A investigação sobre rádios comunitárias e a resistência em estudar o desconhecido

Fábio Ribeiro

Resumo


Em alguns países, como Portugal, o conceito de “rádio comunitária” está longe de ser conhecido. A Lei da Rádio, de 2010, continua a definir apenas quatro tipos de rádios quanto à cobertura geográfica: internacional, nacional, regional ou local. As rádios comunitárias destinam-se à produção de conteúdos, através de emissores de baixa potência, para zonas geograficamente restritas e para comunidades com fins e interesses específicos, num espírito colaborativo e sem fins lucrativos (Foxwell et al., 2008).

Este desconhecimento (ou negligência) a nível legal coincide igualmente com um número praticamente residual de trabalhos académicos sobre rádios comunitárias em Portugal (Ribeiro, 2014), ao contrário de outras dinâmicas internacionais, na academia e na sociedade civil, que procuram refletir e organizar diversas problemáticas a estes meios de comunicação (Meda, 2015).

Partindo desta premissa, que incide sobre a pouca produção científica sobre o tema, pretendeu-se analisar parte da investigação científica sobre rádios comunitárias, na área das Ciências da Comunicação. Deste modo, numa análise realizada a 91 trabalhos apresentados sobre este tema, em congressos (67) ou revistas científicas (24), concluiu-se que os autores procuram estudar a realidade dos países em que se inserem, com uma preocupação de estudar fundamentalmente a emancipação social promovida pelas rádios comunitárias, as implicações legais e gestão financeira destas emissoras.

Palavras-chave


rádio, comunitária, investigação, congressos, artigos, revistas científicas

Texto Completo:

PDF

Referências


ALONSO, A. (2009). “As Teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate”. Lua Nova, nº76, pp. 49-86.

FOXWELL, K.; EWART, J.; FORDE, S. & MEADOWS, M. (2008). “Sounds like a whisper: Australian Community Broadcasting hosts a quiet revolution”. Westminster Pa¬pers in Communication and Culture, Vol. 5(1): 5-24.

GOHN, M. (1997) Teoria dos movimentos sociais. Para¬digmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Edições Loyola.

LEI DA RÁDIO (2010) Diário da República, 1.ª sé¬rie — N.º 248 — 24 de Dezembro de 2010. Ace¬dido através de https://dre.pt/application/dir/pdf1s¬dip/2010/12/24800/0590305918.pdf

LOPEZ, V. (1995). ¿Qué hace comunitaria a una radio co¬munitaria? Chasqui, 52, 51-54.

MCCARTHY, J. & Zald, M. (1977). Comparative e Perspec¬tives on Social Movements. Cambridge: Cambridge Uni¬versity Press.

MEDA, M. (2014). El tratamiento de los medios comuni¬tarios en el marco de la ley general de la comunicación audiovisual. Tese de doutoramento. Universidade Com¬plutense de Madrid.

MILAN, S. (2008). “What makes you happy? Insights into feelings and muses of community radio practitioners”. Westminster Papers in Communication and Culture, Vol. 5(1): 25-43.

PERUZZO, C. (1998). Participação nas Rádios Comuni¬tárias no Brasil. Acedido através de http://www. bocc.ubi. pt/pag/peruzzo-cicilia-radio-comunitaria-br.pdf

RIBEIRO, F. (2014) “Recuperar o espírito das piratas: reflexões sobre rádios comunitárias em Portugal, do vazio legal a uma proposta concreta” in REIS, A.; RIBEIRO, F. & PORTELA, P. (org.) (2014) Das piratas à Internet: 25 anos de rádios locais, Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho.

VAZQUEZ, A. I. (2001) Os Informativos diários nas tel¬evisións locais de Galicia. A información televisiva no es¬pacio local. Tese de doutoramento. Universidade de San¬tiago de Compostela.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Eikon

RedibDOAJ
Licença Creative Commons