A teoria do enquadramento nas revistas de Comunicação: uma análise comparativa entre Portugal e Brasil

Rafael Mangana, Valeriano Piñeiro-Naval, Ricardo Morais

Resumo


Nos últimos anos têm-se multiplicado, no campo da comunicação, os estudos que utilizam o enquadramento (framing), quer do ponto de vista teórico, quer em análises empíricas. Na maioria dos trabalhos é feita uma análise da forma como os media enquadram noticiosamente determinados acontecimentos. Neste trabalho procuramos analisar precisamente o crescimento do uso do enquadramento nos estudos de Comunicação. Para esse efeito procedemos a uma análise quantitativa de 135 artigos científicos publicados em 34 das principais revistas da área da Comunicação editadas em Portugal e no Brasil entre 2007 e 2016. Numa abordagem comparativa, procuramos revelar o peso desta teoria nas publicações dos dois países. Os resultados permitem-nos concluir que nos artigos publicados nas revistas portuguesas e brasileiras o uso da teoria tem aumentado, mas que é nas revistas editadas em Portugal que se verifica, proporcionalmente, um maior esforço de difusão do paradigma, bem como maiores índices de publicação noutros idiomas.


Palavras-chave


Enquadramento; Artigos científicos; Pesquisa em comunicação; Portugal; Brasil

Texto Completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, B. & PRIOR, H. (2020). Framing Political Populism: The Role of Media in Framing the Election of Jair Bolsonaro. Journalism Practice, 1-17. https://doi.org/10.1080/17512786.2019.1709881.

ARAÚJO, C. A. A. & MELO, M. O. T. (2011). Análise dos quinze anos do periódico Perspectivas em Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, 16 (4), 243-256. https://doi.org/10.1590/S1413-99362011000400015.

ARDÈVOL-ABREU, A. (2015). Framing o teoría del encuadre en comunicación. Orígenes, desarrollo y panorama actual en España. Revista Latina de Comunicación Social, 70, 423-450. https://doi.org/10.4185/RLCS-2015-1053.

BATESON, G. (1972). A theory of play and fantasy. Psychiatric research reports, 2, 39-51. New Jersey: Janson Aronson Inc.

BELIN, L. L. (2019). Das ruas para a mídia: o assassinato de uma mulher em situação de rua no Rio de Janeiro e seu enquadramento midiático. Estudos em Jornalismo e Mídia, 16(1), 133-144. https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n1p133

BRUM, W. P., CUNHA, J. S. & PIANEZZOLA, V. H. G. (2016). A revista Perspectivas em Ciência da Informação e seu panorama científico no período 2010 a 2014. Perspectivas em Ciência da Informação, 21 (3), 204-221. https://doi.org/10.1590/1981-5344/2651.

BRYANT, J., & MIRON, D. (2004). Theory and Research in Mass Communication. Journal of Communication, 54(4), 662-704. https://doi.org/10.1111/j.1460-2466.2004.tb02650.x.

CACCIATORE, M. A., SCHEUFELE D. A. & IYENGAR, S. (2016). The End of Framing as we Know it ... and the Future of Media Effects. Mass Communication and Society, 19(1), 7-23. https://doi.org/10.1080/15205436.2015.1068811.

CAMPOS, M. M. de, COIMBRA, M. R. & OLIVEIRA, L. A. de, (2019). O Enquadramento do Jornal Folha de S. Paulo na crise política brasileira. Um estudo comparativo dos governos Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB). Revista Científica de Comunicação Social do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH) e-Com, 12(1), 5-27. Disponível em [URL] https://bit.ly/2MWMR9W. Acesso em: 11-06-2020.

CAPPELA, J. & JAMIESON, K. (1997). Spiral of cynicism: the Press and the Public Good. New York: Oxford University Press.

CASTILHO, F. & ROMANCINI, R. (2018). Minas de luta na mídia: enquadramentos e percepções das ocupações escolares em São Paulo. Brazilian Journalism Research, 14 (1), 282-305. https://doi.org/10.25200/BJR.v14n1.2018.1054.

CASTILLO, S. S. (2016). Estudio empírico-conceptual de la crisis económica y cultural en la prensa española. Observatorio (OBS), 10 (3), 41-55. https://doi.org/10.15847/obsOBS1032016992

COGO, D. & SILVA, T. (2016). Entre a “fuga” e a “invasão”: alteridade e cidadania da imigração haitiana na mídia brasileira. Famecos, 23 (1), 1-21. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.1.21885.

CORREIA, J. C. (2016). Prefácio – Panorama Geral dos Estudos de Framing. In: A. Gradim. Framing, o enquadramento das notícias (pp. 7-14). Lisboa: Livros Horizonte, 2016.

COUTINHO, C. P. (2015). Metodologia de investigação em ciências sociais humanas: teoria e prática. Coimbra: Edições Almedina.

DE VREESE, C. H. (2002). Framing Europe. Television news and European integration. Amsterdam: Aksant Academic Publishers.

DE VREESE, C. H. (2005). News framing: Theory and typology. Information Design Journal 13(1), 51-62. https://doi.org/10.1075/idjdd.13.1.06vre.

ENTMAN, R. M. (1993). Framing: toward a clarification of a fractured paradigm. Journal of Communication, 43 (4): 51-58. https://doi.org/10.1111/j.1460-2466.1993.tb01304.x.

GAMSON, W. A., & MODIGLIANI, A. (1989). Media discourse and public opinion on nuclear power: A constructionist approach. American Journal of Sociology, 95, 1-37.

GAMSON, W.A., & MODIGLIANI, A. (1987). The Changing Culture of Affirmative Action. Research in Political Sociology, 3, 137-177.

GOMES, M. (2017). O conceito de enquadramento noticioso nos estudos publicados em periódicos científicos (2013-2016). In: XI Congresso Brasileiro de Ciências Da Comunicação - Intercom, Curitiba. São Paulo: Intercom, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2Axg0px. Acesso em: 12-05-2018.

GOFFMAN, E. (1986). Frame Analysis: An Essay on the Organization of Experience, Cambridge: Harvard University Press.

GRADIM, A. (2016). Framing, o enquadramento das notícias. Lisboa: Livros Horizonte.

GRADIM, A. & MORAIS, R. (2016). Tendências atuais na publicação científica: o português como língua de ciência. Observatorio (OBS*) Journal, 10 (3), 119-134. https://doi.org/10.15847/obsOBS10320161016

GRADIM, A. (2017). Para uma leitura semiótica das teorias de framing: reinterpretando o enquadramento com base na categoria peirceana de terceiridade. Revista Galáxia, 35, 21-31. https://doi.org/10.1590/1982-2554127832.

GRADIM, A. & PIÑEIRO-NAVAL, V. (2019). Policies for Portuguese and Spanish: the world’s second publication language in Web of Science. Informação & Sociedade: Estudos, 29(2), 145-160. https://doi.org/10.22478/ufpb.1809-4783.2019v29n2.3827

IYENGAR, S. (1991). Is anyone responsible? How television frames political issues. Chicago: University of Chicago Press.

LIMA, H. & TEIXEIRA, P. (2015). Impactos da Revolução de 1974 nas primeiras páginas dos diários portugueses. Revista Media & Jornalismo - Número Especial - V Seminário CIMJ, Especial: 329-342.

LOPES, S., COSTA, M., FERNÁNDEZ-LLIMÓS, F., AMANTE, M. & LOPES, P. (2012). A Bibliometria e a Avaliação da Produção Científica: indicadores e ferramentas. Actas dos Congressos de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, no 11. Disponível em [URL] https://bit.ly/3e43yfu. Acesso em: 11-06-2020.

MANGANA, R. (2018). Aylan Kurdi como imagem-despertador da crise dos refugiados: o enquadramento da imprensa ibérica. Estudos em Comunicação, 26 (2), 61-79. https://doi.org/10.20287/ec.n26.v2.a05.

MARTÍNEZ-NICOLÁS, M., & SAPERAS, E. (2016). Objetos de estudio y orientación metodológica de la reciente investigación sobre comunicación en España (2008-2014). Revista Latina de Comunicación Social, 71, 1365-1384. https://doi.org/10.4185/RLCS-2016-1150es.

McCOMBS, M., & GHANEM, S. I. (2001). The Convergence of Agenda Setting and Framing. In S. Reese, O. Gandy & A. Grant (Eds.), Framing Public Life. Perspectives on Media and Our Understanding of the Social World (pp. 67-81). Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

MENDONÇA, R. F. & SIMÕES, P. G. (2012). Enquadramento. Diferentes operacionalizações analíticas de um conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 27 (79), 187-235.

MERRY, M. L. (2020). Warped Narratives: Distortion in the Framing of Gun Policy. Ann Arbour: University of Michigan Press.

MITOZO, I. B., COSTA, G. & RODRIGUES, C. (2020). Como os media incorporam declarações de atores políticos nas redes? Uma análise do enquadramento dos tweets de Jair Bolsonaro pelo jornalismo impresso brasileiro. Brazilian Journalism Review, 16(1), 156-183. https://doi.org/10.25200/BJR.v16n1.2020.1256

MOURA, A. M. M., FILIPPO, D., SÁNCHEZ, M. L. L., VANZ, S. A. S. & CAREGNATO, S. (2015). Panorama da produção conjunta entre Brasil e Espanha indexada na WoS entre 2016-2012: indicadores de atividade, especialização e colaboração. Informação e Sociedade: Estudos, 25 (1), 67-82.

MUGNAINI, R., DIGIAMPIETRI, L. A. & MENA-CHALCO, J. P. (2014). Comunicação científica no Brasil (1998-2012): indexação, crescimento, fluxo e dispersão. Transinformação, 26 (3), 239-252. https://doi.org/10.1590/0103-37862014000300002.

NATANSOHN, L. G. & BRITO, J. L. de (2019). Feminicídio: a cobertura da Folha de S. Paulo a partir da Teoria do Enquadramento. Revista Pauta Geral-Estudos em Jornalismo, 6(2), 70-89. Disponível em [URL] https://bit.ly/3e08TVb. Acesso em: 11-06-2020.

OSINSKI, M., ROMAN, D. J. & SELIG, P. M. Compartilhamento de conhecimento: estudo bibliométrico das publicações acadêmicas realizadas de 1994 a 2014. Perspectivas em Ciência da Informação, 20 (4), 149-162, 2015. https://doi.org/10.1590/1981-5344/2512.

PAN, Z., & KOSICKI, G. M. (1993). Framing analysis: An approach to news discourse. Political Communication, 10(1), 55-75. https://doi.org/10.1080/10584609.1993.9962963

PATTERSON, T. (1994). Out of Order. New York: First Vintage Books Edition.

PATTERSON, T. (1980). The Mass Media Election: How Americans Choose Their President. New York: Praeger Special Studies.

PEREIRA, M. A. L. (2019). Crise económica e financeira: o enquadramento da sétima avaliação da troika ao programa de ajustamento português no Jornal de Negócios. Estudos em Comunicação, 28 (1), 1-30. https://doi.org/10.25768/fal.ec.n28.a01.

PIÑEIRO-NAVAL, V. & MANGANA, R. Teoría del Encuadre: panorámica conceptual y estado del arte en el contexto hispano. Estudios sobre el Mensaje Periodístico, 24 (2), 1541-1557, 2018. https://doi.org/10.5209/ESMP.62233.

PIÑEIRO-NAVAL, V. & MANGANA, R. La presencia del framing en los artículos publicados en revistas hispanoamericanas de comunicación indexadas en Scopus. Palabra Clave, 22 (1), 117-142, 2019. https://doi.org/10.5294/pacla.2019.22.1.6.

PORTO, M. (2004). Enquadramentos da Mídia e Política. In A. C. Rubim (Org.), Comunicação e Política: Conceitos e abordagens (pp. 73-104). Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia.

PRUDENCIO, K. & JUNIOR, J. G. S. (2015). A comunicação política das micromobilizações na Internet a partir da observação do Hip Hop em Curitiba. E-Compós, 18 (2). https://doi.org/10.30962/ec.v18i2.1136.

ROTHBERG, D. (2014). Enquadramentos midiáticos e sua influência sobre a consolidação de direitos de crianças e adolescentes. Opinião Pública, 20 (3), 407-424. https://doi.org/10.1590/1807-01912014203407.

SAMPAIO, R. C., FONTES, G. S. & FERRACIOLI, P. (2017). Molduras de uma tragédia anunciada: enquadramentos do desastre de Mariana. Intercom - Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 40 (3), 55-72. https://doi.org/10.1590/1809-5844201734.

SAMPAIO, R. C., RIZZOTTO, C., DRUMMOND, D. R., ROCHA, C. F., WASHINGTON, B. N. & MARIOTO, D. J. F. (2020). Enquadramento noticioso e construção narrative do impeachment de Dilma Rousseff nos jornais Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo e O Globo. Revista Debates, 14 (1), 110-131. https://doi.org/10.22456/1982-5269.88470

SAPERAS, E. & CARRASCO-CAMPOS, A. (2018). Journalism research: a dominant field of communication research in Spain. A meta-research on Spanish peer-reviewed journals (2000-2014). Estudos em Comunicação, 26 (1), 281-300. https://doi.org/10.20287/ec.n26.v1.a16.

SARMENTO, R. (2019). Análise de enquadramento e epistemologia feminista: discutindo implicações metodológicas. Revista Teoria & Pesquisa, 28 (3), 97-117. https://doi.org/10.31068/tp.28305

SCHEUFELE, D. (1999). Framing as a theory of media effects. Journal of Communication, 49 (1), 103-122. https://doi.org/10.1111/j.1460-2466.1999.tb02784.x

SCHMIDT, L., HORTA, A. & PEREIRA, S. (2014). O desastre nuclear de Fukushima e os seus impactos no enquadramento midiático das tecnologias de fissão e fusão nuclear, Ambiente e Sociedade, 17 (4), 233-250. https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOCex003V1742014.

SCHUTZ, A. (1979). Fenomenologia e Relações Sociais – textos escolhidos de Alfred Schutz, Rio de Janeiro, Zahar Editores.

SEMETKO, H. & VALKENBURG, P. M. (2000). Framing European Politics: A Content Analysis of Press and Television News. Journal of Communication, 50(2), 93-109. https://doi.org/10.1111/j.1460-2466.2000.tb02843.x

SILVA, E. L., TAVARES, A. L. L. & PEREIRA, J. P. S. (2010). O estado da arte da pesquisa sobre comunicação científica (1996-2006) realizada no Brasil no âmbito da ciência da informação. Transinformação, 22 (3), 207-223. https://doi.org/10.1590/S0103-37862010000300002.

TUCHMAN, G. (1978). Making News, a Study in the Construction of Reality. New York: The Free Press.

TUCHMAN, G. (2002). As notícias como uma realidade construída In: J. Esteves Pissara (Org.) Comunicação e Sociedade - Os efeitos dos meios de comunicação de massa. (p. 102. Lisboa: Livros Horizonte.

VALKENBURG, P., SEMETKO, H. A. & DE VREESE, C. H. (1999). The Effects of News Frames on Readers' Thoughts and Recall. Communication Research, 26(5), 550-569. https://doi.org/10.1177/009365099026005002

VAN GORP, B. (2007). The constructionist approach to framing: bringing culture back in. Journal of Communication, 57 (1): 60-78. https://doi.org/10.1111/j.0021-9916.2007.00329.x.

WEAVER, D. (2007). Thoughts on agenda setting, framing and priming. Journal of Communication, 57 (1): 142-147. https://doi.org/10.1111/j.1460-2466.2006.00333.x.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Eikon

RedibDOAJ
Licença Creative Commons