De Hípias Menor a Trump: das virtudes do erro (e da mentira) ao erro da pós-verdade

Eduardo Paz Barroso, Rui Estrada

Resumo


Neste ensaio, dividido em três partes, procura-se distinguir o conceito de mentira/manipulação de pós-verdade. Começando com o diálogo Hípias Menor de Platão e acabando em Donald Trump, discutimos as consequências e os perigos da pós-verdade para o jornalismo e a informação em particular e para a res publica e a democracia em geral.


Palavras-chave


pós-verdade; manipulação; evidência; democracia

Texto Completo:

PDF

Referências


Agamben, G. (2010). Estado de excepção. Lisboa: Edições 70.

Alquié, F. (1980). A filosofia de Descartes. Lisboa: Editorial Presença.

Bauman, Z. & Bordoni, C. (2016). Estado de crise. Lisboa: Relógio d’Água.

Baudrillard, J. (1995). A ilusão do fim ou a greve dos acontecimentos. Lisboa: Terramar.

Cahoone, L. (ed.). (1996). From modernism to postmodernism. An anthology. Oxford: Blackwell Publishers.

Charnley, M. V. (1936). Preliminary notes on a study of newspaper accuracy. [PDF]. Retirado de http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/107769903601300403

Correia, J.C. (2011). O admirável mundo das notícias. Covilhã: LabCom Books, UBI.

Davidson, D. (2005). Truth, language, and history. Oxford: Clarendon Press.

Fish, S. (1989). Doing what comes naturally. Change, rhetoric, and the practice of theory in literary and legal studies. Oxford: Clarendon Press.

Freund, G. (1995). Fotografia e sociedade. Lisboa: Vega.

Guthrie, W. K. C. (1993). The sophists. Cambridge: Cambride UP.

Halimini, S. (1998). Les nouveaux chiens de garde. Paris: Liber – Raisons d’Agir.

Martin, C. R. (2110). “Upscale” news audiences and the transformation of labour news. In J. Richardson (ed.), Language and journalism (pp. 27-44). New York: Routledge.

Nietzsche, F. (1996). O nascimento da tragédia. Lisboa: Círculo de Leitores.

Molotch, H. & Lester, M. (1993). As notícias como procedimento intencional: acerca do uso estratégico de acontecimentos de rotina, acidentes e escândalos. In N. Traquina (ed.), Jornalismo: questões, teorias e estórias (pp. 34-51). Lisboa: Vega.

Perelman, C. & Olbrechts-Tyteca, L. (1988). Traite de l’argumentation. Bruxelles: Editions de l’Université de Bruxelles.

Platão. (1981). Fedro. (Trad. e Notas de P. Gomes). Lisboa: Guimarães & C.a Editores.

Platão. (1990). Hípias menor. Introdução, versão do grego e notas de Maria Teresa Schiappa de Azevedo. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica.

Rancière, J. (2006). O ódio à democracia. Lisboa: Mareantes Editora.

Robinson, T. M. (1984). Contrasting arguments an edition of the dissoi logoi. New Hampshire: Salem, N.H.

Rorty, R. (1979). A filosofia e o espelho da natureza. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Scanlon, T. J. (1972). A new approach to study of newspaper accuracy. [PDF]. Retirado de http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/107769907204900322

Smith, A. (1978). The long road to objectivity and back again – the kinds of truth we get in journalism. In A. Smith (ed.), The politics of information (pp. 177-198). London and Basingstoke: The Macmillan Press LTD.

Stich, S. P. (1991). The fragmentation of reason. Cambridge: The MIT Press.

Tuchman, G. (1993). A objectividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objec- tividade dos jornalistas. In N. Traquina (ed.), Jornalismo: questões, teorias e estórias (pp. 74-90). Lisboa: Veja.

White, A. (2017). Fake news: how the business of the digital age threatens democracy. [PDF]. Retirado de https://ethicaljournalismnetwork.org/fake-news-business-democracy

Wolton, D. (1999). Pensar a comunicação. Lisboa: Difel.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT