As narrativas audiovisuais destinadas ao público infantil no início da década de 1990: práticas de intertextualidade transmídia em desenhos animados

Rafael Jose Bona

Resumo


Desde o início da televisão, o público infantil é considerado um engajado consumidor de narrativas de mídia e as pesquisas sobre esse cenário são cada vez mais expressivas. O presente trabalho se inspirou nesse contexto e tem por objetivo analisar as práticas de intertextualidade transmídia na ficção seriada televisiva em desenho animado Back to the future (1991-1992), proveniente da trilogia de cinema homônima (1985-1990). Foram selecionados seis episódios e analisados sob a ótica do conceito da intertextualidade transmídia proposto por Kinder (1991). Os resultados apontam que o referido seriado de televisão proporciona experiências educativas e informativas, além de ser considerado uma expansão do universo dos filmes cinematográficos de origem. A prática de intertextualidade transmídia se dá, principalmente, por procedimentos de citação e alusão.


Palavras-chave


narrativas; infância; televisão; ficção seriada; cinema

Texto Completo:

PDF

Referências


Carlón, M. & Fechine, Y. (2014). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento.

Carlón, M. (2014). Repensando os debates anglo-saxões e latino-americanos sobre o “fim da televisão”. In M. Carlón & Y. Fechine, O fim da televisão (pp. 11-33). Rio de Janeiro: Confraria do Vento.

Compagnon, A. (1996). O trabalho da citação. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Craveiro, P. S. U. (2016). Publicidade e infância: estratégias persuasivas direcionadas para crianças na internet. Culturas midiáticas, ano IX, jan./jun., (16), 16-32.

Digital Spy. (2017). Disponível em: www.digitalspy.com/movies/news/a658688/back-to-the-future-fans-are-in-for-a-huge-treat-on-october-21-2015/. Acesso em: 23 ago. 2017.

Esquenazi, J. P. (2011). As séries televisivas. Lisboa, Portugal: Edições Texto & Grafia.

Field, S. (2001). Manual do roteiro: os fundamentos do texto cinematográfico. Rio de Janeiro: Objetiva.

Genette, G. (2010). Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo Horizonte: Edições Viva Voz.

Guedes, B. L. (2016). Publicidade e infância: representações e discursos em uma arena de disputas e sentidos. In B. Bezerra, B. Guedes & S. Costa, Publicidade e consumo: entretenimento, infância, mídias sociais (pp. 107-214). Recife: Editora UFPE.

Holzbach, A. (2017). A TV que você não vê: uma análise da produção televisiva brasileira direcionada para as crianças pequenas. Anais... XXVI Encontro Anual da Compós (pp. 1-25). Faculdade Cásper Líbero, São Paulo/SP, junho.

Hutcheon, L. (2013). Uma teoria da adaptação. 2a ed. Florianópolis: Editora da UFSC.

Jenkins, H. (2003). Transmedia Storytelling: moving characters from books to films to video games can make them stronger and more compelling. Technology Review, Jan. Disponível em: www.technologyreview.com/s/401760/transmedia-storytelling/. Acesso em: 12 ago. 2017.

Jenkins, H. (2009). Cultura da convergência. 2a ed. São Paulo: Aleph.

Jost, F. (2012). Do que as séries americanas são sintomas?. Porto Alegre: Sulina.

Kinder, M. (1991). Playing with power in movies, television, and video games: from Muppet Babies to Teenage Mutant Ninja Turtles. California (USA): University of California Press, Ltd.

Melo, J. B. (2011). Lanterna mágica: infância e cinema infantil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Penafria, M. (2009). Análise de filmes – conceitos e metodologias. Anais... Congresso Sopcom, 1, abril.

Prado, A. L. P. B. & Mungioli, M. C. P. (2016). Educomunicação e mediação escolar: um projeto educomunicativo para a relação criança, desenho animado e consumo. Comunicação & Educação, ano XXI, jul./dez., (2), 87-96.

Seger, L. (2007). A arte da adaptação: como transformar fatos e ficção em filme. São Paulo: Bossa Nova.

Setubal, F. M. R. & Rebouças, M. L. M. (2014). Educação para o consumo, na linguagem dos quadrinhos: uma análise crítica da revista Turma da Mônica Jovem. Anais... Comunicon – Congresso Internacional Comunicação e Consumo (pp. 1-15). ESPM, São Paulo, outubro.

Scolari, C. A. (2013). Narrativas transmedia: cuando todos los medios cuentan. 2a ed. Barcelona: Centro Libros PAPF.

Scolari, C. A. (2015). Narrativas transmídia: consumidores implícitos, mundos narrativos e branding na produção da mídia contemporânea. Parágrafo, 1(3), 7-19.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT