Profissionais de Imprensa e Sindicalismo na I República

José Nuno Matos

Resumo


O período da I República foi marcado pelo crescimento e afirmação de um movimento sindical de proporções amplas. O objetivo deste artigo é analisar o nível de participação dos jornalistas nesta dinâmica social e política. Embora a Associação de Classe dos Trabalhadores da Imprensa tenha sido criada em 1904, é a partir de 1910 que se verifica o seu crescimento e aproximação à Federação do Livro e do Jornal, controlada pelas classes gráficas, um dos setores laborais com maior experiência ao nível da organização e luta sindical. Apesar das diferenças em termos materiais e simbólicos, tal conduziria, entre outros fatores, à participação dos jornalistas na greve dos trabalhadores de imprensa de Lisboa em 1921, responsável pela paralisação da produção dos jornais ao longo de vários meses. O desfecho deste acontecimento acabaria por ter sérias implicações não só no que respeita à relação com as empresas de jornais, mas igualmente na própria ação coletiva desenvolvida pelos profissionais de imprensa.


Palavras-chave


Jornalistas, Imprensa, Imprensa Operária, Sindicalismo, Greve.

Texto Completo:

PDF

Referências


A Batalha (1919). A Liberdade de Imprensa. Os Gráficos, 20 de junho, p. 1.

A Batalha (1919). Uma «questão moral», 25 de junho, p. 1.

A Batalha (1919). O conflito entre os industriais do jornalismo e a classe gráfica, 3 de agosto, p. 2.

A Batalha (1920). O preço do papel, 15 de junho, p. 1.

A Batalha (1920). Em volta dum conflito, 28 de maio, p. 1.

A Batalha (1921). A greve dos trabalhadores dos jornais, 18 de janeiro, p. 1.

A Batalha (1921). A passagem do cortejo, 10 de abril, p. 1.

A Batalha (1924), No “Diário de Notícias”, 30 de abril, p. 1

A Imprensa (1919). A Atitude da Imprensa, manifestações de aplauso e solidariedade, 21 de junho, p. 1.

A Imprensa (1920). A greve tipográfica, 8 de maio de 1920, p. 1.

A Imprensa da Noite (1920). A Opinião: o preço dos jornais, 27 de abril, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Ao que vimos, 18 de janeiro, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). A Censura Vermelha e o Bolchevismo, 20 de janeiro, edição da noite p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Gaiola de “Canários”… À laia de explicação, 20 de janeiro, edição da noite, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Definindo uma atitude, 21 de janeiro, edição da noite, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). O Nosso Movimento: Nota da Comissão Executiva Pró-Aumento de Salarios dos Trabalhadores dos Jornais, 26 de janeiro, edição da noite, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). O «lock-out» das empresas jornalísticas, 27 de janeiro, edição da noite, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). A greve dos trabalhadores de jornais: Nota oficiosa da comissão executiva pró aumento de salários dos Trabalhadores de Jornais, 29 de janeiro, edição da manhã, p. 2.

A Imprensa de Lisboa (1921). Afinal de quem é “O Seculo”?, 30 de janeiro, edição da noite, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Uma habilidade governativa, 4 de fevereiro, edição da manhã, p. 1

A Imprensa de Lisboa (1921). O “Barão de Pimpinela”, 6 de fevereiro, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Atualidades, 6 de fevereiro, edição da noite, p. 1

A Imprensa de Lisboa (1921). Uma intriga, 8 de fevereiro, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). “Charuto electrico”, “Pimpinela”…e C.ª, 17 de fevereiro, edição da noite, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). O Nosso Movimento: Mais dois acordos firmados com a Comissão Executiva Pró-Aumento de Salários, 28 de fevereiro, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). O aspeto político e social da questão, 13 de março, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Indecisões, 24 de março, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). A greve da imprensa, 25 de março, edição da manhã, p. 1

A Imprensa de Lisboa (1921). A caminho da solução, 5 de abril, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921a). A irredutibilidade das empresas, 7 de abril, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921b). O nosso movimento, dois novos acordos, 7 de abril, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). As hesitações governamentais, 11 de abril, edição da noite, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Heróis esfarrapados, 25 de abril, edição da noite, p. 1

A Imprensa de Lisboa (1921). Em prol das viúvas e órfãos, 30 de abril, edição da manhã, pp. 1, 2

A Imprensa de Lisboa (1921). A Postos! Trabalhadores dos Jornais de Lisboa!, 9 de maio de 1921, edição da manhã, p. 1.

A Imprensa de Lisboa (1921). Últimas palavras, 13 de maio, edição da noite, p. 1.

ACTIL (1911). Estatutos da Associação de Classe dos Trabalhadores da Imprensa de Lisboa. ACTIL.

ACTIL (1906). Regulamento interno da Associação de Classe dos Trabalhadores da Imprensa de Lisboa. ACTIL. ACTIL (1910a). Relatório dos Atos da Direção no ano de 1909. ACTIL.

ACTIL (1910b). Resposta a governo, Lisboa, 23 de fevereiro de 1910. Arquivo de História Social (Referência PT-AHS-ICS-PQ-CP-008).

ACTIL (1911). Relatório dos Atos da Direção no ano de 1910. ACTIL.

ACTIL (1912). Relatório dos Atos da Direção no ano de 1911. ACTIL.

ACTIL (1913). Relatório dos Atos da Direção no ano de 1912. ACTIL.

ACTIL (1915). Relatório dos Atos da Direção no ano de 1914. ACTIL.

ACTIL (1917). Relatório dos Trabalhos da Direção acerca da denominada Crise da Imprensa, em 1916. ACTIL.

Baptista, C. (2012). Apogeu, morte e ressurreição da política nos jornais portugueses: do século XIX ao Marcelismo. Escrit’orio Editora.

Baptista, J. (2019). Surgindo vem ao Longe a Nova Aurora: para a história do diário sindicalista A Batalha (1919-1927). Letra Livre.

Baptista, J., Carvalho, D (2019). Testemunho de um redator (David S. Carvalho). In Baptista, J. Surgindo vem ao Longe a Nova Aurora: para a história do diário sindicalista A Batalha (1919-1927) (pp. 181-192). Letra Livre.

Barros, J. L. (2021). O Jornalismo Político Republicano Radical: O Mundo, 1900-1907. IPL.

Barreto, J. (1981). Os tipógrafos e o despontar da contratação coletiva em Portugal (I). Análise Social 17(66), 253-291.

Barreto, J. (1982). Os tipógrafos e o despontar da contratação coletiva em Portugal (II). Análise Social 18(70), 183-212.

Boletim da Imprensa (1919). Os jornais de Lisboa resolveram manter a sua suspensão, 20 de junho de 1919, p. 1

Brasil, J. (1925b). Apontamentos sobre o jornalismo VIII – A primeira associação jornalística que houve em Portugal, A Batalha – Suplemento Semanal Ilustrado, 107, 14 de dezembro, p. 2. Portal Revistas de Ideias e Cultura, setembro de 2021 [http://ric.slhi.pt/visualizador/?id=11160.107&pag=2, consultado a 2021/09/12].

Brasil, J. (1925a). Apontamentos sobre o jornalismo IX – A organização corporativa da classe dos profissionais da imprensa, A Batalha – Suplemento Semanal Ilustrado, 108, 21 de dezembro de 1925, p. 4. Portal Revistas de Ideias e Cultura, setembro de 2021 [http://ric.slhi.pt/visualizador/?id=11160.108&pag=4, consultado a 2021/09/14].

Brasil (1926a). A Sociedade das Nações e os Jornalistas, Boletim do Sindicato dos Profissionais da Imprensa de Lisboa, 1, janeiro, pp. 28-24.

Brasil (1926b). Em defesa do jornalismo, Resposta à parte doutrinária dum artigo de polémica do sr. Raúl Proença, A Batalha – Suplemento Semanal Ilustrado, 127, 3 de maio, pp. 3-4. Portal Revistas de Ideias e Cultura, setembro de 2021 [http://ric.slhi.pt/visualizador/?id=11160.127&pag=3, consultado a 2021/09/20].

Brasil (1926c). Da profissão de jornalista I – Onde se procura definir o que seja profissional do jornalismo, A Batalha – Suplemento Semanal Ilustrado, 130, 24 de maio, pp. 3-4. Portal Revistas de Ideias e Cultura, setembro de 2021 [http://ric.slhi.pt/visualizador/?id=11160.130&pag=3, consultado a 2021/09/24].

Brasil (1926d). Da profissão de jornalista II – A situação dos que exercem a atividade jornalística em Portugal, A Batalha – Suplemento Semanal Ilustrado, 131, 31 de maio, pp. 3-4. Portal Revistas de Ideias e Cultura, setembro de 2021 [http://ric.slhi.pt/visualizador/?id=11160.131&pag=4, consultado a 2021/09/24].

Brasil (1926e). Da profissão de jornalista III – A situação jurídica dos profissionais do jornalismo em Portugal, A Batalha – Suplemento Semanal Ilustrado, 132, 7 de junho, 3-4. Portal Revistas de Ideias e Cultura, setembro de 2021 [http://ric.slhi.pt/visualizador/?id=11160.132&pag=5, consultado a 2021/09/25].

Brasil (1926f). Da profissão de jornalista VII – O código de honra dos profissionais do jornalismo, A Batalha – Suplemento Semanal Ilustrado, 136, 5 de julho, pp. 3-4. Portal Revistas de Ideias e Cultura, setembro de 2021 [http://ric.slhi.pt/visualizador/?id=11160.136&pag=2, consultado a 2021/09/27].

Cabral, M. V. (1979). A Grande Guerra e o Sidonismo: Esboço Interpretativo. Análise Social 15 (58), 373-392.

Cabral, M. V. (1988). Portugal na Alvorada do Século XX: Forças Sociais, Poder Político e Crescimento Económico de 1890 a 1914. Editorial Presença.

Chalaby, J. (2002). The Invention of Journalism. Palgrave Macmillan.

Comando da PSP (1998). Últimas Assembleias do Sindicato dos Profissionais da Imprensa (Novembro 1933). In Valente, J. C. Elementos para a história do sindicalismo dos jornalistas portugueses – I Parte (1834-1934) (161-176). Sindicato dos Jornalistas.

Curran, J. & Seaton, J. (1999). Power Without Responsibility: the Press and Broadcasting in Britain. Routledge.

Durand, C. (1971). Conscience Ouvrière et Action Syndicale. Mouton & Co.

Esculápio (1921), A Rir…, A Imprensa de Lisboa, 3, edição da manhã, 21 de janeiro, p. 1.

FP (1924). O conflito no “Diário de Notícias”, A Batalha, 4 de maio, p. 1.

Figueiredo, C. (2016). Proletários-Escritores: Práticas da Escrita e Variações do Espaço Político Contemporâneo, 1850-1926. In J. Neves (org.). Quem Faz a História: Ensaios sobre o Portugal Contemporâneo (pp. 219-227). Tinta-da-China.

Fraser, N. (1990). Rethinking the Public Sphere: A Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy. Social Text, (25-26), 56-80. DOI: 10.2307/466240.

Freire. J. (1992). Anarquistas e Operários – Ideologia, ofício e práticas sociais: anarquismo e operariado em Portugal, 1900-1940. Edições Afrontamento.

Freire, J. (2003). Revistas Anarquistas Portuguesas: entre a Política e a Cultura. In AAVV, Revistas, Ideias e Doutrinas: Leituras do Pensamento Contemporâneo (pp. 153-188). Livros Horizonte.

Habermas, J. (2012). A Transformação Estrutural da Esfera Pública. Fundação Calouste Gulbenkian.

Hallin, D. & Mancini, P. (2010). Sistemas de Media: Estudo Comparativo – Três Modelos de Comunicação e Política. Livros Horizonte.

Lemos, M. M. (2006). Jornais Diários Portugueses do Século XX: Um Dicionário. Ariadne, CEIS20.

Lemos, M. M. (2020). 1924 e 1927 – Dois momentos perturbadores na vida do Diário de Notícias. In Baptista, C. & Sousa, J. P. Para uma história do jornalismo em Portugal (pp. 117-136). Livros ICNOVA.

Lima, C. L. (1924). O fim dum pesadelo, O Gráfico, dezembro, p. 1

Lima, M. C. (1972). O Movimento Operário em Portugal. Edições Afrontamento.

Matos, J. N. (2018). Censura Vermelha: as empresas de jornais perante a greve da imprensa de 1921”. Ler História, (73), 193-215. DOI: 10.4000/lerhistoria.4289.

Medeiros, F. (1978). A sociedade e a economia portuguesas nas origens do salazarismo. A Regra do Jogo.

Negt, O. & Kluge, A. (2016). Public Sphere of Experience: Analysis of the Bourgeois and Proletarian Public Sphere. Verso.

Nemésio, V. (1921). O marechal Joffre entra em Portugal, saúda a nossa terra e evoca os gloriosos «Serranos», A Imprensa de Lisboa, 80, edição da manhã, 9 de abril, p. 1.

O Avante (1919). União indefectível, 21 de junho, p. 1.

O Gráfico (1918). Os progressos da organização, julho-dezembro, p. 8.

O Gráfico (1920-21). Uma greve demorada, dezembro-maio, p. 1.

O Jornal (1921). O que nós defendemos, 21 de janeiro, p. 1.

O Jornal (1921). Grão de areia, 27 de fevereiro, p. 1.

O Século (1921). A Escamoteação, 9 de março, p. 1

O Século (1921). A liquidação de uma greve absurda, 2 de maio, edição da noite, p. 1.

Oliveira, C. (1984). Antologia da imprensa operária portuguesa: 1837-1936. UGT, Perspetivas & Realidades.

Patriarca, F. (1991). A institucionalização corporativa – das associações de classe aos sindicatos nacionais (1933), Análise Social, 26(110), pp. 23-58.

Pereira, J. D. (2011). Sindicalismo Revolucionário: A História de Uma Idéa. Caleidoscópio.

Pereira, J. P. (1971). As lutas operárias contra a carestia de vida em Portugal: a greve geral de Novembro de 1918. Portucalense.

Sá, V. (1991). Roteiro da imprensa operária e sindical: 1836-1996. Caminho.

Salcetti, M. (1995), The Emergence of the Reporter: Mechanization and Devaluation of Editorial Workers. In Hardt, H. & Brennen, B. Newsworkers: Towards a History of the Rank and File (pp. 48-74). University of Minnesota.

Sardica, J. M. (2013). Imprensa. Títulos In Rollo, M. F. Dicionário de História da I República e do Republicanismo, Vol. II (pp. 344-357). Assembleia da República.

Soloski, J. (1993). O jornalismo e o profissionalismo: alguns constrangimentos no trabalho jornalístico. In Traquina, N. Jornalismo, questões, teorias e estórias (pp. 91-100). Vega.

SPIL (1926a). A Carteira de Identidade de Profissional de Imprensa, Boletim do Sindicato dos Profissionais de Imprensa de Lisboa, 1, pp. 2-7.

SPIL (1926b). O Contrato de trabalho jornalístico – relatório, Boletim do Sindicato dos Profissionais de Imprensa de Lisboa, 1, pp. 8-11.

SPIL (1926c). Projeto de um contrato de trabalho jornalístico, Boletim do Sindicato dos Profissionais de Imprensa de Lisboa, 1, pp. 11-17.

SPIL (1927), Relatório da Direção do Sindicato dos Profissionais de Imprensa de Lisboa, Boletim do Sindicato dos Profissionais de Imprensa de Lisboa, 2, pp. 5-9.

Solomon, W. S. (1995). The Site of Newsroom Labor: the Division of Editorial Practices. In Hardt, H. & Brennen, B. Newsworkers: Towards a History of the Rank and File (pp. 110-134). University of Minnesota.

Sousa, M. J. (1989). Os Últimos Tempos de Ação Sindical Livre e do Anarquismo Militante. Antígona.

Telo, A. J. (1980). Decadência e Queda da I República, I Vol.. A Regra do Jogo.

Tengarrinha, J. (1989). História da Imprensa Periódica Portuguesa. Caminho.

Teodoro, J. M. (2013). A Confederação Geral do Trabalho (1919-1927). Tese de doutoramento. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Trindade, L. (2017). Narratives in motion: journalism and modernist events in 1920s. Berghahn Books.

Valente, J. C. (1998). Elementos para a história do sindicalismo dos jornalistas portugueses – I Parte (1834-1934). Sindicato dos Jornalistas.

Vieira, A. (1950). Em volta da minha profissão: subsídios para a história do movimento operário no Portugal continental. Edição de autor.

Williams (2005). Culture and Materialism. Verso.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT