Articulação da direita no Facebook: identificando atores chaves do Movimento Brasil Livre e do Vem pra Rua a partir da Análise de Redes Sociais

Davi Barboza Cavalcanti, Fábio Jardelino, Bianca Persici Toniolo

Resumo


Este trabalho analisou dois grupos políticos brasileiros que possuem milhões de seguidores nas redes sociais virtuais, os quais foram articuladores de grandes mobilizações nos últimos anos. A pergunta que orientou essa investigação foi: com quem se relacionam o Movimento Brasil Livre e o Vem pra Rua no Facebook? Para a realização da pesquisa, foram feitas coletas e análises de dados no Facebook entre 2018 e 2019. Entre os resultados, analisaram-se os principais atores pertencentes e ligados a esses grupos e, também, se verificou a existência de uma articulação on-line entre políticos de direita, lideranças próprias e mídia (inclusive a alternativa). A temática é relevante por abordar desafios contemporâneos da pesquisa on-line, da Análise de Redes Sociais (ARS) e dos novos movimentos políticos no papel de produtores e disseminadores de conteúdos políticos.


Palavras-chave


análise de redes sociais; Movimento Brasil Livre; Vem pra Rua; movimentos sociais

Texto Completo:

PDF

Referências


Alonso, A. & Mische, A. (2016). Changing repertoires and partisan ambivalence in the new Brazilian protests. Bulletin of Latin American Research.

Amaral, M. (2016). Jabuti não sobe em árvore: como o MBL se tornou líder das manifestações pelo impeachment. In I. Jinkings, K. Doria & M. Cleto (eds.), Por que gritamos golpe?. São Paulo: Boitempo Editorial.

Araújo, R; Penteado, C. & Santos, M. (2016). Movimentos políticos pelo impeachment de Dilma Rousseff e suas organizações na Internet. 40º Encontro Anual da ANPOCS.

Barabási, A. (2009). Linked: a nova ciência dos networks. São Paulo: Leopardo Editora.

Bennett, L. & Segerberg, A. (2013). The logic of connective action: digital media and the personalization of contentious politics. Cambridge: Cambridge University Press.

Cavalcanti, D.; Bringel, E.; Jardelino, F.; Oliveira, T. & Zucolotto, V. (2019). Digital activism and indignation nets in Brazil: the pressure groups. Journal of Politics in Latin America (Print), 1.

Codas, G.; Cruz, S. & Kaysel, A. (2015). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Chaloub, J. & Perlatto, F. (2015). Intelectuais da nova direita brasileira: ideias, retórica e prática política. 39º Encontro Anual da ANPOCS.

Cherven, K. (2015). Mestering Gephi network visualization. Birmingham: Packt Publishing.

Fontes, A. (2012). Redes sociais e poder local. Recife: Editora da UFPE.

Granovetter, M. (1973). The Strength OfWeak Ties. American Journal of Sociology, 78: 1360-1380.

King, G.; Keohane, R.; Verba, S. (1994). Designing social inquiry. Princeton: Princeton University Press.

King, G. (1995). Replication, replication. PS: Political Science & Politics, 28(3): 444-452.

Laclau, E. & Mouffe, C. (1987). Hegemonía y estrategia socialista. Madrid: Siglo XXI.

Machado, M. (2013). Discursos pentecostais em torno do aborto e da homossexualidade na sociedade brasileira. Revista Cultura y Religión, 7(2): 48-68.

Marwell, G. & Oliver, E. (1989). Social networks and collective action: a theory of the critical mass. American Journal of Sociology, 94(4): 502-534.

Molina, J. (2001). El análisis de redes sociales: uma introducción. Barcelona: Bellaterra.

Olson, M. (1971). The logic of collective action: public goods and the Theory of Groups. Cambridge: Harvard University Press.

Panizza, F. (2006). La marea rosa. Análise de Conjuntura, OPSA, 8.

Pereira, C. (2011). Coalitional presidentialism and side payments: explaining the Mensalão scandal in Brazil. In T. Power & M. Taylor, Corruption and democracy in Brazil: the struggle for accountability. Notre Dame: UND Press.

Pollock III, P. & Edwards, B. (2020). The essentials of political analysis. Washington, D.C.: CQ Press.

Recuero, R. (2009). Redes sociais na internet. Coleção Cibercultura. Porto Alegre: Sulina.

Recuero, R. (2014). Contribuições da Análise de Redes Sociais para o estudo das redes sociais na Internet: o caso da hashtag #Tamojuntodilma e #CalaabocaDilma. Revista Fronteiras – estudos midiáticos: 60-77, maio/agosto.

Rocha, C. (2018). “Menos Marx, mais Mises”: uma gênese da nova direita brasileira (2006-2018). Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Rodríguez, A. (1995). Análisis estrutural y de redes. Cuadernos metodológicos, (16).

Rogers, R. (2018). Issuecrawling: Building lists of URLs and mapping website networks. In C. Lury, P. Clough, U. Chung, R. Fensham, S. Lammes, A. Last, M. Michael & E. Uprichard (eds.), Routledge Handbook of Interdisciplinary: Research Methods (pp. 169-175). London: Routledge.

Sousa, M. & Souza A. (eds.) (2013). Jornadas de junho: repercussões e leituras. Campina Grande: Eduepb.

Sorj, B. & Fausto, S. (2016). Ativismo político em tempos de internet. São Paulo: Edições Plataforma Democrática.

Travers, J. & Milgram, S. (1969). An Experimental Study of the Small World Problem. Sociometry, 32(4).

Valentini, C. & Kruckeberg, D. (2012). New media versus social media: a conceptualization of their meanings, uses, and implications for public relations . In S. Duhé (ed.), New Media and Public Relations (pp. 3-12). Nova York: Peter Lang.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT