A relação indivíduo/meio/conteúdo na produção das realidades mediada e não mediada e cultura/conhecimento enquanto génese paradigmática de comunicação: uma proposta reformulativa na abordagem epistemológica ao sistema massmediático

Martim Ramos Vasco, Carlos Canelas

Resumo


Os massmedia sofreram alterações profundas desde a democratização do acesso à produção/difusão/reprodução da informação. A perda de poder de decisão sobre os eixos de comunicação, até então detidas  pelos habituais gatekeepers, exemplifica-o. Assim a esfera de sociabilização veiculada pela comunicação nas sociedades mediatizadas, evoluindo de uma “manipulação de conteúdos”, passa agora a ser cada vez mais "aberta" à "auto-comunicação", desse modo, vinda dos indivíduos, dos grupos e das massas para si próprios. Nesse contexto, defende-se que a disciplina “sociologia dos media” tem também uma evolução epistemológica a acontecer, visto que se começa a conseguir diagnosticar uma dependência de produção de conhecimento, a difundir, vindo das próprias massas (e demais instâncias), para que esse conhecimento se legitime como verdade e se constitua como conteúdo válidado. Desse modo pode dizer-se que, no último decénio, emissor e recetor têm tendido a tornar-se uma mesma instância. Assim a analise aos conteúdos comunicacionais destas sociedades e a análise aos conteúdos de comunicação nos media nessas mesmas sociedades equivalem-se concomitantemente. Propõe-se então uma análise crítica ao sistema, fazendo uma análise a alguns fenómenos emergentes no corpo social e retira-se algumas conclusões, propondo o fator Cultura como génese primordial num novo sistema comunicacional massmediático, o qual terá o seu berço num sistema mediático interconectado.


Palavras-chave


interconexão; conteúdo; emissor/recetor; sistema massmediático; cultura/conhecimento

Texto Completo:

PDF

Referências


Adorno, T. & Horkheimer, M. (1985). A dialética do esclarecimento. RAdorno, T. & Horkheimer, M. (1985). A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Barthes, R. (1967). O sistema da moda. Lisboa: Edições 70.

Barthes, R. (1988). Mitologias. Lisboa: Edições 70.

Baudrillard, J. (2010). A Sociedade de Consumo. Lisboa: Edições 70.

Berger, P. & Luckmann, T. (1999). A Construção Social da Realidade: um livro sobre a sociologia do conhecimento. Lisboa: Dinalivro.

Cardoso, G. & Lapa, T. (2015). O estudo da internet e dos ecrãs na sociedade em rede. Psicologia dos comportamentos online. Lisboa: Relógio D’Água Editores.

Castels, M. (2003). A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura, vol II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Castels, M. (2007). A Galáxia Internet:Reflexões sobre Internet, Negócios e Sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2ª edição.

Cauquelin, A. (2010). Arte Contemporânea. Mem Martins: Pub. Europa América.

Damásio, A. (2012). Ao encontro de Espinosa: Emoções sociais e a Neurologia do sentir. Lisboa: Círculo de Leitores.

Damásio, A. (2013). O Sentimento de Si: Corpo, Emoção e Consciência. Lisboa: Círculo de Leitores, Coleção Temas e Debates.

Dorfles, G. (1965). Novos Ritos Novos Mitos. Lisboa: Edições 70.

Dorfles, G. (1984). A moda da moda. Lisboa: Edições 70.

Duarte, C. (2004). Moda. Lisboa: Quimera.

Dubois, B. (1998). Compreender o Consumidor. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2.ª edição.

Eco, H. (1975). Psicologia do vestir. Lisboa: Arte e Produção.

Eliade, M. (1963). Aspetos do Mito. Lisboa: Edições 70.

Epícuro (2008). Carta sobre a felicidade ou a conduta humana para a saúde do espírito. Almargem do Bispo: Padrões Culturais Editora.

Esteves, J. (2003). A Ética da Comunicação e os Meios Modernos: Legitimidade e Poder nas Sociedades Complexas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2.ª edição.

Fonseca, A. (2015). Jovens adultos. Lisboa: Almedina.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio Janeiro: Editora Gunabara Koogan.

Goleman, D. (2015). Inteligência Emocional. Lisboa: Circulo de Leitores.

Habermas, J. (2013 [1981]). A modernidade: um projeto inacabado. Lisboa: N. Vega.

Heartney, E. (2002). Pós-Modernísmo. Lisboa: Editorial Presença.

Joly, M. (1999). Introdução à analise da Imagem. Lisboa: Edições 70.

Kapferer, J. (1987). Boatos: O Meio de Comunicação Mais Velho do Mundo. Portugal: Pub. Europa-América.

Lindstrom, M. (2012a). Brandwashed:Os truques de Marketing que as empresas usam para manipular as nossas mentes. Lisboa: Gestãoplus.

Lindstrom, M. (2012b). Buy.ology: a Ciência do Neuromarketing. Lisboa: Gestãoplus.

Lipovetsky, G. (2004). O Crepúsculo do dever: A ética indolor dos novos tempos democráticos. Lisboa: Dom Quixote.

Lipovetsky, G & Serroy, J. (2018). A cultura-mundo: resposta uma sociedade desorientada.

Lisboa: Edições 70.

Lipovetsky, G. & Charles, S. (2014). Os Tempos Hipermodernos. Lisboa: Edições 70.

Lipovetsky, G. & Elyette, R. (1997). O Luxo Eterno da Idade do Sagrado ao Tempo das Marcas. Brasil: Companhia das Letras.

MacLuhan, M. (1964). Os meios de comunicação como extensões do Homem. São Paulo: Cultrix.

Maquail, D. (2003). Teoria da Comunicação de Massas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Marques, I. (1999). Desmaterialização e trabalho. Informação e Globalização na Era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Mckenna, K. (2015). Do outro lado do espelho da internet: Exprimir e validar o “verdadeiro eu”. Psicologia dos comportamentos online. Lisboa: Relógio D’Água Editors.

Miranda, G. (2015). Psicologia dos Comportamentos On-line. Lisboa: Relógio d’Água.

Mlodinow, L. (2014). Subliminar: Como o Inconsciente Controla o Nosso Comportamento. Barcarena: Marcador Editora.

Monteiro, C.; Marques, H. & Lourenço, J. (2008). Fundamentos de Comunicação. Lisboa: Ed. Sílabo, 2.ª edição.

Mooij, M. (2004). Consumer behavior and culture: consequences for Global Marketing and Advertising. California: SAGE Publications.

Morais, C. (2014). A arte ao sabor da moda? Elementos de crítica de moda na perspetiva de Mikel Dufrenne. Revista Portuguesa de Filosofia, (70). Lisboa: Publicações Facfil.

Peixoto, F. (2007). Técnica e Estética na Publicidade. Lisboa: Edições Sílabo.

Pinto A. (1997). Publicidade: Um discurso de sedução. Porto: Porto Editora.

Quivy, R. & Campenhaudt, L. (2008). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

Rapaille, C. (2006). O código cultural. Lisboa: Campus.

Rego, A. (2013). Comunicação Pessoal e Organizacional: Teoria e Prática. Lisboa: Edições Sílabo, 3.ª edição.

Reis, C. (2007). O Valor (Des)educativo da Publicidade. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Reis, C. (2014). Educação e Cultura Mediática: Implicações Deseducativas, coleção Iberografias, n.º 29. Lisboa: Âncora.

Riesman, D. (1950). The lonely Crowd: A study of thechanging American character. Massachussets: YaleUniversity Press.

Rodrigues, A. (1999). O campo dos Media: Discursividade, narratividade, máquinas. Lisboa: Veja.

Rodrigues, A. (2001). Estratégias de Comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 3.ª edição.

Runa, A. & Miranda G. (2015). Emoções e expressão das emoções online. Psicologia dos Comportamentos Online. Lisboa: Relógio D’Água Editores.

Santos, B. (2006). Este Consumo que nos Consome: Olhares sobre a sociedade de consumo actual. Porto: Campo das letras.

Santos, J. (1992). Comunicação. Lisboa: Difusão Cultural.

Schmidt, E. & Cohen, J. (2013). A Nova Era da Digitalização: Reformulando o futuro das Pessoas, das Nações e da Economia. Lisboa: Dom Quixote.

Sheer, L. (1997). A Democracia Virtual. Lisboa: Ed. Séc. XXI.

Solomon, M.; Bamossy, G.; Askegaard, S. & Hogg, M. (2006). Consumer Behaviour: A European Perspective. New Jersey: Prentice-Hall, 3.ª edição.

Vasco, M. (2017). Jovem Consumidor Contemporâneo: A tendência cultural antiregra e a propagação das modas pelos massmédia. Guarda: IPG.

Volkov, et al. (1990). Ética. Lisboa: Edições Progresso.

Zuin, A. (2001). Sobre a atualidade do conceito de indústria cultural. Cadernos CEDES, Ano XXI (54).


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT