Jornalismo 3.0: o impacto dos agregadores de notícias online no negócio da informação

Daniela Real Santos

Resumo


Nos últimos anos, o mercado da informação tem sofrido uma reconfiguração no que respeita ao modelo de negócio, ao consumo e à forma de distribuição e produção noticiosa. Estas transformações foram proporcionadas por uma convergência tecnológica marcada pela digitalização dos meios e por novas formas de disseminação dos conteúdos. O jornalismo em Portugal está perante um ambiente 3.0, marcado pela popularização da internet e dos agregadores, bem como pelo papel crucial que o cidadão comum desempenha no processo de news distributing. Este artigo pretende investigar como as mudanças em curso no mercado dos media são percecionadas pelos principais agentes envolvidos no negócio da informação, nomeadamente os media sociais, agregadores de notícias, media digitais e tradicionais.

Os resultados indicam que, por um lado, os agregadores proporcionam visibilidade, angariação de novos públicos e ampliam novas formas de distribuição da informação, potenciando a marca do media e não se apropriando dela. Por outro lado, geram dependência. sendo uma desvantagem, porque os meios já não conseguem sobreviver sem o agregador, perdendo a valorização da sua marca. Cria-se uma relação de desconfiança em detrimento dos próprios media ou comprometendo o retorno dos media. Estão dependentes independentemente do retorno que obtêm dessa aliança.


Palavras-chave


Agregadores de notícias; web 3.0; Portugal; jornalismo; convergência; modelos de negócio

Texto Completo:

PDF

Referências


Athley, S. & Mobius, M. (2012). The Impact of News Aggregators on Internet News Consumption: The Case of Localization.

Bakker, P. (2012). New journalism 3.0: Aggregation, Content farms and Huffinization: the rise of low-pay and no-pay Journalism. Hogeschool Utrecht: University of Amsterdam.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo (trad. L. A. Reta & A. P. Capa). Lisboa: Edições 70.

Bolt, J. & Grusin, R. (1999). Remediation: understanding the new media. University of United States of America.

Cagé, J. (2016). Salvar os Média. Lisboa: Temas e Debates – Círculo de Leitores.

Cardoso, G. et al (2015). A sociedade em rede em Portugal - Uma Década de Transição. Coimbra: Almedina.

Creswell, J. (2007). Projeto de pesquisa: métodos quantitativos, qualitativos e misto. São Paulo: ARTMED.

Deuze, M. (2006). Liquid Journalism. Indiana: USA.

Deuze, M. (2007). Liquid Journalism. Disponível em http://deuze.blogspot.pt/2007/05/moreliquid-

journalism.html. Consultado a 28-02-2016.

Deuze, M. (2008). The Changing Context of News Work: Liquid Journalism and Monitorial Citizenship.

ERC (2015). Digital Media Portugal. Disponível em www.erc.pt/download/YToyOntzOjg6ImZpY

hlaXJvIjtzOjM4OiJtZWRpYS9lc3R1ZG9zL29iamVjdG9fb2ZmbGluZS83OS4xLnBkZiI7

czo2OiJ0aXR1bG8iO3M6Mjc6ImRpZ2l0YWwtbWVkaWEtcG9ydHVnYWwtMjAxNSI7f

Q==/digital-media-portugal-2015. Consultado a 15-01-2016.

Fenton, N. (2010). New Media, Journalism and Democracy: Figments of a Neo- Liberal Imagination?. Revista Media & Jornalismo, (17): 41-52. Lisboa: Edição Mariposa Azual.

Foust, J. C. (2005). Online Journalism: principles and practices of news for the web. Holcomb Hathaway: USA.

Guerrini, F. (2013). Newsrom curators & Independent Storytellers: Content Curation as a New Form of Journalism. Reuters Institute for the Study of Journalism: University of Oxford.

Google (s.d.). Notícias. Disponível em https://news.google.pt/. Consultado em 02-12-2015.

Holton, A.E. (2010). Negating Nodes and Fifth-Stage Fragmentation. New applications of traditional

communication models and theories in the midst of diffusing communication innovations. New Media Theory: How far Have We Traveled? (pp. 1-27). Texas Tech University, College of Mass Communications.

Homepage do Sapo.pt (s.d.). Disponível em www.sapo.pt/. Consultado a 01-12-2015.

Jenkins et al. (2013). Spreadable media: creating value and meaning in a networked culture. New York: University Press.

Lee, A. M. & Chyi, H. I. (2015). The Rise of online news aggregators: consumption and competition. International Journal on Media Management.

Lee, A. M. & Chyi, H. I. (2012). Theorizing Online News Consumption: A Structural Model Linking Preference, Use, and Paying Intent. Paper presented at the 13th International Symposium on Online Journalism, Austin, TX, April 20-21, 2012.

Lopes, F. (2015). Jornalista: Profissão Ameaçada. Lisboa: Alêtheia Editores.

Maxwell, J. (2005). Qualitative Research Design: an interactive approach. Thousand Oaks; London; New Delhi: Sage.

MSN notícias Portugal (s.d.). Disponível em www.msn.com/pt-pt. Consultado a 02-12-2015.

Patterson, C. & Domingo, D. (2008). Making online news. New York: Peter Lang.

Prior, M. (2005). News vs. Entertainment: How increasing media choice widens gaps in political knowledge and turnout. American Journal of Political Science, 49(3).

PucRio (s.d.). Metodologia de Maxwell. Disponível em www.maxwell.vrac.puc-rio.br/9443/9443

_4.PDF. Consultado a 17-04-2016.

Turner, G. (2010). Ordinary People: celebrity, tabloid culture, and the function of the media. Ordinary People and the Media: The Demotic Turn (pp. 12-32). London: Sage.

Usher, N. (2014). Making News at the New York Times. Ann Arbor: The University of Michigan Press.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT