O que significa “Opinião Pública”? Um estudo sobre os diferentes sentidos do termo nos editoriais do jornal O Estado de S. Paulo

Francisco Paulo Jamil Marques, Camila Mont’Alverne, Andressa Butture Kniess, Amanda Pupor

Resumo


Após reconhecer diferentes abordagens teóricas conferidas ao termo “opinião pública” ao longo do século XX, o artigo examina de que maneira os editoriais do jornal O Estado de S. Paulo (OESP) mobilizam o conceito em questão. A ideia é investigar de que maneira a “opinião pública” pode ser invocada para legitimar posições de agentes privados. Propõem-se como hipóteses: H1) O tema predominante nos editoriais analisados é Política, tendo em vista que os editoriais tendem a se dirigir às elites políticas do país. H2) A ideia de opinião pública mais recor- rente nos editoriais é o sentido do termo enquanto agente ativo. São examinados quantitativamente e qualitativamente (Análise de Conteúdo para verificar os sentidos acionados pelas peças) 95 textos editoriais publicados em O E S P que, entre janeiro de 2015 e dezembro de 2016, mencionaram “opinião pública”. Aponta-se que o jornal tende a mobilizar a ideia de opinião pública com maior frequência para tratar de temas relativos à política, tomando o termo, na mai- oria das vezes, na condição de agente ativo e autônomo para julgar os acontecimentos. O trabalho, assim, examina os modos de instrumentalização do conceito de opinião pública por parte de agentes midiáticos interessados em influenciar o debate abrigado na esfera pública. 


Palavras-chave


jornalismo político; editorial; opinião pública; análise de conteúdo

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, J. (1999). Mídia, opinião pública ativa e esfera pública democrática. Comunicação & Política, 6 (1). Rio de Janeiro.

Arnold, R. D. (2004). Congress, the press, and political accountability. Princeton: Princeton University Press.

Albright, S. (1995) Opinion readership scores higher than common wisdom predicts. The Mast- head, 47 (1), 5.

Azevedo, F. (2016). A grande imprensa brasileira: paralelismo político e antipetismo (1989- 2014). Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Azevedo, F. & Chaia, V. (2008). O Senado nos editoriais dos jornais paulistas (2003-2004). Opinião Pública, 14 (1): 173-204.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições.

Bauer, M. W. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In M. W. Bauer & G. Gaskell (eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (189-217). Rio de Janeiro: Vozes.

Beltrão, L. (1980). Jornalismo opinativo. Porto Alegre: Sulina. Bennett, W. L.; Lawrence, R. G. & Livingston, S. (2007). When the press fails: political power and the news media from Iraq to Katrina. Chicago: University of Chicago Press.

Blumenthal, S. (1982). The permanent campaign. New York: Simon and Schuster.

Bourdieu, P. (1980). A opinião pública não existe. In M. Thiollente, Crítica metodológica, investigação social e enquete operária, (137-51). São Paulo: Polis.

Campos, L. A. (2015). Imprensa e esfera pública: retomando o debate Lippmann-Dewey sobre o papel público da imprensa. Compós. Brasília.

Capelato, M. H. & Prado, M. L. (1980). O bravo matutino: imprensa e ideologia no jornal O Estado de S. Paulo. São Paulo: Alfa-Ômega.

Cavalcante, R. B.; Calixto, P. & Pinheiro, M. M. K. (2014). Análise de conteúdo: Considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Infor- macao e Sociedade, 24 (1): 13-18.

Champagne, P. (1996). Formar a opinião: o novo jogo político. Petrópolis: Vozes. Cervi, E. U. (2006). Opinião pública e política no Brasil. Tese de Doutorado, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Clayman, S. E. (2002). Tribune of the people: maintaining the legitimacy of aggressive journalism.

Media, Culture & Society, 24 (2): 197-216.

Cook, T. E. (2005). Governing with the news. Chicago: The University of Chicago Press.

Correia, J. C. (2010). Ideologia, crítica e deliberação. In J. C. Correia, G. B. Ferreira & P. Espirito Santo (orgs.), Conceitos de Comunicação Política (pp. 09-20). Covillhã: LabCom Books.

Dewey, J. (1927). The public and its problems. Henry Holt and Company. Donsbach, W. (2015). Public opinion polls. In G. Mazzoleni (ed.), The International Encyclopedia of Political Communication (pp. 01-11). John Wiley & Sons.

Eberwein, T.; Porlezza, C. & Splendore, S. (2015). Media as political actors. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-09). John Wiley & Sons.

Entman, R. M. (2007). Framing Bias: Media in the Distribution of Power. Journal of Communication, 57 (1): 163-173.

Eriksson, G. (2011). Adversarial moments: a study of short-form interviews in the news. Journa- lism, 12 (1): 51-69.

Eriksson, G. & Ostman, J. (2013). Cooperative or Adversarial? Journalists’ Enactment of the Watchdog Function in Political News Production. The International Journal of Press/Politics, 18 (3): 304-324.

Esteves, J. P. (2010). Opinião Pública. In J. C. Correia, G. B. Ferreira & P. Do E. Santo (eds.), Conceitos de Comunicação Política (pp. 21-32). Covilhã: LabCom Books.

Fallows, J. (1997). Detonando a notícia: como a mídia corrói a democracia americana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Gomes, W. (2001). Opinião pública política hoje: ujma investigação preliminar. In: A. Hohlfeldt (ed.), Práticas mediáticas e espaço público (pp. 61-82). Porto Alegre: Editora da PUC/RS. Gomes, W. (2004). Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus.

Glasser, T. L. & Salmon, C. T. (eds.) (1995). Public opinion and the communication of consent. New York: Guilford.

Graber, D. (2003). The media and democracy: Beyond myths and stereotypes. Annual Review of Political Science, 6: 139-160.

Grossi, G. (2007). La opinion publica. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas. Guerreiro Neto, G. (2016). Da opinião à identidade: características do editorial em dois jornais brasileiros. Sobre Jornalismo, 5 (2): 92-105.

Habermas, J. (1984). Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Hacker, K. L. (2004). Presidential candidate images. Oxford: Rowman & Littlefield Publishers.

Hahn, K. S.; Lee, H.-Y. & Lee, J. (2015). Media Bias. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-09). John Wiley & Sons.

Hallock, S. M. (2007). Editorial and opinion. Praeger: Westport. Ho, S. S. (2015). Spiral of silence. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-05). John Wiley & Sons. Holtz-Bacha, C. (2015). Professionalization. In G. Mazzoleni (ed.). The international encyclopedia of political communication (pp. 01-07). John Wiley & Sons. Izadi, F. & Saghaye-Biria, H. (2007). A discourse analysis of elite American newspaper editorials: The case of Iran’s nuclear program. Journal of Communication Inquiry, 31 (2): 140-165.

Kahn, K. F. & Kenney, P. J. (2002). The slant of the news: how editorial endorsements influence campaign coverage and citizens views of candidates. American Political Science Review, 96 (2): 381-394.

Krippendorff, K. (2004). Content analysis: an introduction to its methodology. London: Sage Publications.

Kovach, B. & Rosenstiel, T. (2004). Os elementos do jornalismo. São Paulo: Geração Editorial. Lacy, S. et al. (2015). Issues and best practices in content analysis. Journalism & Mass Communication Quarterly, 92 (4): 791-811.

Lippman, W. (2008). Opinião pública. Petrópolis: Vozes.

Maia, R. (2008). Deliberação e mídia. In R. C. M. Maia (ed.), Mídia e deliberação (pp. 93-110). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Manin, B. (1995). As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 10 (29): 5-34.

Marques, F. P. J. A. (2010). Participação política, legitimidade e eficácia democrática. Caderno CRH, 23: 591-604.

Matteucci, N. (1983). Opinião pública. In N. Bobbio, N. Matteucci & G. Pasquino, Dicionário de politica (pp. 842-845). Brasília: Editora UnB.

McCombs, M. E. & Shaw, D. L. (1972). The agenda- setting function of mass media. Public Opinion Quarterly, 36 (2): 176-187.

Miguel, L. F. (2014). Democracia e representação: territórios em disputa. São Paulo: Editora Unesp.

Miola, E. (2012). Sistema deliberativo e tensões entre interesses públicos e privados: a criação da empresa Brasil de comunicação em debate no congresso e na imprensa. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências, Belo Horizonte.

Mont’Alverne, C. & Marques, F. P. J. A. (2015). A opinião da empresa no Jornalismo brasileiro: um estudo sobre a função e a influência política dos editoriais. Estudos em Jornalismo e Mídia, 12 (1): 121-137.

Mont’Alverne, C. & Marques, F. P. J. A. (2016). Pauta do dia: um estudo sobre o agendamento do congresso nacional brasileiro nos editoriais da Folha de S. Paulo e de O Estado de S. Paulo. Brazilian Journalism Research, 12 (2): 120-147.

Negrine, R. (2015). Americanization. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-05). John Wiley & Sons.

Noelle-Neumann, E. (1995). La espiral del silencio. Barcelona: Paidós.

Noelle-Neumann, E. & Petersen, T. (2004). The spiral of silence and the social nature of man. In L. L. Kaid (ed.), Handbook of political communication research (pp. 339-356). London: Lawrence Erlbaum Associates.

Nunes, M. C. (2002). O papel das pesquisas. In R. Figueiredo (org), Marketing político e persua- são eleitoral (pp. 43-65). Rio de Janeiro: K. A. Stiftung.

O Estado de S. Paulo, O. (1997). Manual de redação e estilo de O Estado de S. Paulo. São Paulo. Richards Jr, R. C. & Gastil, J. (2015). Deliberation. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-13). John Wiley & Sons. Rupar, V. (2007). Newspapers’ production of common sense: The “greenie madness” or why should we read editorials?. Journalism, 8 (5): 591-610.

Schudson, M. (2008). Why democracies need an unlovable press. Cambridge: Polity Press.

Schoenbach, K. & Becker, L. (1995). Origins and consequences of mediated public opinion. In T. L. Glasser & T. Salmon, Public opinion and the communication of consent (pp. 323-347). New York: Guilford Press.

Sodré, M. (2009). A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes.

Sodré, N. W. (1999). História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad.

Sproule, J. M. (2015). Propaganda. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-09). John Wiley & Sons.

Thurber, J. A. & Ray, A. D. (2015). Consultant , political. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-04). John Wiley & Sons.

Van Aelst, P. et al. (2008). The fourth estate as superpower?. Journalism Studies, 9 (4): 494-511. Van Dalen, A. (2015). Journalism, Political. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-10). John Wiley & Sons.

Van Dalen, A.; Albæk, E. & De Vreese, C. (2011). Suspicious minds: explaining political cynicism among political journalists in Europe. European Journal of Communication, 26 (2): 147-162.

Waisbord, S. (2000). Watchdog journalism in South America: news, accountability, and democracy. Columbia: Columbia University Press.

Waisbord, S. (2015). Watchdog journalism. In G. Mazzoleni (ed.), The international encyclopedia of political communication (pp. 01-05). John Wiley & Sons.

Weber, M. H. (2004). Imagem pública. In A. Rubim (ed.), Comunicação e política: conceitos e abordagens (pp. 259-307). Salvador: Edufba.

Weber, M. H. (2009). O estatuto da imagem pública na disputa política. ECO-Pós, 12 (3): 11-26.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT