Inteligibilidade e Mediatismo

Rui Estrada, Eduardo Paz Barroso

Resumo


Neste artigo, dividido em duas partes, discute-se a validade, e a possibilidade, do discurso científico num contexto governado pelo mediatismo e imediatismo da comunicação. Na primeira parte é feito um breve excurso a propósito de questões epistemológicas. Na segunda parte, através de um exercício de natureza empírica, procura demonstar-se que a excessiva mediatização da informação impede uma visão criteriosa e fundamentada dos acontecimentos, ou seja, impede, mesmo em contexto académico, uma narrativa minimamente científica.

 


Palavras-chave


Discurso científico; Discurso mediático; Mediatismo; Inteligibilidade

Texto Completo:

PDF

Referências


Aristotle. (1960). Posterior Analytics. Topica. Cambridge: Massachusetts, Harvard UP.

Aristotle. (2011). Problems, Volume II Books 20-38. Rhetoric to Alexander. Cambridge, Massachusetts, Harvard UP.

Bourdieu, P. (1988). On Television. New York: The New Press.

Davidson, D. (2005). Truth, Language, and History. Oxford: Oxford University Press.

Fisher, W. R. (1994). Narrative Rationality and the Logic of Scientific Discourse. Argumentation, 8: 21-32.

Goodman, N. & Elgin, C. Z. (1988). Reconceptions in philoshopy & Other arts & Sciences. London: Routledge.

Guthrie, W. K. C. (1987). Os filósofos gregos. De Tales a Aristóteles. Lisboa: Presença.

Kuhn, T. S. (2003). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva.

Plato. (1921). Theaetetus. Sophist. Cambridge: Massachusetts, Harvard UP.

Rorty, R. (1988). A filosofia e o espelho da natureza. Lisboa: Dom Quixote.

Rorty, R. (1999). Philosophy and Social Hope. London: Penguin Books.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT