Ensaio fílmico, eterno devir: projeto de filme inacabado e de um cinema futuro

Gabriela Machado Ramos de Almeida

Resumo


O artigo apresenta uma discussão de caráter teórico sobre a constituição de um campo de estudos para o cinema de ensaio. A partir de um levantamento que identifica um devir-ensaio na prática e nas Teorias do Cinema desde a década de 1940, o trabalho mapeia também os estudos recentes mais relevantes para a efetiva constituição do filme-ensaio como forma autônoma ou “quarto domínio do cinema” (TEIXEIRA, 2015). Por fim, é apresentada uma noção de ensaio fílmico que dialoga com as contribuições de autores como Català (2005 e 2014) e Corrigan (2015).


Palavras-chave


Ensaio fílmico; Cinema de não-ficção; Teorias do Cinema

Texto Completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. (2008). O Ensaio como Forma. São Paulo: Editora 34.

ARTHUR, P. (2003). Essay questions: from Alain Resnais to Michael Moore. Film Comment, 1(39), 58-62. Nova Iorque. Disponível em: http://artsites.ucsc.edu/faculty/gustafson/film%20223/ArthurEssayQuestions.pdf. Acesso em: 25 mai. 2018.

ASTRUC, A (2010). Nacimiento de una nueva vanguardia: la ‘Caméra-stylo’. In: RAMIÓ, J; THEVENET, H (org.). Textos y Manifiestos del Cine: Estética. Escuelas. Movimientos. Disciplinas. Innovaciones (pp. 220-224). Madrid: Ediciones Cátedra.

BLÜMINGER, C; WULFF, C (org.). (1992). Schreiben Bilder Sprechen: Texte zum essayistischen film. Vienna: Sonderzahl.

BURCH, N. (2008). Práxis do Cinema. São Paulo: Perspectiva.

CATALÀ, J. (2005). Film-ensayo y vanguardia. In: TORREIRO, C; CERDÁN, J (org.). Documental y vanguardia (pp. 109-158). Madrid: Ediciones Catédra

CATALÀ, J. (2012). A estética como ato político. Entrevista a Gabriela Almeida e Jamer Mello. Em Questão (UFRGS, Online), 2(18), 15-24. Porto Alegre. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/36413/24242. Acesso em: 18 mai. 2018.

CATALÀ, J. (2014). Estética del ensayo: la forma ensayo, de Montaigne a Godard. Valência: Universitat de València.

CORRIGAN, T. (2015). O filme ensaio: desde Montainge e depois de Marker. Campinas: Papirus.

FELDMAN, I. (2012). Jogos de cena: ensaios sobre o documentário brasileiro contemporâneo. São Paulo: Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

GERVAISEAU, H. (2015). Escrituras e figurações do ensaio. In: TEIXEIRA, F. E. (org.). O ensaio no cinema: formação de um quarto domínio das imagens na cultura audiovisual contemporânea (pp. 92-118). São Paulo: HUCITEC.

HISSA, C; MELO, C. (2011). Sobre o ensaio. In: HISSA, C (org.). Conversações: de artes e de ciências (pp. 251-275). Belo Horizonte: Editora UFMG.

LIANDRAT-GUIGUES, S; GAGNEBIN, M (org.). (2004). L’essai et le cinéma. Seyssel: Éditions Champ Vallon.

LINS, C; MESQUITA, C. (2008a). Aspectos do documentário brasileiro contemporâneo (1999-2007). In: BAPTISTA, M; MASCARELLO, F. Cinema mundial contemporâneo (pp. 157-175). Campinas: Papirus.

LINS, C; MESQUITA, C. (2008b). Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Zahar.

LOPATE, P. (1996). In Search of the Centaur: The Essay Film. In: WARREN, C. Beyond Document: Essays on Nonfiction Film. Middletown: Wesleyan University Press (pp. 243-269).

LUKÁCS, G. (1974). Soul and Form. Cambridge: MIT Press.

MONTAIGNE, M. (2016). Ensaios: edição integral. São Paulo: Editora 34.

MOURE, J. (2004). “Essai de définition de l’essai au cinéma”. In: LIANDRAT-GUIGUES, S; GAGNEBIN, M (org.). Le essai et le cinéma (pp.25-40). Seyssel: Éditions Champ Vallon.

NICHOLS, B. (2005). A voz do documentário. In: RAMOS, F. (org.). Teoria contemporânea do cinema, volume II: Documentário e narratividade ficcional (pp. 47-67). São Paulo: Senac.

RASCAROLLI, L. (2008). The Essay Film: Problems, Definitions, Textual Commitments. Framework: The Journal of Cinema and Media, 2(49), 24-47. Detroit. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/41552525. Acesso em: 12 mai. 2018.

RASCAROLLI, L. (2009). The Personal Camera: subjective cinema and the essay film. London: Wallflower Press.

REBELLO, P. (2012). O documentário sob o risco do ensaio: subjetividade, liberdade e montagem. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

RENOV, M. (2005). Investigando o sujeito: uma introdução. In: LABAKI, Amir; MOURÃO, M. D. (org.). O Cinema do Real (pp. 234-257). São Paulo: Cosac Naify.

RICHTER, H. (2007). El ensayo fílmico. Una nueva forma de la película documental. In: WEINRICHTER, A (org.). La forma que piensa. Tentativas en torno al cine-ensayo (pp. 186-189). Pamplona: Gobierno de Navarra, colección Punto de Vista.

TEIXEIRA, F.E. (org.). (2015). O ensaio no cinema: formação de um quarto domínio das imagens na cultura audiovisual contemporânea. São Paulo: HUCITEC.

WEINRICHTER, A (org.). (2007). La forma que piensa. Tentativas en torno al cine-ensayo. Gob. de Navarra, colecc. Pamplona: Punto de Vista.

XAVIER, I. (2014). A teatralidade como vetor do ensaio fílmico no documentário brasileiro contemporâneo. Revista Aniki, 1(1), pp. 33-48. Lisboa. Disponível em: http://aim.org.pt/ojs/index.php/revista/article/view/52/html. Acesso em: 10 mai. 2018.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: