Imagens das classes média e alta na história do cinema documentário brasileiro

Thales Vilela Lelo

Resumo


Ao longo da história do cinema documentário no Brasil as classes média e alta da sociedade figuraram ou foram tema de filmes em circunstâncias bastante pontuais, haja vista a forte tendência da produção no país em centrar-se no “outro de classe”. O objetivo deste artigo é identificar as principais formas de inscrição dessas camadas sociais na cinematografia nacional no período de 1967 a 2012.

Palavras-chave


história do cinema; documentário brasileiro; classes sociais; narrativas.

Texto Completo:

PDF

Referências


Bernardet, J-C. (2003). Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras.

Brasil, A. (2010). Pacific: o navio, a dobra do filme. Devires, 7 (2) 56-69.

Brasil, A. (2013). Formas do antecampo: performatividade no documentário brasileiro contemporâneo. Famecos, 20 (3) 578-602.

Comolli, J-L. (1995). ¿Mi enemigo preferido? Cuadernos de cine documental, 2 44-51.

Comolli, J-L. (2008). Ver e poder – A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora Ufmg.

Diário, E. (2014). Gabriel Mascaro fala sobre seus filmes. Disponível em: http://www.esquerdadiario.com.br/spip.php?page=gacetilla­articulo&id_article=89, Acesso em 27 out. 2017.

França, A.; Habert, A.; Pereira, M. (2011). Dispor e recompor: o documentário sob o gesto da montagem. Devires, 8 (2) 94-109.

Feldman, I. (2012). “Um filme de”: dinâmicas de inclusão do olhar do outro na cena documental. Devires, 9 (1) 50-65.

Feldman, I. (2014). O fracasso como produção: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. In: Duncker, C.; Rodrigues, A. (Orgs.). Cinema e psicanálise (pp.145-164). São Paulo: nVersos.

Figuerôa, A., Bezerra, C.; Fechine, Y. (2003). O documentário como encontro: entrevista com o cineasta Eduardo Coutinho. Galáxia, 6 213-229.

Frochtengarten, F. (2009). A entrevista como método: uma conversa com Eduardo Coutinho. Psicologia USP, 20 (1) 125-138.

Guimarães, C. (2010). Comum, ordinário, popular: figuras da alteridade no documentário brasileiro contemporâneo. In: Migliorin, C. (Org.) Ensaios no real (pp.181-197). Rio de Janeiro: Beco do Azougue.

Guimarães, V. (2013). Conversa com Gabriel Mascaro e Marcelo Pedroso. Disponível em: http://revistacinetica.com.br/home/conversa­com­gabriel­mascaro­e­marcelo­pedroso/, Acesso em 27 out. 2017.

Lins, C. (2004). O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lins, C.; Mesquita, C. (2008). Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Mattos, C. (2003). Eduardo Coutinho: o homem que caiu na real. Portugal: Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira.

Mesquita, C. (2010). Retratos em diálogo: notas sobre o documentário brasileiro recente. Novos Estudos CEBRAP, 86 104-119.

Mesquita, C.; Souto, M. (2009) Doméstica: retrato, ponto de vista e posições de classe no cinema documental. In: Veiga, R.; Guimarães, C.; Maia, C. (Orgs.). Limiar e partilha: uma experiência com filmes brasileiros (pp.38-71). Belo Horizonte: PPGCOM Ufmg.

Nichols, B. (1983). The voice of documentary. Film Quarterly, 36 (3) 17-30.

Oricchio, L. (2009). Santiago: uma entrevista com João Moreira Salles. Disponível em: http://cultura.estadao.com.br/blogs/luiz-zanin/title-519/, Acesso em 27 out. 2017.

Ramos, F. (2008). Mas afinal... o que é mesmo documentário? São Paulo: Editora Senac.

Ramos, F. (2014). La mise-en-scène del documental: performance y procedimientos de actuación”. Toma Uno, 3 29-48.

Xavier, I. (2004). Indagações em torno de Eduardo Coutinho e seu diálogo com a tradição moderna. Comunicação e Informação, 7 (2) 180-187.


Apontadores

  • Não há apontadores.



Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: