A tridimensionalidade sonora: Peter Greenaway em 3x3D

Mauricio Mário Monteiro, Fabiano Pereira

Resumo


O filme 3x3D (França/Portugal, 2013) é composto de três segmentos dirigidos por três grandes diretores e que aparecem na seguinte ordem: Peter Greenaway, Edgar Pêra e Jean-Luc Godard. Todos exploram imagens em três dimensões com uma proposta de experimentação estética. O segmento de Greenaway, Just in time, ainda que seja o que mais desenvolve uma estrutura narrativa próxima de linear, conta com o diferencial da sobreposição de imagens em multicamadas. Habitual na filmografia desse cineasta britânico e utilizado desde os primórdios do cinema, esse recurso de montagem configura exceção, senão inovação, quando somado ao efeito do cinema 3D. Esse artigo investiga como o design de vozes, música e efeitos sonoros contribuem com camadas adicionais às sobreposições imagéticas. Assim, averígua-se como o trabalho de Greenaway acrescenta, por meio da montagem, complexidade tanto à construção de imagens sobrepostas em camadas, criadas para serem visualmente perceptíveis como tal, quanto às construções sonoras de seu segmento no filme, a sugerir sensibilidades por meio de sofisticadas paisagens sonoras.


Palavras-chave


3D; montagem; trilha musical; sound design; Peter Greenaway

Texto Completo:

PDF

Referências


Ballou, G. (2015). Handbook for sound engineers. Burlington: Focal Press.

Bongiovanni, P. (1996). Eisenstein y digital. In J. la Ferla (org.). Buenos Aires: Editora de la Universidad de Buenos Aires.

Bukofzer, M. F. (2008). Music in the baroque era - from Monteverdi to Bach. Von Elterlein Press.

Cannito, N. G. (2004). Vertov, Einstein e o digital: relações entre teorias da montagem e as tecnologias digitais. Dissertação de Mestrado em Meios e Processos Audiovisuais, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.

Chion, M. (2011). A audiovisão – som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia.

Dolmetsche, A. (2005). The interpretation of music of the 17th and 18th centuries. New York: Dover Publications, Inc.

Gumbrecht, H. U. (2009). A presença realizada na linguagem: com atenção especial para a presença do passado. História da historiografia, setembro, (3). UFOP. Machado, A. (2011). Pré-cinemas & pós-cinemas. Campinas: Papirus Editora.

Maffesoli, M. (2012). O tempo retorna. Rio de Janeiro: Forense,.

Nova, J. L. L. da. (2014). A dramaturgia da forma das trucagens eletrônicas digitais em Peter Gre- enaway. Tese de Doutorado em Meios e Processos Audiovisuais, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27 153/tde-14092009-151516/pt-br.php. Acesso em: 01 nov. 2016.

Rancière, J. (1996). O dissenso. In A. Novaes (org.), A crise da razão. São Paulo/Brasília: Companhia das Letras/Funarte.

Rodriguez, A. (2006). A dimensão sonora da linguagem audiovisual. São Paulo: Editora Senac.

Rumsey, F. (2001). Spatial áudio. Oxford: Focal Press.

Sobrinho, G. A. (2014). O autor multiplicado: em busca dos artifícios de Peter Greenaway. Tese de Doutorado em Multimeios, Instituto de Artes, UNICAMP, Campinas.

Strunk, O. (ed.) (1998). The baroque era. New York: Norton & Company,.

Young, N. (s.d.). 3x3D: Cannes Review. Disponível em: www.hollywoodreporter.com/review/3x3

d-cannes-review-560708. Acesso em: 01 nov. 2016.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT