Um espaço (dentro/fora) do sujeito – Isto não é um filme e o diário fílmico como lugar de liberdade e vigilância

Márcio Henrique Melo de Andrade

Resumo


Isto não é um filme (2011), de Jafar Panahi e Mojtaba Mirtahmasb produzido
inteiramente no apartamento de Panahi, retrata um dia na vida do diretor enquanto este cumpre prisão domiciliar, sentenciada pelo governo iraniano. Neste artigo, parte-se das estéticas do diário fílmico para pensar a formação da subjetividade conectada à flexibilização dos tempos e espaços e a imagem como lugar de liberdade e vigilância.


Palavras-chave


diário fílmico; vigilância; subjetividade; espaço; Isto não é um filme.

Texto Completo:

PDF

Referências


Bergala, A. (1998). Si “je” m’était conté. In: A. Bergala (ed.), Je est un film. París: Editora Acor.

Braud, M. (2006). La forme des jours – Pour une poétique du journal personnel. Paris: Éditions du Seuil.

Bruno, F. (2013). Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

Didier, B. (1991). Le journal intime. Paris: Presses Universitaires de France.

Duhart, O. (2009). Tiempo y escritura – El diario y los escritos autobiográficos de Luis Oyarzún. Santiago: Editorial Universitária.

Foucault, M. (1977). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes.

Foucault, M. (2013). O corpo utópico; As heterotopias. São Paulo: n-1 Edições.

Gumbrecht, H. (2014). Depois de 1945: latência como origem do presente. São Paulo: Editora Unesp.

Gumbrecht, H. (2015). Nosso amplo presente: o tempo e a cultura contemporânea. São Paulo: Editora Unesp.

James, D. (2013). Diário em filme/ Filme-diário: prática e produto emWalden, de Jonas Mekas. In J. Mekas & P. Mourão (ed.), Jonas Mekas (pp. 165-205). São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil – USP.

Mekas, J. (2013). O filme-diário. In J. Mekas & P. Mourão (ed.), Jonas Mekas (pp.131-142). São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil – USP.

Mourão, P. (2013) Salve Jonas. In P. Mourão & J. Mekas (ed.), Jonas Mekas (pp.11-27). São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil; Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP.

Pimentel, L. (2005). O auto-retrato como espetáculo e controle na contemporaneidade. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Rascaroli, L. (2009). The Personal Camera: Subjective Cinema and Essay Film. London: Wallflower Press.

Rolnik, S. (2014). Cartografia sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, Editora da UFRGS, 2ª edição.

Rolnik, S. (2018). Esferas da Insurreição: Notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições.

Seligmann-Silva, M. (2012). O esplendor das coisas: O diário como memória do presente na Moscou de Walter Benjamin. In M. Seligmann-Silva, J, Ginzburg & F. Hardman (ed.), Escrita da violência, vol.1: o testemunho (pp. 263-283). Rio de Janeiro: 7 Letras.

Simonet-Tenant, F. (2004). Le journal intime – genre litéraire et écriture ordinaire. Paris: Téraèdre.

Taylor, C. (1997). As fontes do self: A construção da identidade moderna. São Paulo: Edições Loyola.

Valles, R. (2018). Narrar o vivido, viver o narrado: A construção do diário na obra de Jonas Mekas. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: