Eleições online em tempos de ‘big data’: Métodos e questões de pesquisa a partir das eleições municipais brasileiras de 2016

Sérgio Braga, Rafael Cardoso Sampaio, Márcio Cunha Carlomagno, Fabricia Almeida Vieira, Alzira Ester Angeli, Juan Francisco Arrom Suhurt

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir os potenciais das pesquisas sobre campanhas digitais para a compreensão de determinados processos subjacentes às eleições, a partir da análise do pleito municipal brasileiro de 2016. A estratégia metodológica empregada consistiu na análise de dados quantitativos – coletados em um projeto coletivo de monitoramento eleitoral – nas seguintes frentes de pesquisa: (i) presença on-line dos candidatos em períodos eleitorais e não-eleitorais; (ii) uso de diferentes métricas de popularidade online; (iii) a sobreposição de seguidores de candidatos de diferentes municípios; (iv) a origem dos conteúdos compartilhados; (v) as reações expressas pelo eleitorado às postagens; (vi) as menções ao partido no material de campanha. Os resultados indicam que o estudo sistemático das e- campanhas pode servir como meio para o conhecimento de fenômenos políticos tais como a existência de graus diferentes de accountability entre candidatos, uma apreensão mais adequada do impacto da presença online à luz da ação de grupos pequenos mas atuantes, a desterritorialização dos processos de formação de identidade e representação política, o papel dos diferentes atores midiáticos na circulação dos conteúdos das mensagens, a mobilização e expressão de sentimentos ao longo da campanha, e os graus de partidarização das estratégias comunicativas.


Palavras-chave


eleições; mídias sociais; internet e política; métodos; agenda de pesquisa

Texto Completo:

PDF

Referências


Aggio, C. (2015). Os candidatos ainda evitam a interação? Twitter, comunicação horizontal e eleições Brasileiras. E-Compós, 18 (1): 1-22.

Aldé, A. & Marques, F. P. J. A. (eds.) (2015). Internet e poder local. Salvador: Edufba. Amorim Neto, O. (2000). Gabinetes presidenciais, ciclos eleitorais e disciplina legislativa no

Brasil. Dados, 43 (3): 479-519. Avelino, G., Biderman, C. & Silva, G. P. da. (2011). A concentração eleitoral nas eleições paulistas: medidas e aplicações. Dados - Revista de Ciências Sociais, 54 (2): 319-347.

Badache, I. & Boughanem, M. (2017). Emotional social signals for search ranking. SIGIR 2017 (pp. 1-4). Tokyo, Japan: Association for Computing Machinery.

Bauer, M. (2007). Analise de conteúdo clássica: uma revisão. In M. Bauer & G. Gaskell (eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp. 189-217). Petrópolis: Editora Vozes.

Bennett, W. L. & Iyengar, S. (2008). A new era of minimal effects? The changing foundations of political communication. Journal of Communication, 58 (4): 707-731. https://doi.org/10.111 1/j.1460-2466.2008.00410.x

Borba, F. (2015). Propaganda negativa nas eleições presidenciais brasileiras. Opinião Pública, 21 (2): 268-295.

Braga, S. & Becher, A. R. (2015). O uso das mídias sociais é um bom preditor do sucesso eleitoral dos candidatos? Uma análise das campanhas on-line dos vereadores das capitais das regiões sul, sudeste, e nordeste do Brasil no pleito de outubro de 2012. In A. Aldé & F. P. J. A. Marques (eds.), Internet e poder local (pp. 38-57). Salvador: UFBA.

Braga, S.; Nicolás, M. A. & Becher, A. R. (2013). Clientelismo, internet e voto: personalismo e transferência de recursos nas campanhas online para vereador nas eleições de outubro de 2008 no Brasil. Opinião Pública, 19: 168-197.

Braga, S.; Rocha, L. & Vieira, F. (2015). “Americanização” da representação política virtual? Um estudo comparado das estratégias de comunicação digital por parlamentares de diferentes sistemas políticos. 39o Encontro Nacional da Anpocs. Caxambu.

Capone, L.; Ituassu, A.; Lifschitz, S. & Mannheimer, V. (2017). Superposters, especialização e serviço: a primeira consulta pública do marco civil da internet no Twitter. Fronteiras - Estudos Midiáticos, 19 (2): 263-276. https://doi.org/10.4013/fem.2017.192.11

Carey, J. M. & Shugart, M. S. (1995). Incentives to cultivate a personal vote: A rank orde- ring of electoral formulas. Electoral Studies, 14 (4): 417-439. https://doi.org/10.1016/0261- 3794(94)00035-2

Carlomagno, M. C. & Rocha, L. C. da. (2016). Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7 (1): 173-188. https://doi.org/10.5380/recp.v7i1.45771

Castells, M. (2009). Communication power. Oxford: Oxford University Press. Cervi, E. U. (2012). Mundo virtual, poder real: mesmo sob novas condições a alocação de poder político não necessariamente muda. Cadernos Adenauer, 13 (3): 11-30. Cervi, E. U.; Massuchin, M. G. & Carvalho, F. C. de (eds.) (2016). Internet e Eleições no Brasil.

Curitiba: CPOP (grupo de pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública). Coleman, S. (2005). New mediation and direct representation: reconceptualising representation in the digital age. New Media and Society, 7 (2): 177-198.

Cook, T. E. (1998). Governing with the news: the news media as a political institution. Chicago: University of Chicago Press.

Downs, A. (2013). Uma teoria econômica da democracia (1st ed.). São Paulo: EDUSP. Feres Júnior, J. & Sassara, L. D. O. (2016). O cão que nem sempre late: o Grupo Globo e a cobertura das eleições presidenciais de 2014 e 1998. Revista Compolitica, 6 (1). Figueiredo, M. (2008). A decisão do voto: democracia e racionalidade (2nd ed.). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Gao, G.; Greenwood, B. N.; Agarwal, R. & McCullough, J. S. (2015). Vocal minority and silent majority: how do online ratings reflect population perceptions of quality. MIS Quarterly, 39 (3): 565-589.

Gibson, R. K.; Margolis, M.; Resnick, D. & Ward, S. J. (2003). Election Campaigning on the WWW in the USA and UK: a comparative analysis. Party Politics, 9 (47).

Gomes, W. (2016). 20 Anos de política, estado e democracia digitais: uma cartografia do campo. In S. P. Silva; R. C. Bragatto & R. C. Sampaio (eds.), Democracia digital, comunicação política e redes: teoria e prática (pp. 25-45). Rio de Janeiro: Letra & Imagem.

Hennessy, M.; Delli Carpini, M. X.; Blank, M. B.; Winneg, K. & Jamieson, K. H. (2015). Using psychological theory to predict voting intentions. Journal of Community Psychology, 43 (4): 466-483. https://doi.org/10.1002/jcop.21697

Lavareda, A. (2009). Emoções ocultas e estratégias eleitoras. Rio de Janeiro: Editora Objetiva.

Lycarião, D. & Santos, M. A. dos. (2017). Bridging semantic and social network analyses: the case of the hashtag #precisamosfalarsobreaborto (we need to talk about abortion) on Twitter. Information, Communication & Society, 20 (3): 368-385. https://doi.org/10.1080/1369118X. 2016.1168469

Mancosu, M. (2016). Populism, selective exposure, and emotional appeals in social media: a comparative approach using Facebook reactions. SISP Conference (pp. 1-35). Milano.

Marques, F. P. J. A.; Sampaio, R. C. & Aggio, C. (eds.) (2013). Do clique à urna: internet, redes sociais e eleições no Brasil. Salvador: Edufba.

Mustafaraj, E.; Finn, S.; Whitlock, C. & Metaxas, P. T. (2011). Vocal minority versus silent majority: discovering the opionions of the long tail. 2011 IEEE International Conference on Social Computing (pp. 103-110).

Nicolás, M. A. & Braga, S. S. (2015). As elites parlamentares sul-americanas e as NTICS: perfil sociopolítico e o uso da web por deputados e senadores do Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Revista NEP - Núcleo de Estudos Paranaenses Da UFPR, 1 (1): 61-82. https://doi.org/10.5380/nep.v1i1.43264

Nicolau, J. (2017). Representantes de quem? Os (des)caminhos do seu voto da urna à Câmara dos Deputados. Rio de Janeiro: Zahar.

Nielsen, R. K. & Vaccari, C. (2014). As pessoas curtem os políticos no facebook? Não mesmo! A comunicação direta em larga escala entre candidatos e eleitores como um fenômeno outlier. Revista Eletrônica de Ciência Política, 5 (2): 227-256. https://doi.org/10.5380/recp.v5i2.410 61

Omena, J. J. C. de & Rosa, J. M. (2015). Estudos no Facebook em Portugal: revisão sistemática dos métodos de investigação. Estudos em Comunicação, 18: 15-33.

Penteado, C. L. de C.; Goya, D. H. & França, F. O. de. (2014). O debate político no twitter nas eleições presidenciais de 2014 no Brasil. Em Debate, 6 (6): 47-54.

Rieder, B. (2013). Studying Facebook via data extraction: the Netvizz application. WebSci ’13 Proceedings of the 5th Annual ACM Web Science Conference (pp. 346-355). New York: ACM.

Sampaio, R. C.; Bragatto, R. C. & Nicolás, M. A. (2016). A construção do campo de internet e política: análise dos artigos brasileiros apresentados entre 2000 e 2014. Revista Brasileira de Ciência Política, 21: 287-322.

Samuels, D. J. (2002). Pork barreling is not credit claiming or advertising: campaign finance and the sources of the personal vote in Brazil. The Journal of Politics, 64 (3): 845-863. https://doi.org/10.1111/0022-3816.00149

Santos, M. A. dos. (2016). Campanha não oficial: a rede antipetista na eleição de 2014. Fronteiras - Estudos Midiáticos, 19 (1): 102-119. https://doi.org/10.4013/fem.2017.191.10

Sayre, B.; Bode, L.; Shah, D.; Wilcox, D. & Shah, C. (2010). Agenda setting in a digital age: tracking attention to California proposition 8 in social media, online news and conventional news. Policy & Internet, 2 (2): 7-32. https://doi.org/10.2202/1944-2866.1040

Schedler, A. (1999). Conceptualizing accountability. In A. Schedler, L. Diamond & M. F. Platt- ner (eds.), The self-restraining state: power and accountability in new democracies. Boul- der/London: Lynne Rienner Publishers.

Silva, T. & Stabile, M. (eds.) (2016). Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados.

Soares, G. A. D. (2005). O calcanhar metodológico da ciência política no Brasil. Sociologia, Pro- blemas E Práticas, 48: 27–52. Retrieved from www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_artt ext&pid=S0873-65292005000200004&nrm=isso

Spada, P. & Guimarães, F. de S. (2013). Investigating elite behavior through field answer more to core or swing voters?. Brazilian Political Science Review, 7 (1): 56-73.

Strömbäck, J. (2008). Four phases of mediatization: an analysis of the mediatization of politics. Press/Politics, 13 (3): 228-246.

Turnbull, S. & Jenkins, S. (2016). Why Facebook reactions are good news for evaluating social media campaigns. Journal of Direct, Data and Digital Marketing Practice, 17 (3): 156-158.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT