Camadas de autoria e de montagem em Memórias retomadas e Morar na ‘Casa do Povo’

João Martinho Braga de Mendonça, Josep Segarra

Resumo


Este ensaio visa discutir a questão da autoria em documentários produzidos
em contextos de pesquisas antropológicas. Os vídeos Morar na ’Casa do Povo’ (2016) e Memórias retomadas: Cacique Vado (2015) são considerados a partir da experiência de pesquisa de seus realizadores, numa tentativa de explorar conexões entre discussões críticas acerca de etnografia, autoria e antropologia audiovisual.


Palavras-chave


etnografia; audiovisual; autoria; camadas; montagem; filme etnográfico

Texto Completo:

PDF

Referências


Alvim, L. (2018). Voz over e colagens musicais em documentários ensaísticos de Chris Marker e Agnès Varda da época da Nouvelle Vague. Doc Online, (24): 60-79, setembro. www.doc.ubi.pt.

Ameida, S. (2010). Prefácio – Apresentando Spivak. In G. Spivak, Pode o subalterno falar? (pp. 7-18). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Araújo Silva, M. (org.) (2010). Jean Rouch: retrospectivas e colóquios no Brasil/2009. Belo Horizonte: Balafon.

Araújo, M. (2017). Ecologia doméstica e transação de conhecimento entre grupos domésticos potiguara da aldeia Jaraguá de Monte-Mór, PB. João Pessoa: Dissertação de Mestrado, PPGA/Universidade Federal da Paraíba.

Banks, M. (2009). Dados visuais para pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Caldeira, T. (1988) A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia. Novos Estudos, (21), julho.

Chiozzi, P. (ed.) (1993). Yearbook of Visual Anthropology, vol. 1. Firenze: Angelo Pontecorboli.

Clifford, J. (1998). Sobre a autoridade etnográfica. In J. Clifford, A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX (pp. 17-57). Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Clifford, J. & Marcus, G. (1984). Writing culture: the poetics and politics of ethnography. Berkeley: Universtiy of California Press.

Eckert, C. & Rocha, A. (2016). Antropologia da Imagem no Brasil: experiências fundacionais para a construção de uma comunidade interpretativa. Revista Iluminuras, 17(41): 277-297. UFRGS.

Fassin, D. (2011). Uma trajetória antropológica: entrevista com Didier Fassin. por Pedro Jaime e Ari Lima. Horizontes Antropológicos, ano 17 (36): 257-279. Porto Alegre.

Fassin, D. (2013). Why ethnography matters: on anthropology and its publics. Cultural Anthropology, 28(4): 621-46.

France, C. (1998). Cinema e antropologia. Campinas: Unicamp.

Freire, M. (2011). Documentário: ética, estética e formas de representação. São Paulo: Annablume.

Geertz, C. (1978). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Geertz, C. (2005 [1988]). Obras e vidas. O antropólogo como autor. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Gonçalves, J. (1998). Apresentação. In J. Clifford, A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX (pp. 7-16). Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Gonçalves, M. (2008). O real imaginado: etnografia, cinema e surrealismo em Jean Rouch. Rio de Janeiro: Topbooks.

Henley, P. (2009). Da negação: autoria e realização do filme etnográfico. In A. Barbosa, et al. (orgs.), Imagem-conhecimento: antropologia, cinema e outros diálogos (pp. 101-126). Campinas, SP: Papirus.

Hockings, P. (ed.) (1975). Principes of visual anthropology. The Hague: Mouton Publishers.

Jacknis, I. (1988) Margaret Mead and Gregory Bateson in Bali: their use of photography and film. Cultural Anthropology, may, 3(4): 160-177.

Kopper, M. (2014). Nos limites da intervenção: a antropologia crítica de Didier Fassin. Mana, 20(2): 355-370. Rio de Janeiro.

Latour, B. (1996). Petite réflexion sur le culte moderne des dieux Faitiches. Paris: Les Empêcheurs de penser en rond.

Latour, B. (2015). Faturas/Fraturas: da noção de rede à noção de vínculo. ILHA, ago/dez, 17(2): 123-146.

MacDougall, D. (1997). De quem é essa história?. Cadernos de Antropologia e Imagem, 2(5): 93-105. UERJ/Rio de Janeiro.

Marcus, G. (1991). Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final do século XX ao nível mundial. Revista de Antropologia, (34): 197-221. São Paulo, USP.

Marcus, G. (1994). The modernist sensibility in recent ethnographic writing and the cinematic metaphor of montage. In L. Taylor (ed.), Visualizing theory, selected essays from V.A.R. 1990-1994 (pp. 37-53). New York e London: Routledge.

Marcus, G. & Cushman, D. (1982). Ethnographies as texts. Annual Review of Anthropology, (11): 25-69.

Marcus, G. & Fischer, M. (1986). Anthropology as cultural critique: an experimental moment in the human sciences. Chicago: University of Chicago Press.

Mattos, C. (2010). Um filme de... Argumentos e estratégias para uma política do roteirista-autor. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado, PPGCC/Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Mead, M. (1975). Visual Anthropology in a discipline of words. In P. Hockings (org.), Principles of visual anthropology (pp. 3-10). The Hague: Mouton, publishers.

Mead, M. & Bateson, G. (1942). Balinese Character. A Photographic Analysis, vol. 2. New York: Special Publications of New York Academy of Sciences.

Mead, M. & Heyman, K. (1965). Family. New York: The Macmillan Company.

Mead, M. & Heyman, K. (1975). World Enough. Rethinking the Future. Boston: Little, Brown & Cia.

Mead, M. & MacGregor, F. (1951). Growth and Culture. A Photographic Study of Balinese Childhood. New York: Putnam.

Mendonça, J. (2006). O uso da câmera nas pesquisas de campo de Margaret Mead. Cadernos de Antropologia e Imagem, 1(22): 57-73. UERJ/Rio de Janeiro.

Mendonça, J. (2014). Pesquisa fotográfica e fílmica no Litoral Norte da Paraíba. In A. Ferraz & J. Mendonça (orgs.), Antropologia visual: perspectivas de ensino e pesquisa (pp. 439-470), (e-book). Brasília/DF: ABA. Disponível em: www.cchla.ufpb.br/ppga/?page_id=51

Mendonça, J. (2016). Vozes e silêncios: apontamentos sobre reflexividade em Filmes Etnográficos. GIS – Gesto, Imagem E Som – Revista De Antropologia, 1(1). Disponível em: www.revistas.usp.br/gis/article/view/116356

Mendonça, J. (2017) Acervos, memórias e antropologia visual: notas sobre a análise de imagens e edição no vídeo memórias retomadas. Revista Maguaré, 31(2): 61-95.

Nicholls, B. (2005). Introdução ao documentário. Campinas: Papirus.

Piault, M. (2007). Um cinema-espelho? Por uma realidade partilhada. In M. Grossi, et al. (orgs.), Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas (pp. 205-210). Blumenau: Nova Letra.

Rouch, J. (1975). The camera and man. In P. Hockings (ed.), Principes of visual anthropology (pp. 83-102). The Hague: Mouton Publishers.

Rouch, J. (2000). O comentário improvisado “na imagem”: entrevista com Jean Rouch. In C. France (org.), Do filme etnográfico à antropologia fílmica (pp. 125-129). Campinas: Unicamp.

Samain, E. (2004). Balinese Character (re)visitado. Uma introdução à obra visual de Gregory Bateson e Margaret Mead. In A. Alves, Os Argonautas do Mangue (pp. 15-72). Campinas: Unicamp/ Imprensa Oficial.

Samain, E. (2005). Antropologia Visual e fotografia no Brasil: vinte anos e muitos mais. Cadernos de Antropologia e Imagem, 2(21): 115-132. UERJ/Rio de Janeiro.

Segarra, J. (2015). “Paz entre nós, guerra aos senhores!”: uma etnografia sobre o Bloco de Lutas pelo Transporte Público e a ocupação da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Dissertação de Mestrado, PPGAS/UFRGS Porto Alegre.

Souza, M. & Silva, T. (2018). Potiguara: um povo de memórias. João Pessoa: Trabalho de Conclusão de Curso, Comunicação em Mídias Digitais, Universidade Federal da Paraíba.

Spivak, G. (2010). Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Stoller, P. (2005). A respeito de Rouch: reinterpretando a cultura colonial da África Ocidental. Cadernos de Antropologia e Imagem, 2(21): 97-112. UERJ/Rio de Janeiro.

Trajano Filho, W. & Ribeiro, G. (orgs.) (2004). O campo da antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: Contra Capa/ABA.

Wagner, R. (2017). A invenção das culturas. São Paulo: Ubu.

Filmografia

Character formation in different cultures:

A Balinese Family (1951), de Margaret Mead e Gregory Bateson. Bathing Babies in Three Cultures (1954), de Margaret Mead e Gregory Bateson.

Childhood Rivalry in Bali and New Guinea (1954), de M. Mead e Gregory Bateson.

First Days in the Life of a New Guinea Baby (1952), de M. Mead e Gregory Bateson.

Karba’s First Years (1952), de Margaret Mead e Gregory Bateson.

Trance and Dance in Bali (1952), de Margaret Mead, Gregory Bateson e Jane Belo.

Learning to Dance in Bali (1978), de Margaret Mead, Gregory Bateson e Jane Belo.

Jaguar (1954/1967), de Jean Rouch.

Margaret Mead: a portrait by a friend (1977), de Jean Rouch.

Margaret Mead’s New Guinea Journal (1969) de Margaret Mead e Craig Gilbert.

Memórias retomadas (2015), do Coletivo AVAEDOC, João Mendonça e Tamara Rodrigues.

Moi, un noir (1958), de Jean Rouch.

Morar na “casa do povo” (2016), de Josep Segarra.

Prèmiere film (1947/1991), de Jean Rouch.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: