Esse obscuro objeto incômodo: o “cinema direto” nas reflexões cubanas (e latino-americanas) sobre o documentário

Fabián Núñez

Resumo


O presente artigo visa tecer reflexões sobre como o cinema não ficcional foi pensado em Cuba nos anos 1960 e 1970, em especial, o debate em torno do “cinema direto”. Assim, a partir da análise do pensamento em Cuba sobre o documentário, visamos refletir sobre a sua função na construção de um discurso formativo de uma identidade da cinematografia cubana revolucionária.

Palavras-chave


cinema direto, cinema cubano, Nuevo Cine Latinoamericano

Texto Completo:

PDF

Referências


Alvarez, F. (2009). Faíscas de cinema direto: prelúdio para uma narrativa do cinema cubano. Doc On-Line, (6) : 128-140. Covilhã.

Avellar, J. (1995). A ponte clandestina: Birri, Glauber, Solanas, Getino, García Espinosa, Sanjinés, Alea – Teorias de cinema na América Latina. Rio de Janeiro/São Paulo: Ed. 34/Edusp.

Baltar, M. (2007). Realidade lacrimosa: diálogos entre o universo do documentário e a imaginação melodramática. Tese de Doutorado, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Bernardet, J. (2003). Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Cia das Letras.

Christensen, T. (1967). Estructuras, imaginación y presencia de la realidad en el documental. Cine Cubano, (42-43-44): 154-163. Havana.

Berthier, N. (2008). Tomás Gutiérrez Alea: documental versus ficción. Archivos de la Filmoteca, (59): 112-127. Valencia.

Castillo, L. (2005). A contraluz. Havana: Oriente.

Del Valle Dávila, I. (2014). Tiempo e História en el cine cubano de los años 1960 y 1970. História: Questões & Debates, 61(2): 209-231. Curitiba.

García Borrero, J. (2008). Cine cubano post-68: los presagios del gris. Havana: Centro Téorico-Cultural Critérios.

García Espinosa, J. (1960-1961). Cine dirigido. Cine Cubano, (4): 20-23. Havana.

Gutierrez, M. (2014). Um "momento crítico de tomada de consciência latinoamericana": o cinema moderno da América Latina e as letras. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gutiérrez Alea, T. (1960-1961). El free cinema y la objetividad. Cine Cubano, (4): 35-39. Havana.

Gutiérrez Alea, T. (1984). Dialética do espectador. São Paulo: Summus.

León Frías, I. (1980). Entrevista con Marta Rodríguez y Jorge Silva. Hablemos de cine, (71): 27-29. Lima.

Massip, J. (1967). David es el comienzo. Cine Cubano, (45-46): 9-17. Havana.

Miskulin, S. (2003). Cultura ilhada: imprensa e Revolução Cubana (1959-1961). São Paulo: Xamã.

Muniz, S. (1967). Cine directo: anotaciones. Cine Cubano, (45-46): 35-37. Havana.

Núñez, F. (2012). Afinal, o que é "cine imperfecto"? uma análise das ideias de García Espinosa. Rebeca, 1(1): 173-194. São Paulo.

Núñez, F. (2017). Uma análise do pensamento "industrialista"no Nuevo Cine Latinoamericano nas revistas de cinema latino-americanas (1969-1980). Fronteiras, 19(2): 198-210. São Leopoldo.

Rodríguez Silva, M. (1978). La única verdad es el marxismo-leninismo y el materialismo histórico. Cine Cubano, (91-92): 123-126. Havana.

Villaça, M. (2010). Cinema cubano: revolução e politica cultural. São Paulo: Alameda.

Vincenot, E. (2009/2010). Censure et cinéma à Cuba: l’affaire P.M.. L’Âge d’or, (2): 1-16, Marne-la-Vallée.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: