O curso de cinema de Arne Sucksdorff no Brasil

Esther Hamburger

Resumo


Esse artigo discute o curso de cinema ministrado pelo cineasta sueco Arne
Sucksdorff entre novembro de 1962 e março de 1963 no Rio de Janeiro, a convite da UNESCO e do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Essa experiência envolve o primeiro equipamento Nagra de captação de som direto a chegar ao país e relações tensas entre um mestre estrangeiro premiado, autor de um cinema difícil de classificar, e seus jovens alunos engajados que contribuíram para o cinema por vir.


Palavras-chave


documentário; educação; cinema sueco; cinema brasileiro

Texto Completo:

PDF

Referências


AA.VV. (1956). El documental plastico de Arne Sucksdorff. Gente de cine, 41(2).

Anderson, L. (2010). A History of Swedish Experimental Film Culture: From Early Animation to Video Art. Stockholm: National Library of Sweden.

Araújo, L. (2013). Joaquim Pedro de Andrade: Primeiros Tempos. São Paulo: Alameda.

Baecque, A. (2010). Cinefilia. São Paulo: Cosac Naify.

Barnouw, E. (1993 [1974]). Documentary, a history of the non fiction film. New York, Oxford: Oxford University Press.

Bazin, A. (1958). Cannes 1958, premiére. Cahier du cinéma, (34).

Borges, L. (2008). Mito do cinema em Mato Grosso: Arne Sucksdorff. Cuiabá: Entrelinhas.

Carrilho, A. (2003). O cinema brasileiro e a missão Sucksdorff. Revista de Cinema, 41(44).

Carrilho, A. (s.d.). O cinema brasileiro e a missão Sucksdorff.

Cowie, P. (s.d.). The short film and Arne Sucksdorf. Screen, Series Sweden 2A, 87.

De la Roche, C. (1953). Arne Sucksdorff’a adventure. Sight and Sound, (23): 83-86.

Druick, Z.; Williams, D. & British Film Institute (2014). The Grierson effect: tracing documentary’s international movement. Cultural histories of cinema, (xii). London: BFI.

Dumont, J. & Fléchet, A. (2014). “Pelo que é nosso!”: a diplomacia cultural brasileira no século XX, Brazilian Cultural Diplomacy in the Twentieth Century. Revista Brasileira de História, (34): 203-221.

Durovicová, N. & Newman, K. (2010). World cinemas, transnational perspectives. New York: Routledge.

Escorel, E. (2012). Arne Sucksdorff – o que poderia ter sido, em 9 partes. Revista Piauí. http://revistapiaui.estadao.com.br/blogs/questoes-cinematog

raficas//geral/missao-sucksdorff-o-que-poderia-ter-sido (acesso em 15/1/2013).

Fabris, M. (1994). Nelson Pereira dos Santos: um olhar neo-realista?. São Paulo: Edusp.

Guimarães, C. (2008). A introdução do som direto no cinema documentário brasileiro na década de 1960. Departamento de Cinema, Rádio e Televisão. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Hamburger, E. (1955). Nature on film Sucksdorff’s the Great Adventure shows outdoors beauty and moods. The New York Times. Sunday May 29th:2.

Hardy, F. (1948). The Films of Arne Sucksdorff. Sight and Sound, (17): 60-64.

Knight, A. (1979 [1971, 1948]). Sweden’s Arne Sucksdorff. In L. Jacobs (ed.), The Documentary Tradition (pp. 233-235). New York, London: Norton.

Kracauer, S. (1960). Film Theory. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.

Leal, H. (2008). O Homem da Montanha, Orlando Senna.

Lopez, A. (1990). An "Other"History: the New Latin American Cinema. In R. Musser (ed.), Resisting Histories: Essays on Cinema and History (pp. 308-330). Philadelphia: Temple University Press.

Marques, B. (2014). A herança natural do mito original: Arne Scksdorff, natureza, e vida selvagem. Instituto de Arte de Comunicação Social. Niterói, RJ: Universidade Federal Fluminense.

Mestman, M. (2012). From Italian Neorealism to new Latin American Cinema. In R. Sklar (ed.), Global Neorealism: the transnational history of a film style (pp. 163-177). Jackson: University of Mississipi Press.

Neves, D. (1966). O Cinema Nôvo no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Pederson, W. (1957). El Mundo de Arne Sucksdorff. Cinema Universitário, (6): 9-14.

Ramos, C. (2009). Caravana Farkas e a crise do modelo sociológico. Dissertação de Mestrado, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo.

Ramos, F. (2008). Mas Afinal, o que é mesmo o documentário?. São Paulo: SENAC.

Ribeiro, L. (1962/63). Notas do Curso Sucksdorff. Cinemateca Brasileira. ARLB-ESC.

Rocha, G. (2004 [1963]). Revolução do Cinema Novo. São Paulo: Cosac Naify.

Sklar, R. (2012). Global Neorealism: The transnational history of a film style. Jackson: University of Mississipi Press.

Stam, R. (2019). Transnational cinema, global media: towards a transdisciplinary commons. London: Routledge.

Sucksdorff, A. (1951). Gryning, Strövtag med filmkamera. Stockholm: Nordisk Rotogravyr.

Xavier, I. (2003). O olhar e a cena. São Paulo: Cosac & Naify.

Xavier, I. (2016 [1978]). Sétima arte, um culto moderno: o idealismo estético e o cinema. São Paulo: Edições Sesc.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: