O net-ativismo indígena na Amazônia, em contextos pandêmicos

Thiago Cardoso Franco, Massimo Di Felice, Eliete da Silva Pereira

Resumo


O artigo é parte de uma pesquisa atópica sobre a apropriação de tecnologias por ameríndios amazônicos, que culmina na pandemia do coronavirus. O objetivo da pesquisa aborda o modo como as comunidades ameríndias da Amazônia se apropriaram das tecnologias digitais para as práticas de resistência net-ativistas, diante do vírus da Covid-19 e na desmobilização da informação por parte do governo brasileiro. O método utilizado é a atopoia em concordância com a complexidade. Resultados: identificação de comunidades ameríndias amazônicas conectadas a internet, que utilizam de recursos net-ativistas; identificação da informação, sobre a Covid-19, que chega as redes ameríndias de comunicação; produção de material audiovisual junto as comunidades, sobre a Covid-19.


Palavras-chave


Amazônia; comunicação digital; Covid-19; net-ativismo indígena; produção partilhada do conhecimento

Texto Completo:

PDF

Referências


Callon, M. (1986). Some elements of a sociology of translation: domestication of the scallops and the fishermen of St Brieuc Bay; Power, action and belief: a new sociology of knowledge?. London: Routledge.

Castells, M. (2013). Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar.

Costa, R. (2013). Na trilha dos Timbiras: sustentabilidade e territorialidade Krahô. Tese de Doutorado, Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

Descola, P. (2013). The ecology of others. Chicago: Prickly paradigm press.

Di Felice, M. (2016). Paysages post urbain. La fin de l experience urbaine et les formes communicatives de l’habiter. Paris: CNRS Edition.

Di Felice, M. (2017). Net-attivismo, dall azione sociale all atto connettivo. Roma: Ed. Estemporanee.

Di Felice, M. (2019). La cittadinanza digitale. Milano: Meltemi.

Di Felice, M. & Franco, T. (2018). Connective Ecologies: Digital Animism, Computerized Ecology, and Matter in a Network. Palabra Clave, (21): 964-991.

Di Felice, M. & Pereira, E. (2017). Redes e ecologias comunicativas indígenas: as contribuições dos povos originários à teoria da comunicação. São Paulo: Paulus.

Di Felice, M; Pereira, E. & Roza, E. (2017) Net-ativismo: redes digitais e novas práticas de participação. Campinas: Papirus.

Elhakeem, A.; Markovic, D.; Broberg, A.; Anten, N. & Ninkovic, V. (2018). Aboveground mechanical stimuli affect belowground plant-plant communication. PLoS ONE, 13(5).

Fearnside, P. (2015). Rios voadores e a água de São Paulo 4: As razões da seca de 2014-2015. Manaus: Amazônia Real.

Ferrante, L. & Fearnside, P. (2020). Protect Indigenous peoples from COVID-19. Science, (368): 251-251.

Fragoso, S.; Recuero, R. & Amaral, A. (2011). Métodos de pesquisa para a Internet. Porto Alegre: Sulina.

Franco, T. (2019). Ameríndios Conectados: As formas comunicativas de habitar e narrar o mundo, de acordo com as imagens dos modernos e dos Krahô. Tese de doutorado, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.

Fonseca, L. & Gohn, M. (2016). Redes de mobilização e organizações indígenas – internet, ciberativismo e novos repertórios de resistência contra grandes projetos na Amazônia. Caxambu: ANPOS.

Haraway, D. (2019). Seguir con el problema. Generar parentesco en el Chthuluceno. Edición Consonni: Bilbao.

Kopenaway, D. & Albert, B. (2015). A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras.

Langdon, E. (2005). O abuso de Álcool entre os povos Indígenas no Brasil: uma avaliação comparativa. Tellus , 5(9): 103-124.

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de janeiro: Ed. 34.

Latour, B. (2004). Políticas da natureza. São Paulo: EDUSC.

Latour, B. (2005). Reassembling the social: an introduction to ActorNetwork-Theory. Oxford: Oxford University Press.

Law, J. (1999). After ANT: complexity, naming and topology; Actor-Network Theory and after. London: Blackwell.

Lévi-Strauss, C. (1987). Race et Histoire. Paris: Mediations.

Lovelock, J. (1972). Letter to the Editors – Gaia as seen through the Atmosphere. Atmospheric Environment, (6): 579-580.

Lovelock, J. (1981). Gaia nuove idee sull ecologia. Torino: Bollati Borignhieri.

Lovelock, J. (1988). The ages of Gaia: a biography of our living Earth. New York: W.W. Norton e Company.

Lovelock, J. (1990). Hands up for the Gaia Hypothesis. Nature, (344): 100-102.

Lovelock, J. (1991). Gaia – the practical science of planetary medicine. Oxford: Oxford University Press.

Morin, E. (1977). O método. A Natureza da Natureza. Portugal: Publicações Europa-América.

Morin, E. (1982). Ciência com consciência. Lisboa: Publicações Europa-América.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez.

Morin, E. (2005). Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E.; Ciurana, E.; Motta & Raúl, D. (2003). Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem no erro e na incerteza humana. São Paulo: Cortez.

Musso, P. (2004). A filosofia da rede; Tramas da Rede. Novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Sulina.

Neves, E. (2012). Sob os tempos do Equinócio: oito mil anos de História na Amazônia Central (6.500 AC - 1.500 DC). Tese Livre-Docência, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pereira, E. (2008). Mídias Nativas: a comunicação audiovisual indígena–o caso do projeto Vídeo Nas Aldeias. II Simpósio Nacional da Abciber.

Pereira, E. (2012). Ciborgues indígen@s.br: a presença nativa no ciberespaço. São Paulo: Annablume.

Pereira, E. (2013). O local digital das culturas: as interações entre culturas, mídias digitais e territórios. Tese de Doutorado, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pereira, E. (2017). Net-ativismo indígena brasileiro: notas sobre a atuação comunicativa indígena nas redes digitais; Redes e ecologias comunicativas indígenas: as contribuições dos povos originários à teoria da comunicação. São Paulo: Paulus.

Pereira, E. (2018). A ecologia digital da participação indígena brasileira. Lumina, 12(3): 93-112.

Rainie L. & Wellman B. (2012). Networked, il nuovo sistema operativo sociale. Roma Guerini Editore.

Sartre, J. (2004). L’être et le néant: essai d’ontologie phénoménologique. Paris: Gallimard.

Sloterdijk, P. (1999). No mesmo barco: ensaio sobre a hiperpolítica. São Paulo: Estação Liberdade.

Sloterdijk, P. (2003). Esferas I. Madri: Ediciones Siruela.

Sloterdijk, P. (2004). Esferas II. Madri: Ediciones Siruela.

Sloterdijk, P. (2006). Esferas III. Madri: Ediciones Siruela.

Sontag, S. (1996). Contra la interpretación (trad. H. Rial). Buenos Aires: Alfaguara.

Vernadsky, W. (1986). The Biosfere. Oracle (Ariz.): Synergetic Press.

Viveiros de Castro, E. (2013). A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT