-a-gripe-nao-mata-26-vezes-mais.

Carey, J. (1997). A Critical Reader. In Munson & Warren (eds.), The Problem of Journalism History. Minnesota (EUA): University of Minnesota Press.

Castells, M. (2007). A Sociedade em Rede. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Christofoletti, R. (2018). Padrões de manipulação no jornalismo brasileiro: “fake news” e a crítica de Perseu Abramo 30 anos depois. RuMoRes, 12(23): 56-82. Doi: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2018.144229.

Correia, J. (2008). Habilitation Lecture – Lição de Agregação. O jornalismo e a construção do real: notas para uma abordagem sociofenomenológica da teoria da notícia. Doi: 10.13140/RG.2.2.31135.36004.

Costa, A. (2019). Não há fatos contra argumentos. A falha da atestação da Verdade como validador do Jornalismo. XVII SBPJor, Goiânia, GO. Retirado de: http://sbpjor.org.br/congresso/index.php/sbpjor/sbpjor2019/paper/viewFile/2042/1159.

Costa, B.; Jesus Viegas, D.; Moreira, T. & Abreu, P. (2020). O movimento antivacina no YouTube nos tempos de pós-verdade: Educação em saúde ou desinformação?. Revista Mídia e Cotidiano, 14(1): 220-239. Doi: 10.22409/rmc.v14i1.38210.

Costa, P. (2020). Impactos da captologia. Problemáticas, desafios e algumas consequências do “dar vistas” ao ecrã em rede. Sociologia Online, (23). Doi: 10.30553/sociologiaonline.2020.23.4.

Cunha, P., Coelho, V., Moraes, S., Sampaio, S., & Manzoni, D. (2014). Vacinas e a educação em ciências. ComCiência, (162), out. Retirado http://comciencia.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-76542014000800011&lng=en&nrm=isso.

Davey, M., Kirchgaessner, S., & Boseley, S. (2020, junho 3). Surgisphere: governments and WHO changed Covid-19 policy based on suspect data from tiny US company. The Guardian, 3.

Deuze, M. (2019). What Journalism Is (Not). Social Media + Society, July-September: 1-4. Doi: 10.1177/205630511985720.

Deuze, M. & Witschge, T. (2016). O que o jornalismo está se tornando. Parágrafo, 4(2): 6-21. Retirado de: www.revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/478.

Dourado, J. & Alencar, M. (2020). Agência Lupa: fact-checking como modelo de negócio na Internet. Comunicação & Inovação, 21(46). Doi: 10.13037/ci.vol21n46.6388.

Elster, J. (1999). Alchemies of the Mind: Rationality and the Emotions. Cambridge: Cambridge University Press.

Fidalgo, J. (2006). O lugar da ética e da auto-regulação na identidade profissional dos jornalistas. Tese de Doutoramento em Ciências da Comunicação, Universidade do Minho, Braga.

Fidalgo, J. (2019). Em trânsito pelas fronteiras do Jornalismo. Comunicação Pública, 14(27). Doi: 10.4000/cp.5522.

Figaro, R. (2013). Perfis e discursos de jornalistas no mundo do trabalho. As mudanças no mundo do trabalho do jornalista (pp. 7-143). São Paulo: Ed. Atlas/Salta.

Fuchs, C. (2010). Alternative media as critical media. European Journal of Social Theory, 13(2): 173-192. Doi: 10.1177/1368431010362294.

Geraldes, E. (2001). Jornalismo e legitimação científico-tecnológica: o caso da erradicação da poliomelite no Brasil. XXIV Intercom, Campo Grande, MS. Retirado de: www.portcom.intercom.org.br/pdfs/24008904670894315566973468569901031618.pdf.

Gonçalves, J. (2020, abril 4). Covid-19: Portugal atingiu um R0 igual a 1. O que quer isto dizer? Rádio Renascença. Retirado de https://rr.sapo.pt/2020/04/16/pais/Covid-19-portugal-atingiu-um-r0-igual-a-1-o-que-quer-isto-dizer/noticia/189517/.

Graham, J.; Haidt, J.; Koleva, S.; Motyl, M.; Iyer, R.; Wojcik, S. & Ditto, P. (2013). Moral foundations theory: The pragmatic validity of moral pluralism. Advances in experimental social psychology, 47: 55-130. Academic Press. Retirado de: https://sites.uci.edu/peterdittolab/files/2020/06/Graham-et-al-2013.AESP_.pdf.

Gruszynski, A.; Kalsing, J.; Hoewell, G. & Brandão, C. (2020). Fact-checking e saúde: análise da seção ‘Verdade ou Boato’de GaúchaZH. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 14(1): 51-71. Doi: 10.29397/reciis.v14i1.1860.

Güell, O. (2020, maio 20). Especialistas defendem OMS de críticas sobre desempenho no combate ao coronavírus. El País. Retirado de: https://brasil.elpais.com/internacional/2020- 5-20/especialistas-defendem-oms-de-criticas-sobre-desempenho-no-combate-ao-coronavirus.html.

Heloani, R. (2006). O trabalho do jornalista: estresse e qualidade de vida. Interações, (22): 171-198. Retirado de: www.redalyc.org/pdf/354/35402208.pdf.

Henriques, C. (2018). A dupla epidemia: febre amarela e desinformação. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 12(1): 9-13. Doi: 10.29397/reciis.v12i1.1513.

Hunt, E. (2016, dezembro 17). What is “fake news”? How to spot it and what you can do to stop it. The Guardian. Retirado de: www.theguardian.com/media/2016/dec/18/what-is-fake-news-pizzagate.

Karppinen, K. (2008). Media and the Paradoxes of Pluralism. In Hesmondhalgh & Toynbee (ed.), The media and social theory (pp. 27-42). London: Routledge.

Latour, B. (2020). Bruno Latour: ’This is a global catastrophe that has come from within’. Retirado de www.theguardian.com/world/2020/jun/06/bruno-latour-coronavirus-gaia-hypothesis-climate-crisis.

Lima, S. (2013). Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Editora Insular.

Lopes, M. (2020, junho 17). Jornalistas admitem que orientaram cidadãos para o confinamento. Público. Retirado de www.publico.pt/2020/06/17/politica/noticia/jornalistas-admitem-orientaram-cidadaos-confinamento-1920798.

Lusa (2020). Covid-19 | Pandemia. SNS (Serviço Nacional de Saúde de Portugal). Retirado de https://www.sns.gov.pt/noticias/2020/03/11/COVID-19-pandemia/.

Mcquail, D. (2003). Teoria da Comunicação de Massas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Mcquail, D. (2005). Publication in a free society: the problem of accountability. Comunicação e Sociedade, 7: 235-255.

Meneghini, J. (2020). Emoções e afetos na desorganização informacional: o medo e a esperança em conteúdos falsos de saúde no WhatsApp. Dissertação de Mestrado Profissional em Produção Jornalística e Mercado, ESPM, São Paulo.

Mesquita, M. (2003). O Quarto Equívoco: o poder dos media na sociedade contemporânea. Coimbra: Minerva Coimbra.

Monari, A. & Bertolli Filho, C. (2019). Saúde sem “fake news”: estudo e caracterização das informações falsas divulgadas no Canal de Informação e Checagem de “fake news” do Ministério da Saúde. Revista Mídia e Cotidiano, 13(1): 160-186. Doi: 10.22409/ppgmc.v13i1.27618.

Natércia, F. (2008). Por uma leitura crítica da ciência. ComCiência, 100. Retirado de: http://comciencia.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-76542008000300018&lng=pt&nrm=iso-.

Oliveira, A. & Assis, C. (2020). “Fato ou Fake”, uma tentativa de retorno ao gatekeeper. Revista UNINTER de Comunicação, 8(14): 4-14. Doi: 10.21882/ruc.v8i14.787.

Oliveira, T.; Quinan, R. & Toth, J. (2020). Antivacina, fosfoetanolamina e Mineral Miracle Solution (MMS): mapeamento de fake sciences ligadas à saúde no Facebook. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 14(1): 90-111. Doi: 10.29397/reciis.v14i1.1988.

Ordem dos Enfermeiros (2020, maio 14). Testes sorológicos mostram que número de profissionais infectados é dez vezes superior. Retirado de www.ordemenfermeiros.pt/noticias/conteudos/testes-sorol%C3%B3gicos-mostram-que-n%C3%BAmero-de-profissionais-infectados-%C3%A9-dez-vezes-superior/.

Orgeret, K. (2020). Discussing Emotions in Digital Journalism. Digital Journalism, 8(2): 292-297. Retirado de: www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/21670811.2020.1727347. Acessado em 21/09/2020.

Paganotti, I.; Sakamoto, L. & Ratier, R. (2019) Mais fake e menos news: resposta educativa às notícias falsas nas eleições de 2018. In Costa & Blanco (orgs.), Liberdade de expressão: questões da atualidade. São Paulo: ECA-USP. Doi: 10.11606/9788572052597.

Paganotti, I. (2018). Notícias falsas, problemas reais: propostas de intervenção contra noticiários fraudulentos. In Costa & Blanco (orgs.), Pós-tudo e crise da democracia. São Paulo: ECA-USP. Doi: 10.11606/9788572052092.

Patino, B. (2019). A civilização do peixe-vermelho: como peixes-vermelhos presos aos ecrãs dos nossos smartphones. Lisboa: Gradiva.

Pegurer-Caprino, M. & Martínez-Cerdá, J. (2016). Alfabetización mediática en Brasil: experiencias y modelos en educación no formal. Comunicar, 24(49): 39-48. Doi: 10.3916/C49-2016-04.

Queiroz, G. (2020, 2 de julho) Ondas de desinformação sobre Covid-19 no Brasil vão de curas a caixões vazios. Lupa. Retirado de: https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/2020/07/02/coronaverificado-ondas-desinformacao.

Sacramento, I. & Paiva, R. (2020). “fake news”, WhatsApp e a vacinação contra febre amarela no Brasil. Matrizes, 14(1): 79-106. Doi: 10.11606/issn.1982-8160.v14i1p79-106.

Santos, L. (2015, outubro 14). Quem nos desvia o Olhar?. Rádio Renascença. Retirado de: http://rr.sapo.pt/artigo/36770/quem_nos_desvia_o_olhar.

Silva, F. & Silva Jr., J. (2019). Mentiras sinceras (não) me interessam: estratégias biopolíticas do Ministério da Saúde no combate às “fake news”. Revista Intersecções, 12(27): 226-246. Retirado de https://revistas.anchieta.br/index.php/RevistaInterseccoes/article/view/1395.

Singer, J. (2007). Contested Autonomy: Professional and Popular Claims on Journalistic Norms. Journalism Studies, 8(1): 79-95. Doi: 10.1080/14616700601056866.

Spinelli, E. & Santos, J. (2018). Jornalismo na era da pós-verdade: fact-checking como ferramenta de combate às “fake news”. Revista Observatório, 4(3): 759-782. Doi: 10.20873/uft.2447-4266.2018v4n3p759.

Sousa, V. (2017). A luz, as sombras e a procura da verdade. Os média e a construção de uma realidade equívoca e totalizante. (OBS*) Observatorio, 11(1): 20-40. Doi: 10.7458/obs1102017979.

Tandoc Jr, E.; Lim, Z.&Ling, R. (2018). Defining ““fake news”” A typology of scholarly definitions. Digital journalism, 6(2): 137-153. Doi: 10.1080/21670811.2017.1360143.

Traquina, N. (2005). Teorias do jornalismo. Florianópolis: Editora Insular.

Tuchman, G. (1978). Making News: A Study in the Construction of Reality. New York: Free Press.

Tuchman, G. (1993) A objetividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objetividade dos jornalistas. In N. Traquina (org.), Jornalismo: questões, teorias e "estórias" (pp. 61-73). Lisboa: Vega.

Vázquez-Herrero, J.; Vizoso, Á. & López-García, X. (2019). Innovación tecnológica y comunicativa para combatir la desinformación: 135 experiencias para un cambio de rumbo. El profesional de la información, 28(3): e280301. Doi: 10.3145/epi.2019.may.01.

Vosoughi, S.; Roy, D. & Aral, S. (2018). The spread of true and false news online. Science, 359(6380): 1146-1151. Doi: 10.1126/science.aap9559.

Wahl-Jorgensen, K. (2020). An emotional turn in journalism studies?. Digital Journalism, 8(2): 175-194. Retirado de: www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/21670811.2019.1697626. Acessado em 21/09/2020.

Wardle, C. & Derakhshan, H. (2017). Information disorder: Toward an interdisciplinary framework for research and policy making. Council of Europe report, 27. Retirado de: https://edoc.coe.int/en/media/7495-information-disordertoward-an-interdisciplinary-framework-for-research-and-policy-making.html.

Wolf, M. (2012). Teorias da comunicação. Lisboa: Presença.

Zarocostas, J. (2020d). How to fight an infodemic. The Lancet, 395(10225): 676.

Zelizer, B. (2009). Journalism and the Academy. In K.Wahl-Jorgensen, T. Hanitzsch (eds.), Handbook of Journalism Studies (pp. 29-41). New York: Routledge. Doi: 10.4324/9780203877685.

Zelizer, B. (ed.) (2009a). Explorations in Communication and History. London: Routledge. Doi: 10.4324/9780203888605.

Zu, Z.; Jiang, M.; Xu, P.; Chen, W.; Ni, Q.; Lu, G. & Zhang, L. (2020). Coronavirus disease 2019 (COVID-19): a perspective from China. Radiology, 200490. Retirado de: www.em.com.br/app/noticia/pensar/2020/04/03/interna_pensar,1135082/funcionamento-da-humanidade-entrou-em-crise-opina-ailton-krenak.shtml.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT