Estereótipos e clichês: uma abordagem teórica

Flavio Lins Rodrigues, Maria Helena Carmo dos Santos

Resumo


No presente texto, apresentamos uma reflexão sobre os conceitos de estereótipo e clichê e, de certa forma, o impacto que ambos têm na vida social, salientando diferenças e pontos de contato. Para isso, revisitamos textos de Walter Lippmann (2010), Gilles Deleuze (1990) e Émile Durkheim (1996), dialogando também com o trabalho do linguista Patrick Charaudeau (2017). Partindo da abordagem desses conceitos, questiona-se se eventualmente eles têm (ou não) o mesmo significado. Interessa-nos também pensar em que medida estereótipos e clichês têm relação com o complexo universo do imaginário, o que nos levou a recorrer às teorias de Castoriadis (1982) e Durand (2012), bem como à das representações sociais (Moscovici, 1978).

Palavras-chave


semelhança, imagem, estereótipo, clichê, imaginário

Texto Completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R., HERSCHBERG-PIERROT, A. (2007). Stéréotypes et clichés: langue, discours, societé. Paris: Armand Colin.

AZEVEDO, D. J. O., SILVA, F. M. (2017). Colocações, estereótipos e clichês: definições e diferenças. ReVEL, 15(29).

BAGNO, M. (1997). A Língua de Eulália (novela sociolingüística). São Paulo: Ed. Contexto.

FILHO, C. B. (2001). A publicidade como suporte pedagógico: a questão da discriminação por idade na publicidade da Sukita. Revista Famecos, 16.

CASTORIADIS, C. (1982). A Instituição Imaginária da Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CHARAUDEAU, P. (2017). Os estereótipos, muito bem. Os imaginários, ainda melhor. Entrepalavras, 7.

DELEUZE, G. (1990). A Imagem-Tempo. São Paulo: Brasiliense.

DURAND, G. (2012). As estruturas antropológicas do imaginário. Sao Paulo: Martins Fontes.

DURKHEIM, É. (1996). As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes.

FREIRE FILHO, J., Herschmann, M., Paiva, R. (2004). Rio de Janeiro: estereótipos e representações midiáticas. Recuperado em 12 de dezembro de 2017, de http://e-compos. org.br/e-compos/article/viewFile/1/2

KAWASAKI, J. L., & Raven, M.R. (1995). Computer-administered surveys in extension. Journal of Extension, 33, 252- 255. Recuperado em 2 junho, 1999, de http://joe.org/joe/index.html

GONÇALVES, M. T. (2004). Linguagem comum: um ensaio sobre clichés. Dissertação de mestrado, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

GUÉRON, R. (2013). A quebra dos clichês: a operação estético-política do neo-realismo italiano. Atas do II Encontro Anual da Aim, Lisboa, Portugal.

HASLAM, A., SALVATORE, J., KESSLER, T., REICHER, S. (2008). How stereotyping yourself contributes to your success (or failure). Scientific American Mind, [Boston], 298(4).

LAPLANTINE, F., TRINDADE, L. S. (1997). O que é imaginário. São Paulo: Ed. Brasiliense.

LEGROS, P., MONNEYRON, F., RENARD, J-B., TACUSSEL, P. (2007). Sociologia do imaginário. Porto Alegre: Sulina.

LÉVY, P. (1993). As Tecnologias da Inteligência: O Futuro do Pensamento na Era da Informática. Rio de Janeiro: Editora 34.

LIPPMANN, W. (2010). Opinião Pública. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

MAFFESOLI, M. (2001). “O imaginário é uma realidade”. Revista Famecos, 15, pp. 74-81.

MAFFESOLI, M. (2006). O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense.

MENIN, M. S. S. (2006). “Representação Social e Estereótipo: A Zona Muda das Representações Sociais”. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, 22(1), pp. 43-52.

MOLINER, P., VIDAL, J. (2003). “Stéréotype de la catégorie et noyau de la représentation sociale”. Revue internationale de Psychologie Sociale, 16(1), pp. 157-175.

MOSBASH, S. (2005) Le stéréotype, du mot au concept: saisie à travers des contextes. Recuperado de 24 de janeiro de 2018, de http://perso.univ-lyon2.fr/~thoiron/JS%20 LTT%202005/pdf/Said.pdf

MOSCOVICI, S. (1978) A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

NOELLE-NEUMANN, E. (1993). The Spiral of Silence: Public Opinion, our Social Skin. Chicago: University of Chicago Press.

PEREIRA, M. E., FERREIRA, F. O., MARTINS, A. H., CUPERTINO, C. M. (2002). “Imagens e significado e o processamento dos estereótipos”. Estudos de Psicologia, 7(2), pp. 389-397.

RICKS, C. (1980). “Clichés”. In MICHAELS, L; Ricks, C. (Orgs.). The State of the Language. Berkeley: University of California Press, pp. 54–63.

SANTOS, I. G. (2012). Os estereótipos culturais no ensino do FLE: teoria e prática. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil.

SODRÉ, M. (1999). Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes.

TONIN, J., AZUBEL, L. (2017). Nas representações, imagens e imaginários. Revista Memorare, 4(2).

TRINTA, A. R. (2010). Estereótipos [Apostila da disciplina Televisão e Identidade Cultural do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora]. Juiz de Fora: PPGCOM/UFJF.

WOODWARD, K. (2000). “Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual”. In SILVA, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, pp. 7-72.

ZAMPIERI, E. (2003). Lo stereotipo come ostacolo culturale. Analisi degli stereotipi tra Italia e i seguenti paesi: Ucraina, Brasile, Cina Egitto e Turchia. Dissertação de mestrado, Università Ca’Foscari Venezia, Veneza, Italia.

ZIJDERVELD, A. C. (1979). On Clichés: The Supersedure of Meaning by Function in Modernity. London, Boston e Henley: Routledge & Kegan Paul.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Eikon

RedibDOAJ
Licença Creative Commons