Pluralismo ou Paralelismo? O comentário político nos noticiários do prime-time na televisão portuguesa

Rita Figueiras

Resumo


Neste estudo sobre a opinião nos noticiários televisivos, perspetivamos o comentário como um indicador da relação entre a política e os media em Portugal. Analisamos o perfil dos comentadores nos noticiários de prime-time nos canais generalistas e por cabo (2000-2015). A análise quantitativa e longitudinal evidenciou a partilha do espaço de opinião entre jornalistas e políticos e permitiu constatar que o aumento da presença de políticos não implicou a diminuição de jornalistas no comentário televisivo ao longo dos anos. O estudo identificou, também, uma divisão do espaço de opinião entre os partidos de poder e uma maior presença de comentadores provenientes de partidos de direita. Os resultados revelam que os modelos de interação entre os media e a política teorizados pelo paralelismo político e pelo intervencionismo jornalístico ajudam-nos a argumentar que a coalizão dos media em torno dos partidos do poder e, simultaneamente, a autonomia dos meios de comunicação são ambos factores explicativos da forma como o espaço de comentário nos noticiários do prime-time evoluiu ao longo do tempo. Este estudo permite-nos, assim, sugerir que a composição do espaço de comentário reflete e é, igualmente, o reflexo da complexidade da relação entre os media e a política em Portugal.


Palavras-chave


comentário político; televisão; paralelismo político; intervencionismo jornalístico

Texto Completo:

PDF

Referências


Aalberg, T. & Curran, J. (2012). How media inform democracy. New York: Routledge.

Aalberg, T.; Strömbäck, J. & De Vreese, C. (2012). The framing of politics as strategy and game: A review of concepts, operationalizations and key findings. Journalism, 13(2): 162-178. Albuquerque, A. (2013). Media/politics connections: beyond political parallelism. Media, Culture & Society, 35, 742-758.

Altheide, D. (2013). Media logic, social control, and fear. Communication Theory, 23, 223-238.

Artero, J. P. (2015). Political parallelism and media coalitions in Western Europe. Woking paper. Reuters Institute for the Study of Journalism, University of Oxford, (pp. 1-19).

Blumler, J. & Gurevitch, M. (1975). Towards a comparative framework for political communicati- ons research. In S. Chaffee (ed.), Political communication: issues and strategies for research. London and Beverly Hills, CA: Sage.

Blumler, J. & Gurevitch, M. (1995). The crisis of public communication. London: Routledge.

Blumler, J. & Kavanagh, D. (1999). The third age of political communication: influences and features. Political Communication, 16, 209-230.

Cardoso, G.; Paisana, M.; Neves, M. & Lima Quintanilha, T. (2015). Públicos e consumo de media. O consumo de notícias e as plataformas de notícias em Portugal e em mais dez países. Lisboa: Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Conde, N. (2018). O papel do estado português nos media. In R. Figueiras & N. Ribeiro (orgs.), O sector dos media no espaço lusófono. Lisboa: UCE (no prelo).

Costa Pinto, A. (2002). Elites, partido único e decisão política nas ditaduras da época do fascismo. Penélope, 26, 161-186.

Crisóstomo, D.; Cardoso, G.; Pinto Martinho, A. & Telo, D. (2016). Barómetro do comentário político televisivo. EJO – European Journalim Oberveatory.

Cunha, I. & Figueiras, R. (2013). Os media e as eleições em Portugal: representações de partidos, candidatos e candidata. In H. Telles & A. Moreno, Comportamento eleitoral e comunicação política na América Latina (pp. 531-565). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Donsbach, W & Patterson, T. (2004). Political news journalists: partisanship, professionalism and political roles in five countries. In F. Esser & B. Pfetsch, Comparing political communication. theories, cases and challenges (pp. 251-270). New York: Cambridge University Press.

Entidade Reguladora para a Comunicação Social (2011). Relatório do pluralismo político-partidário. Lisboa: ERC.

Entidade Reguladora para a Comunicação Social (2012). Relatório do pluralismo político-partidário. Lisboa: ERC.

Entidade Reguladora para a Comunicação Social (2013). Relatório do pluralismo político-partidário. Lisboa: ERC.

Entidade Reguladora para a Comunicação Social (2014). Relatório do pluralismo político-partidário. Lisboa: ERC.

Entidade Reguladora para a Comunicação Social (2015). Relatório do pluralismo político-partidário. Lisboa: ERC.

Esser, F. & Strömbäck, J. (eds.) (2014). Mediatization of politics. Understanding the transform tion of western democracies. New York: Palgrave Macmillan.

Farnsworth, S. & Lichter, R. (2006). The nightly news nightmare: television’s coverage of U.S. presidential elections, 1988-2004. Lanham, MD: Rowman & Littlefield.

Figueiras, R. (2005). Os Comentadores e os media. Os autores das colunas de opinião. Lisboa: Livros Horizonte.

Figueiras, R. (2009). O comentário político e a política do comentário. Lisboa/São Paulo: Paulus Editora.

Figueiras, R. (2011). Press pundits and portuguese society. Journalism: Theory, Practice, and Criticism, 12(3), 317-333.

Figueiras, R. (2014). O sistema dos media em Portugal no contexto da globalização do século XXI. In I. Cunha & E. Serrano (orgs.), Cobertura jornalística da corrupção política (pp. 176-195). Lisboa: Altheia.

Figueiras, R. (2017a). A mediatização da política na era das redes sociais. Lisboa: Alêtheia. Figueiras, R. (2017b). Primetime consociation: portuguese punditry in between media independence and political patronage. European Journal of Communication, 32(4), 312-332.

Freire, A.; Costa Lobo, M. & Magalhães, P. (orgs.) (2004). Portugal a votos. Lisboa: ICS.

Grabe, M. E. & Bucy, E. (2009). Image bite politics: news and the visual framing of elections. New York: Oxford University Press.

Hallin, D. (1992). Sound bite news: television coverage of elections, 1968-1988. Journal of Communication, 42(2), 5-24.

Hallin, D. & Papathanassopoulos, S. (2002). Political clientelism and the media: southern Europe and Latin America in comparative perspective. Media, Culture & Society, 24, 175-195.

Hallin, D. & Mancini, P. (2004). Comparing media systems: three models of media and politics. Cambridge: Cambridge University Press.

Hallin, D. (2009). Not the end of journalism history. Journalism, 10, 332-334.

Hallin, D. & Mancini, P. (2010). Comparing media systems beyond the western world. New York: Cambridge University Press.

Hopmann, D. & Strömbäck, J. (2010). The rise of the media punditocracy? Journalists and media pundits in danish election news 1994-2007. Media, Culture & Society, 32(6): 943-960.

Mancini, P. (2009). Elogio della lottizzazione. La via italiana al pluralismo. Bari: Laterza. Mancini, P. (2012). Instrumentalization of the media vs. political parallelism. Chinese Journal of Communication, 5(3),1-19. Marcinkowski, F. (2014). Mediatization of Politics: Reflections on the State of the Concept. Javnost – the public, 21(2), 5-22.

Martins, L. O. (2015). Concentração dos media e pluralismo. Covilhã: LabCom.

Mazzoleni, G. (2004). Media e populismo: Alleatti o Nemici?. Working Papers del Dipartamento di Studi Sociali e Politici, 4, 1-12.

Mazzoleni, G. & Schulz, W. (1999). «Mediatization» of politics: A Challenge for democracy?. Political Communication, 16, 247-261.

Noam, E. (1991). Television in Europe. New York/Oxford: Oxford University Press. Norris, P. (2000). The virtuous circle. Political communications in postindustrial societies. Cambridge: Cambridge University Press.

Popescu, M.; Gosselin, T. & Santana Pereira, J. (2011). European media systems survey 2010. Colchester, UK: Department of Government, University of Essex.

Seymour-Ure, C. (1998). Are the broadsheets becoming unhinged?. In J. Seaton (ed.), Politics & the media: harlots and prerogatives at the turn of the millenium. Oxford: Blackwell.

Strömbäck, J. (2008). Four phases of mediatization: an analysis of the mediatization of politics. The International Journal of Press/Politics, 13(3), 228-246.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT