O Brasil de Pierre Kast e a rede de sociabilidades na realização da série Carnets Brésiliens

Alessandra Souza Melett Brum

Resumo


O cineasta Pierre Kast realizou, em 1966, um documentário em série sobre o Brasil, para a Televisão Pública Francesa (ORTF), intitulado Carnets brésiliens. O documentário foi dividido em quatro partes e exibido na televisão francesa entre janeiro e março de 1968. Este artigo traça considerações sobre as escolhas e os recortes temáticos que o cineasta francês fez para construir a imagem do Brasil, tendo em perspectiva a sua rede de sociabilidades.


Palavras-chave


Carnets brésiliens; Pierre Kast; documentário; sociabilidades

Texto Completo:

PDF

Referências


Amancio, T. (2000). O Brasil dos gringos: imagens no cinema. Niterói: Intertexto.

Anônimo (1966). Pierre Kast chega hoje para começar as filmagens de Carnets Brésiliens. Jornal do Brasil, (10): 10.

Anônimo (1966). Pierre Kast filma o Brasil para mostrar a franceses uma cultura que floresce. Jornal do Brasil, (12): 10.

Arbois, J. (1968, jan. 12). Voyage: carnets brésiliens. Le Monde, Paris.

Association de capoeira Palmares de Paris (s/data). Pierre Kast: Carnets Brésiliens. Disponível em: www.capoeira-palmares.fr/histor/kast_fr.htm.

Baechler, J. (1995). Grupos e sociabilidade. In R. Boudon (ed.), Tratado de sociologia (pp. 65-106). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Bizzo, M. (2009). Ação política e pensamento social em Josué de Castro. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum, 4(3): 401-420. Belém.

Bizzo, M. & Lima, N. (2010). O projeto civilizatório nacional do Instituto de Nutrição da Universidade do Brasil (1946-1960). Perspectivas, (37): 191-209. São Paulo.

Bosi, A. (1992). Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras.

Coelho, F. (2010). Eu, brasileiro, confesso minha culpa e meu pecado: cultura marginal no Brasil das décadas de 1960 e 1970. São Paulo: Civilização Brasileira.

Conseil Supérieur de L’audiovisuel (s.d.). Comment la télévision est-elle passée du noir et blanc à la couleur?. Disponível em: http://clesdelaudiovisuel.fr/Connaitre/Histoire-de-l-audiovisuel/Comment-la-television-est-ellepassee-

du-noir-et-blanc-a-la-couleur.

Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira (s.d.). Clube de Jazz e Bossa. Disponível em: http://dicionariompb.com.br/clube-de-jazz-ebossa/dados-artistico.

Diegues, C. (2014). Vida de cinema: antes, durante e depois do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Objetiva.

Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura (s.d.). Mario Cravo Júnior. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa5514/mario-cravo

-junior.

Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura (s/data). Mestre Didi. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21953/mestre-didi.

Farkas, T. (2006). Notas de viagem. São Paulo: Cosac e Naif.

Franco, S. (2011). Relatos de viagem: reflexões sobre o seu uso como fonte documental. In M. Junqueira & S. Franco. (ed.), Cadernos de Seminários de Pesquisa (pp. 62-86), vol. II. São Paulo: USP-FFLCH-Editora Humanitas.

Kast, P. (2014). Écrits 1945-1983. P. Deleau (ed.). Paris: L’Harmattan.

Kühner, M. & Rocha, H. (2001). Opinião. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Prefeitura.

Maria, L. (1966). Pierre Kast jantou sábado na casa de Jorge Guinle. Jornal do Brasil, (15): 3.

Maria, L. (1966a). Helena Costa é o par constante do cineasta francês Pierre Kast que ora nos visita.l Jornal do Brasil, (03): 3.

Lins, C. (2006). A voz, o ensaio fílmico e o outro. In Retrospectiva de Agnès Varda: o movimento perpétuo do olhar (pp. 34-36). Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília: CCBB.

Lucas, M. (2012). Caravana Farkas. Itinerários do documentário brasileiro. São Paulo: Annablume.

Machado, A. (2006). O filme-ensaio. Revista Intermídias, 2(5 e 6): 1-24. Serra.

Moura, M. & Marcolin, N. (s.d.). Thomaz Farkas, otimista e delirante, mas nem tanto. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/u

ploads/2007/01/12a21-entrevista-131.pdf?ab55e7.

Napolitano, M. (2016). 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto.

Oliveira, J. (1966). Fernanda Borges e o Menino Sorriso. Jornal do Brasil, (21): 3.

Ramos, F. (2008). Mas afinal... o que é mesmo documentário?. São Paulo: Editora Senac.

Ridenti, M. (2014). Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. São Paulo: Ed. Unesp.

Rocha, G. (1997). Cartas ao mundo. In I. Bentes (ed.). São Paulo: Companhia das Letras.

Rocha, G. (1963). Revisão crítica do cinema brasileiro. Rio de janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A.

Rodrigues, J. (2001). O negro brasileiro e o cinema. Rio de Janeiro: Pallas.

Salen, H. (1996). Nelson Pereira dos Santos: o sonho possível do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Record.

Salgueiro, V. (2002). Grand Tour: uma contribuição à história do viajar por prazer e por amor à cultura. Revista Brasileira de História, 22(44): 289-310, São Paulo.

Schwarcz, L. (2012). Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro Enigma.

Shoat, E. & Stam, R. (2006). Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify.

Simmel, G. (2006). Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

Sinsolo, N. (2013). Dictionnaire de la Nouvelle Vague. Paris: Flammarion.

Stam, R. (2008). Multiculturalismo tropical. São Paulo: Edusp.

Filmografia

L’ Amazonie, Belem, Manaus, le Nordeste, le cinéma brésilien (1968), de Pierre Kast.

L’ Architecture baroque des Minas Geraes, Brasilia, Sao Paulo (1968), de Pierre Kast.

Bahia (1968), de Pierre Kast.

Rio de Janeiro (1968), de Pierre Kast.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: