Entre o profano e o sagrado: ritos, símbolos e mitos na campanha de um time de futebol brasileiro

Heloisa Juncklaus Preis Moraes, Lucas Pereira Damazio, Luiza Liene Bressan

Resumo


Este estudo objetiva compreender o sagrado a partir do espaço de um campo de futebol, os símbolos evocados pelo nome do estádio e, principalmente, a aura de glória expressa pelo nome de um atleta que fez parte de um momento histórico na existência do clube brasileiro Palmeiras que defendeu no ano de 2015. Para empreender a pesquisa, elaboramos um escopo teórico baseados nos postulados de Eliade, estudioso do sagrado e de suas manifestações. Também, pelo viés dos conceitos da psicologia junguiana, do imaginário de Durand e Maffesoli,
tecemos argumentos que fortalecem a análise realizada. Como metodologia, utilizamos a mitocrítica, método de análise proposto por Durand ao conceber a teoria antropológica dos estudos da imagem. Esta
metodologia nos permite analisar, a partir dos símbolos, a narrativa mítica que se enreda nos objetos culturais, neste caso, a questão do sagrado associada símbolos conquistas de um time de futebol. Os
estudos apontaram a imbricação entre sagrado, simbologia e mitos que se presentificam na relação entre uma torcida apaixonada, o nascimento de um herói e de seu espaço sagrado.


Palavras-chave


Espaço sagrado; Símbolos; Herói; Mito; Futebol

Texto Completo:

PDF

Referências


Allianz Park (s.d.). Disponível em www.allianzparque.com.br. Acesso em dez. 2017.

Brandão, J. de S. (1986). Mitologia grega, vol. I. Rio de Janeiro: Vozes.

Campbell, J. (1997). O herói de mil faces. 10 ed. São Paulo: Editora Pensamento.

Eliade, M. (2010). O sagrado e o profano: a essência das religiões. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Globo Esporte. (s.d.). Disponível em http://globoesporte.globo.com. Acesso em dez. 2017.

Jacobi, J. (1990). Complexo Arquétipo Símbolo na Psicologia de C. G. Jung. São Paulo: Cultrix.

Jung, C. G. (2016). O Homem e seus Símbolos . 3 ed. Especial brasileira (trad. M. L. Pinho). Rio de Janeiro: HarperCollinsBrasil.

Mark, M. & Pearson, S. C. (2001). O herói e o fora-da-lei: como construir marcas extraordinárias usando o poder dos arquétipos. São Paulo: Cultrix.

Maffesoli, M. (1996). No fundo das aparências. Rio de Janeiro: Vozes.

Moraes, H. J. P. (2016). Sob a perspectiva do imaginário: os mitos como categoria dos estudos da cultura e da mídia. In G. G. B. Flores, N. R. M. Neckel & S. M. L. Gallo (orgs), Análise do

Discurso em Rede: cultura e mídia, v.2. Campinas: Pontes.

Moraes, H. J. P. (2017). Os youtubers e as relações de identificação e projeção no imaginário infanto-juvenil contemporâneo: discussões a partir da ética da estética. Iluminuras, jan/jul, 18(44): 182-196. Porto Alegre.

Moraes, H. J. P. & Bressan, L. L. (2016). Imaginário e religiosidade na obra “Operários de Primeira Hora” de Valdemar Mazzurana e o regime noturno das imagens. REVELL – Revista de Estudos Literários da UEMS, ago, ano 7, 2(13): 42-58. Ed. Especial.

Pearson, S. C. (1991). O despertar do herói interior: a presença dos doze arquétipos nos processos de autodescoberta e de transformação do mundo. São Paulo. Editora Pensamento.

Pitta, D. P. R. (2005). Iniciação à teoria do imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica.

Silva, J. M. da. (2006). As tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina.

Wunerburger, J.-J. (2018). A Árvore das Imagens. (trad. A. T. M. P. Barros). Intexto, jan./abr., (41): 58-69. Porto Alegre, UFRGS. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/intexto/artic

le/view/77402.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT