Identidade, Resistência e Simbolismo no filme Onde Sonham as Formigas Verdes (1984) de Werner Herzog

Thaís Conconi Silva, Elias David Morales Martinez

Resumo


Neste artigo discutiremos os conceitos fundamentais das Ciências Humanas e Sociais de identidade, resistência e simbolismo a partir da análise do filme Onde Sonham as Formas Verdes (1985) de Werner Herzog.  Com base no estudo crítico da obra utilizando transcrições e fotogramas, mostra-se que a linguagem cinematográfica pode ser um caminho para ilustrar debates e produzir abordagens diversas do conhecimento. Através de um eixo condutor constituído por um roteiro baseado na cultura dos aborígenes australianos, aprofundamos questões sensíveis como o embate de perspectivas culturais divergentes sobre o Meio Ambiente e os direitos dos povos autóctones que buscam reconhecimento no mundo contemporâneo.


Palavras-chave


identidade; simbolismo; aborígenes australianos; Werner Herzog, conflito ambiental

Texto Completo:

PDF

Referências


Adler, E. (1999) O Construtivismo no estudo das Relações Internacionais. Lua Nova Revista de Cultura e Política, 47: 201-252, agosto. São Paulo. Disponível em: www.scielo.br/pdf/ln/n47/a11n47.pdf

Akçali, E. & Cakirlar, C. (2016) A Form of Proto-Cinema: Aesthetics of Werner Herzog’s Documentary. Essayism. Cineaction 97, 97(Special Issue: Contemporary Documentary): 50-59.

Aumont, J. & Marie, M. (2004). A Análise do Filme (trad. M. Félix). Lisboa: Texto & Grafia.

Barth, F. (1995). Grupos Étnicos e suas Fronteiras. In P. Poutignat & J. Streiff-Fenart (orgs.), Teorias da Etnicidade. São Paulo: Editora UNESP.

Borges, L. (2008). Sociedade, Mito e Ciência no Sonho das Formigas Verdes. In G. Garcia & C. Coimbra (orgs.), Ciência em foco: o olhar pelo Cinema. Rio de Janeiro: Garamond.

Bosi, E. (1987). Lembrança de velhos. 2ª edição. São Paulo: EDUSP.

Dudar, H. (1985, fev. 17). Werner Herzog Finds the Ticket to Life. New York Times. Disponível em: http://link.galegroup.com/apps/doc/A176624488/AONE?u=capes&sid=AONE&xid=b29aa0f5

Fogarty, J. & Dwyer, J. (2012). The First Aboriginal Land Rights Case. In H. Sykes (ed.), More or less: democracy & new media. Melborune: Future Leaders. Disponível em: www.futureleaders.com.au/book_chapters/pdf/More-or-Less/John-Fogarty_Jacinta-Dwyer.pdf

Giddens, A. (1991) As consequências da Modernidade. São Paulo: Editora UNESP. Tradução: Raul Fiker.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na Pós-Modernidade. São Paulo: DP&A Editora.

Mauss, M. (1973). Ensaio sobre a Dádiva, Forma e Razão da Troca nas Sociedades Arcaicas. In M. Mauss, Sociologia e Antropologia, vol. II. São Paulo: EPU.

Mauss, M. (1979). Antropologia. In R. Oliveira (org.), Marcel Mauss: Antropologia. São Paulo: Atica.

Menezes, M. (2002). O cotidiano camponês e a sua importância enquanto resistência à dominação: a contribuição de James C. Scott. Revista Raízes, 21(1): 32-44, jan./jun. Campina Grande. Disponível em: http://raizes.revistas.ufcg.edu.br/index.php/raizes/article/view/177/161.

Oliveira, R. (2000). Os (Des) Caminhos da identidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 15(42): 07-21 São Paulo. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v15n42/1733.pdf.

Platiau, A.; Varella, M. & Schleicher, R. (2004). Meio Ambiente e Relações Internacionais: Perspectivas teóricas, respostas institucionais e novas dimensões de debate. Revista Brasileira de Política Internacional, 47(2): 100-130, jul/dez. Brasília. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbpi/v47n2/v47n2a04.pdf.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, 2(3): 3-15. Rio de Janeiro. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2278.

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, 5(10): 200-215. Rio de Janeiro. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941/1080.

Rosenstone, R. (2010). A História nos filmes, os filmes na História (trad. M. Lino). São Paulo: Paz e Terra.

Spann, M. (2013). The comparative episteme, temporal categorisations and epistemological collisions: representations of development in Werner Herzog’s Where the green ants dream. Journal of Media Arts Culture, 10(1). Disponível em: http://scan.net.au/scn/journal/vol10number1/Michael-Spann.html.

Spivak. G. (2010). Pode o subalterno falar? (trad. S. Almeida, M. Feitosa & A. Feitosa). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Filmografia

Onde sonham as formigas verdes (1984), de Werner Herzog. Disponível em: www.youtube.com/watch?v=qfCELnf59Uk.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: