Semiose em Peirce e Lotman

Tarcísio de Sá Cardoso, Carlos Magno Pinheiro Barreto Junior

Resumo


O presente trabalho tem o intuito de discutir a noção de semiose no âmbito das propostas semióticas de Charles S. Peirce e de Iuri Lotman, esclarecendo suas semelhanças e diferenças, com o propósito de apontar um possível diálogo entre estes dois autores importantes para a história da semiótica. Para tanto, apresentamos em primeiro lugar, o conceito de semiose dentro do quadro teórico elaborado por Peirce, discutindo as principais noções de sua fenomenologia, teoria das categorias, a noção de identidade triádica (teridentidade), noções estas que são importantes para a compreensão do que Peirce entendia por signo e semiose. Em um segundo momento, discutimos alguns dos principais conceitos da semiótica da cultura a partir de Lotman, trazendo à tona conceitos como texto, sistema modelizante, modelização, semiosfera, fronteira. Por fim, comparamos as duas concepções de semiose encontradas em cada uma das teorias, atentando para as dissonâncias e consonâncias entre elas.

Palavras-chave


semiótica, semiótica de C. Peirce, semiótica de I. Lotman

Texto Completo:

PDF

Referências


BRI, I. A. (1998). “Pragmatismo e Técnica”. Hypnos, São Paulo, n. 4, p.149-155,.

LOTMAN, I. M. (1990).Universe of the mind: a semiotic theory of culture. Bloomington And Indianapolis: Indiana University Press.

LOTMAN, I. M. (1996). “La semiosfera: Semiótica de la cultura y del texto”. Navalcarnero, Madrid: Gráficas Rógar.

MACHADO, I. (2003). Escola de Semiótica: A Experiência de Tártu-Moscou para o Estudo da Cultura. Cotia, Sp: Ateliê Editorial.

MACHADO, I.; ROMANINI, V. (2010). Semiótica da comunicação: da semiose da natureza à cultura. Famecos, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p.89-97, maio/ago.

MACHADO, I. (2013). Pensamento Semiótico Sobre a Cultura. Sofia, Vitória, Es, v. 2, n. 2, p.60-72, jun.

QUEIROZ, J. (2004). Semiose segundo C. S. Peirce. São Paulo: Educ.

PEIRCE, C. S.. (1978). The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. V. 1-6, ed. Charles Hartshorne, Paul Weiss; V 7-8, ed. by Arthur Burks. Cambridge. The Belknap Press of Harvard University Press [CP].

SANTAELLA, L. (2005). Semiótica Aplicada. São Paulo: Pioneira Thonson Learning.

SANTAELLA, L. (2007). “O conceito de semiosfera à luz de C. S. Peirce”. In: MACHADO, I. (Org.). Semiótica da cultura e Semiosfera. São Paulo: Annablume/fapesp, p. 113-123.

SANTAELLA, L. (2008). Teoria Geral dos Signos – como as linguagens significam as coisas. São Paulo. Pioneira Thomson Learning.

SANTAELLA, L. (2016). “Mente e/ou consciência em C. S. Peirce”. Cognitio, São Paulo, v. 17, n. 1, p.119-130, jan./ jun.

SANTAELLA, L. (2016). “Memória e perspectivas da semiótica no Brasil / Memory and perspectives of semiotics in Brazil”. Intexto, Porto Alegre, n. 37, p.22-23, set/dez.

SILVEIRA, L. F. B. (2000). “Em busca dos fundamentos da universidade e da necessidade da semiótica e do pragmatismo de C. S. Peirce”. Cognitio: Revista de Filosofia. São Paulo, n. 1, v. 1. p. 117-126.

VIEIRA, J. A. (2007). “Semiosfera e o conceito de Umwelt”. In: MACHADO, I. (Org.). Semiótica da cultura e Semiosfera. São Paulo: Annablume/fapesp, p. 99-111.

VIEIRA, J. A. (2008). Ontologia. Fortaleza: Expressão gráfica,


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Eikon

RedibDOAJ
Licença Creative Commons