Quando um Presidente da República vive no limite do semipresidencialismo: retratos que a imprensa diária esboçou na primeira metade do mandato de Marcelo Rebelo de Sousa

Felisbela Lopes, Paula Espírito Santo

Resumo


O 20º Presidente da República Portuguesa inaugurou, em Março de 2016, um mandato distintivo na forma como se relaciona com os poderes que a Constituição lhe confere. Participando diariamente em múltiplos eventos, Marcelo Rebelo de Sousa fala, acima de tudo, daquilo que considera mais estratégico (re)colocar na ordem do dia, entrando em permanência em áreas de atuação que pertencem ao Governo. E isso é legitimado por duas forças que este PR não descura: a popularidade que reúne junto dos portugueses e a atenção mediática que provoca nos jornalistas. É aqui que reside a sua força para testar alguns dos poderes presidenciais que lhe estão fixados pela Lei Fundamental. Nesta contribuição, identificaremos o modo como o Presidente da República exerceu os seus poderes à luz do que a imprensa diária generalista portuguesa tem publicado sobre si, ao longo dos primeiros dois anos de mandato (9 de Março de 2016 a 9 de Março de 2018). Com base num universo de 1.537 textos noticiosos publicados, neste período, no Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Público e Correio da Manhã, identificaremos quais os poderes presidenciais que estiveram em destaque na imprensa e faremos sobressair três situações que assumiram relevância no modo como o Presidente da República faz vingar a sua posição junto do Governo: a intervenção no rumo do único banco público português (Caixa Geral de Depósitos), a coordenação das operações em torno do roubo de material militar em Tancos e o envolvimento com as vítimas dos incêndios que afetaram a região centro de Portugal em 2017. Como resultados esperados, esta contribuição procura examinar a construção da proximidade entre eleitores e eleitos, promovida pela figura presidencial, e amplificado pela imprensa. Ou seja, pretende-se identificar os moldes e o papel da imprensa como motores essenciais para a projeção da mensagem política e da figura presidencial, em termos de utilização do espaço público mediático.


Palavras-chave


jornalismo político, tematização, semipresidencialismo

Texto Completo:

PDF

Referências


Almond, G. & Verba, S. (1963). The Civic Culture: Political Attitudes and Democracy in Five Nations. Princeton: Princeton University Press.

Bacelar Gouveia, J. (2007). A Dissolução da Assembleia da República – Uma Nova Perspectiva da Dogmática do Direito Constitucional. Lisboa: Almedina.

Bardin, L. (2013). Análise de conteúdo, 4ª edição. Lisboa: Edições 70. Constituição da República Portuguesa. www.parlamento.pt/Legislacao/paginas/constituicaorepu

blicaportuguesa.aspx. Acedido em Março de 2018.

Correia, J.; Fidalgo, A. & Serra, P. (orgs.) (2003). Informação e Comunicação Online, vol. III: Mundo Online da Vida e Cidadania. Covilhã: UBI.

Costa Lobo, M. (2018). Constituição Portuguesa em Fluxo: uma perspectiva comparada 1976-2016. Lisboa: Assembleia da Repoublica.

Costa Pinto, A. & Canelas Rapaz, P. (2018). Presidentes e (Semi)Presidencialismo nas Democracias Contemporâneas. Lisboa: ICS.

Costa Pinto, A. & Magalhães, L. (ed.) (2013). A Qualidade da Democracia em Portugal. A Visão dos Cidadãos. Lisboa: ICS.

Dalton, R. & Welzel, C. (2014). The Civic Culture Transformed: From Allegiant to Assertive Citizens. Cambridge: Cambridge University Press.

Duverger, M. (1978). Échec au Roi. Paris: A. Michel.

Duverger, M. (1980). A New Political System Model: Semi-Presidential Government. European Journal of Political Research, (8): 165-187.

Elgie, R. (2008). The Perils of Semi-Presidentialism. Are They Exaggerated?. Democratization, 15(1): 49-66. www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13510340701768125. Acedido em Março de 2018.

Esteves, J. (2003). Espaço Público e Democracia. Lisboa: Colibri.

Freire, A. & Costa Pinto, A. (2006). O Poder dos Presidentes. Lisboa: Campo das Letras.

Hidman, M. (2012). Personalization and the Future of News. UI RSCAS; 2012/56; Global Governance Programme-29; Global Economics (pp 1-15). Italy: European University Institute.

http://cadmus.eui.eu/handle/1814/24296.

Hopmann, D.; Elmelund-Præstekær, E.; Albæk, R.; Vliegenthart&Vreese, C. (2012). Party media agenda-setting: How parties influence election news coverage. Party Politics, (18): 173-191.

Lievrouw, L. & Livingstone, S. (2002). Handbook of New Media: Social Shaping and Consequences of ICT. London: Sage Pub.

Lopes, F. & Espírito Santo, P. (2016). Os 100 primeiros dias do XXI Governo Constitucional através da imprensa generalista: quando as finanças travam uma mudança de ciclo político. Communication Studies, (23): 1-15.

Luhman, N (2000). The Reality of the Mass Media. Stanford: Stanford University Press.

Moreira, V. & Gomes Canotilho, J. (1991). Os Poderes do Presidente da Republica. Coimbra: Coimbra Editora.

Moreira, V. (2005, dezembro 13). Os Poderes dos Presidentes. Publico. www.publico.pt/2005/12/13/JORNAL/OS-PODERES-DOS-PRESIDENTES-53599. Acedido em Março de 2018.

Negroponte, N. (1995). Being Digital. New York: Alfred A. Knopf.

Neuman, W. (1986). The Paradox of Mass Politics: Knowledge and Opinion in the American Electorate. Cambridge: Harvard University Press.

Norris, P. (2001). Digital Divide: Civic Engagement, Information Poverty, and the Internet Worldwide. Cambridge: Cambridge University Press.

Serra, P. (2007). Manual de Teoria da Comunicação. Covilhã: Livros LabCom.

WIener, N. (1950), The Human Use Of Human Beings: Cybernetics And Society. USA: Da Capo Press.

Wolf, M. (1985). Mass media: contextos e paradigmas Novas tendências Efeitos a longo prazo O newsmaking. Lisboa: Editorial Presença.

Imprensa consultada

Diário de Notícias, 11 de março de 2016

Diário de Notícias, 12 de março de 2016

Diário de Notícias, 19 de junho de 2017

Diário de Notícias, 5 de julho de 2017

Diário de Notícias, 30 de julho de 2017

Expresso, 18 de junho de 2016

Expresso, 10 de setembro de 2016

Expresso, 24 de junho de 2017

Jornal de Notícias, 7 de julho de 2017

Público, 11 de março de 2016

Público, 12 de março de 2016

Público, 5 de julho de 2016

Público, 8 de abril de 2016

Público, 5 de julho de 2016

Público, 5 de julho de 2017

Público, 26 de dezembro de 2017


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT