“Cada comprimido é uma reivindicação de posse”: ativismo e identidade no documentário Meu Corpo é Político

João Gabriel Maracci, Sofia Favero, Paula Sandrine Machado

Resumo


O artigo analisa como o documentário Meu corpo é político performa um modo específico de ativismo e de ação política. Investiga-se o enquadramento do filme a respeito da política, do corpo e da separação entre os planos público e privado, considerando que a abordagem contrapõe o enquadre usual da transexualidade, mas que opera sobre essa categoria a partir de um critério de veridicção pautado pelo ativismo.


Palavras-chave


corpo, política, ativismo, transexualidade, documentário

Texto Completo:

PDF

Referências


Aberd, R. & Bulow, M. (2011). Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre estado e sociedade?. Sociologias, 13(28): 52-84.

American Psychiatry Association (2013). DSM-V: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 5a edição. Washington: American Psychiatric Association.

Arendt, H. (2014). A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bento, B. (2006). A (re)invenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond / CLAM.

Butler, J. (2011). Violencia de estado, guerra, resistencia. Por una nueva política de la izquierda. Madrid: Katz Ediciones.

Butler, J. (2015). Quadros de Guerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Butler, J. (2018). Corpos em Aliança e a Política das Ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Foucault, M. (1999). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau.

Foucault, M. (1997). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Jesus, J. (2015). Homofobia: identificar e prevenir. 1 ed. Rio de Janeiro: Metanoia.

Lima, S.; Machado, P. & Pereira, P. (2017). (Des)encontros no hospital: itinerário terapêutico de uma experiência intersexo. Cad. Pagu, (49), e174916. Campinas.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica. São Paulo: n-1 edições.

Machado, J. A. (2007). Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas para os movimentos sociais. Sociologias, (18): 248-285.

Oliveira, A. (2014). Os homens transexuais brasileiro, e o discurso pela (des) patologização da transexualidade. In J. G. Jesus (org), Transfeminismo: teorias & práticas. Rio de Janeiro: Metanoia.

Organização Mundial da Saúde (1997). CID-10: Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10a rev. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Prado, M. (2018). Ambulare. Belo Horizonte (MG): PPGCOM UFMG.

Rodrigues, L. R. A. (2018) Do encontro previsível à cena revigorada – a entrevista no documentário contemporâneo (parte 2). Doc On-Line, (23): 77-104.

Salles, J. M. (2005). A dificuldade do documentário. In J. S. Martins, C. Eckert & S. Caiuby Novaes, O imaginário e o poético nas Ciências Sociais (pp. 57-71). Bauru: EDUSC.

Filmografia

Meu Corpo é Político (2017), de Alice Riff.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: