Cinema do oprimido – o disfarce, a encenação e a cena

Carlos Antonio dos Santos Segundo

Resumo


O lugar da cena ocupado pelo personagem por vezes causa pavor, especialmente àqueles que estão ainda dando seus primeiros passos na realização de documentários. Como um processo de auto-defesa, busca-se o maior controle possível da cena, evitando assim o risco. É preciso entender e experimentar a potência do corpo e da subjetividade desses personagens, seus disfarces e encenações, para que se ampliem as possibilidades, os desvios e os percursos fílmicos.


Palavras-chave


documentário; teatro do oprimido; personagem; disfarce; encenação

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, P. (2009). Os mestres e os loucos. Disponível em: www.contracampo.com.br/60/osmestresloucos.htm

Aumont J. (2008). Moderno? Por que o cinema se tornou a mais singular das artes. Campinas: Papirus

Bergson, H. (1999). Matéria e memória: Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes.

Bergson, H. (2005). A evolução criadora. São Paulo: Martins Fontes.

Boal, A. (2015). Jogos para atores e não atores. São Paulo: Cosac Naify.

Comolli, J. (2008). Ver e poder – A inocência perdida: cinema, televisão, ficção e documentário. Belo Horizonte: UFMG.

Deleuze, G. (2003). Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

França, A. (2010). Cinema documentário e efeitos de real na arte. In C. Migliorin (ed), Ensaios no real: o documentário brasileiro hoje. Rio de Janeiro: Azougue.

Herrmann, F. (1999). A psique e o eu. São Paulo: Hypsyché.

Ishaghpour, Y. (2004). O real, cara e coroa. In A. Machado (ed), Abbas Kiarostami. São Paulo: Cosac & Naify.

Lins, C & Mesquita, C. (2008). Aspectos do documentário brasileiro contemporâneo (1999-2007). In M. Batista & F. Mascarello (ed), Cinema mundial contemporâneo. Campinas: Papirus.

Nietzsche, F. (1998). Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das letras. São Paulo.

Resende, L. (2013). Microfísica do documentário: Ensaio sobre criação e ontologia do documentário. Rio de Janeiro: Azougue.

Tarkovski, A.(1998). Esculpir o tempo. São Paulo: Martins Fontes.

Turcke, C. (2010). Sociedade Excitada: filosofia da sensação. Campinas: UNICAMP.

Xavier, I. (2010). Indagações em torno de Eduardo Coutinho e seu diálogo com a tradição moderna. In C. Migliorin (ed.), Ensaios no real: o documentário brasileiro hoje. Rio de Janeiro: Azougue.

A onda trás o vento leva (2012), de Gabriel Mascaro.

Branco sai Preto fica (2014), de Adirley Queiróz.

Close-up (1990), de Abbas Kiarostami.

Dez (2002), de Abbas Kiarostami.

F for fake (1975), de Orson Welles.

Gosto de Cereja (1997), de Abbas Kiarostami.

Isso não é um filme (2011), de Jafar Panahi.

Nanook of the north (1922), de Robert Flaherty.

Os mestres loucos (1955), de Jean Rouch.

Santo Forte (1997), de Eduardo Coutinho.

Terra deu terra come (2010), de Rodrigo Siqueira.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: