Um olhar sobre as aparições de Fidel Castro e Che Guevara em O fundo do ar é vermelho, de Chris Marker

Julia Fagioli

Resumo


O que propomos para este artigo é uma análise de trechos d’O fundo do ar é vermelho, particularmente aqueles em que assumem o protagonismo Fidel Castro e Che Guevara, revelando sua importância no contexto dos anos 1960 e 1970. No filme, que tem como marco central os acontecimentos de 1968, Chris Marker confere grande importância ao contexto latino-americano, particularmente no que diz respeito às relações entre a guerrilha e os movimentos anti-imperialistas ao redor do mundo.


Palavras-chave


O fundo do ar é vermelho, Chris Marker, Fidel Castro, Che Guevara, cinema militante

Texto Completo:

PDF

Referências


Bazin, A. (1958). Carta da Sibéria. Texto traduzido por Mário Alves Coutinho. Publicado pela primeira vez na revista France-Observateur.

Christofoletti, P. (2011). América em transe: cinema e revolução na América Latina (1965-1972). Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Fernandes, F. (1979). Da guerrilha ao socialismo: a revolução cubana. São Paulo: T. A. Queiroz.

Giraud, F. (2013). Le fond de l’air est rouge de Chris Marker (1977) – Analyse et critique dufilm. DVD Classik: Critique de film. Disponível em: www.dvdclassik.com/critique/le-fond-de-l-air-est-rouge-marker.

Lindeperg, S. (2010). Imagens de arquivos: imbricamento de olhares. Entrevista concedida a Jean-Louis Comolli. Catálogo Forum.doc. Belo Horizonte: Filmes de quintal.

Lupton, C. (2005). Chris Marker: Memories of the future. Londres: Reaktion Books.

Mondzain, M. (2013). Imagem, ícone, economia. As fontes bizantinas do imaginário contemporâneo. Rio de Janeiro: Contraponto.

Perron, T. & Roudé, C. (2014). A propos de “Le fond de l’air est rouge” de 1973 à 2008. Patrimoine: Chris Marker. Disponível em: www.peripherie.asso.fr/patrimoine-chris-marker/propos-de-le-fond-de-l-air-est-rouge-de-1973-2008.

Rancière, J. (2012). O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto.

Rancière, J. (2013). A ficção documentária: Marker e a ficção da memória. In J. Rancière, A fábula cinematográfica. Campinas: Papirus.

Filmografia

Cuba sí! (1961), de Chris Marker.

La bataille des dix millions (1970), de Chris Marker.

O fundo do ar é vermelho (DVD, 2008), de Chris Marker.

On vous parle Du Chili: Ce que disait Allende (1973), de Miguel Littín e Chris Marker.

Sem Sol (1983), de Chris Marker.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: