Filme-ensaio e formas de inscrição da subjetividade

Francisco Elinaldo Teixeira

Resumo


A inscrição da subjetividade do ensaísta nos processos de criação do filme-ensaio constitui um traço essencial de sua prática. Dois modos ganharam relevo e se intensificaram na contemporaneidade: sua presença em corpo na imagem visual e sua presença em voz na imagem sonora, muitas vezes com a simultaneidade de ambos os modos. Mas há um terceiro modo dessa inscrição em que sua presença se virtualiza, atualizando-se na criação de "intercessores”/”personagens conceituais”/”figuras estéticas".


Palavras-chave


filme-ensaio; inscrição da subjetividade; intercessores; personagens conceituais; figuras estéticas

Texto Completo:

PDF

Referências


Bellour, R. (1984 [1997]). Entre-Imagens: Foto, cinema vídeo. Campinas: Papirus.

Campos, H. (s.d.). Galáxias. São Paulo: Ex Libris.

Deleuze, G. (1990). A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense.

Deleuze, G. & Guatarri, F. (1992). O que é filosofia?. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Foucault, M. (1984). História da sexualidade III: O cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal.

Youngblood, G. (2012). Cine expandido. Argentina: EDUNTREF.

Lispector, C. (1978). A paixão segundo GH. Interior Produções, ano 72, n. 6, ago.

Omar, A. (1978). O anti-documentário, provisoriamente. Revista de Cultura Vozes, ano 72, (6), ago. Rio de Janeiro.

Teixeira, F. (2015). O ensaio no cinema: formação de um quarto domínio das imagens na cultura audiovisual contemporânea. São Paulo: Hucitec.

Veloso, C. (2005). Entrevista nos extras do DVD do filme O cinema falado.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: