Leitorado Casual, Eleitorado Habitual: mudanças no ecossistema da informação e suas relações com o comportamento eleitoral das massas

Viktor Chagas

Resumo


Este trabalho se insere em uma agenda de pesquisa que tem procurado explorar os processos de reconfiguração político-econômica por que tem atravessado a imprensa brasileira nos últimos anos. Se, em etapas anteriores, demonstramos como atuam em diferentes mercados de capitais simbólicos diversos títulos impressos, e como, a partir desta atuação multifacetada,

é possível relativizarmos a compreensão de que há uma crise instaurada na imprensa contemporânea, desta vez, nosso intuito primeiro é relacionar as alterações na paisagem econômica do jornalismo ao processo político em si. Faremos isto através de três momentos distintos: em primeiro lugar, a partir de observação sistemática sobre o mercado de jornais impressos da cidade do Rio de Janeiro, firmando as bases para a compreensão deste novo cenário político-econômico da imprensa e caracterizando a ascensão dos gêneros impressos populares; depois, aprofundando as peculiaridades do modelo de tabloidização brasileiro e destacando os efeitos desse cenário de crise para a imprensa nacional de prestígio; e, por fim, estabelecendo relações entre o perfil socioeconômico, as preferências políticas dos leitores de jornais e seus hábitos de leitura, buscando ainda avaliar a cobertura política dos jornais populares em comparação direta com os chamados quality papers.


Palavras-chave


ccomunicação política; jornalismo e política; tabloidização; Brasil; eleições

Texto Completo:

PDF

Referências


(2014). Aumento da escolaridade do brasileiro começa a mudar perfil do eleitor. Agência Brasil. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2014-08/aumento-da-escolaridade-do-brasileiro-comeca-a-mudar-perfil-do-eleitor. Acesso em: 11/04/2018.

(2014). Datafolha traça perfil do eleitorado brasileiro. Jornal do Brasil. Disponível em: www.jb.com.br/eleicoes-2014/noticias/2014/09/22/datafolha-traca-perfil-do-eleitorado-brasileiro/. Acesso em: 11/04/2015.

Bird, S. (2009). Tabloidization: what is it, and does it really matter?. In B. Zelizer (ed.), The changing faces of journalism: tabloidization, technology and truthiness. Londres e Nova Iorque: Routledge.

Capella, J. & Jamieson, K. (1997). Spyral of cynicism: the press and the public good. Nova Iorque: Oxford University Press.

Carvalho, F. (2017). Dilma e Aécio nos portais de Veja e CartaCapital em 2014: uma comparação entre editorias jornalísticas e blogs na cobertura das eleições presidenciais. Revista Compolítica, 7(2).

Chagas, V. (2014). Papel de embrulhar peixe: uma análise sobre o modelo econômico de distribuição dos jornais e seus prognósticos. Contemporânea, 12(1).

Chagas, V. (2017). Uma alternativa para escapar à tabloidização ou uma forma de tabloidização alternativa? O mercado brasileiro de jornais populares e a economia política da imprensa escrita. Revista Brasileira de Ciência Política, 22.

Faustino, P. (2004). A imprensa em Portugal: transformações e tendências. Lisboa: MediaXXI.

Fiske, J. (1992). Popularity and the politics of information. In P. Dahlgren & C. Sparks (eds.), Journalism and popular culture. Londres: Sage.

Fiske, J. (2010[1989]). Understanding popular culture. Londres e Nova Iorque: Routledge.

Fontenelle, A. & Guazina, L. (2016.) O uso de pesquisas eleitorais no colunismo político: uma comparação entre O Globo e La Nación nas eleições presidenciais de Brasil (2014) e Argentina (2015). Revista Compolítica, 6(1).

Gans, H. (2009). Can popularization help the news media?. In B. Zelizer (ed.), The changing faces of journalism: tabloidization, technology and truthiness. Londres e Nova Iorque: Routledge.

Gripsrud, J. (2000). Tabloidization, popular journalism, and democracy. In C. Sparks & J. Tulloch, Tabloid tales. Nova Iorque: Rowman & Littlefield.

Guazina, L. & Santos, E. (2017). O impeachment de Dilma Rousseff nas capas da Folha de S. Paulo. Anais do 41º Encontro Anual da Anpocs. Brasil, Caxambu, Minas Gerais: Anpocs. Hall, S. (2003). Da diáspora. Belo Horizonte: EdUFMG.

Klein, U. (2000). Tabloidized political coverage in the German Bild-Zeitung. In C. Sparks & J. Tulloch, Tabloid tales. Nova Iorque: Rowman & Littlefield.

Lacy, S. (1991). Effects of group ownership on daily newspaper content. Journal of Media Economics, 4(1).

Lattman-Weltman, F. (2015). Democracia e revolução tecnológica em tempos de cólera: influência política midiática e radicalização militante. Anais do VI Encontro Compolítica. Brasil, Rio de Janeiro: PUC-Rio/Compolítica.

Lattman-Weltman, F. & Chagas, V. (2017). Insegurança, (re)partidarização e “fogo amigo”: a economia política dos meios na Era Lula. Revista Eptic, 19(2).

Lattman-Weltman, F. & Chagas, V. (2016). Mercado Futuro: a economia política da (re)partidarização da imprensa no Brasil. Revista Dados, 59(2).

Maia, R. (2007). Redes cívicas e internet: efeitos democráticos do associativismo. Logos, 27(2).

Maia, R. (2012). Deliberation, the media and political talk. Nova Iorque: Hampton Press.

McGuire, J. & Reeves, G. (2003) The Bharatiya Janata Party, Ayodhya, and the Rise of Populist Politics in India. In G. Mazzoleni et al, The Media and Neo-Populism. Westport: Praeger.

Park, C. (2014). Media cross-ownership and threat to diversity: a discourse analysis of news coverage on the permission for cross-ownership between broadcasters and newspapers in South Korea. International Journal of Media & Cultural Politics, 10(1).

Prior, H.; Guazina, L. & Araújo, B. (eds.) (2016). Diálogos lusófonos em Comunicação e Política. Covilhã: LabCom Books.

Sant’Anna, L. (2014). Perfil do eleitor: continuidade ou mudança? Disponível em: http://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,perfil-do-eleitor-continuidade-ou-mudanca,1507476-cap1. Acesso em: 11/04/2015.

Serazio, M. (2009). Rethinking a villain, redeeming a format: the crisis and cure in tabloidization. In B. Zelizer (ed.), The changing faces of journalism: tabloidization, technology and truthiness. Londres e Nova Iorque: Routledge.

Soares, A. A. (2015). Nova classe média: um estudo empírico sobre os enquadramentos da mídia. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, PPHPBC/FGV.

Sparks, C. (2000). Popular journalism: theories and practice. In C. Sparks & J. Tulloch, Tabloid tales. Nova Iorque: Rowman & Littlefield.

Sparks, C. (2000). Introduction: The panic over tabloid news. In C. Sparks & J. Tulloch, Tabloid tales. Nova Iorque: Rowman & Littlefield.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT