O cinema etnográfico de António Campos: entre uma abordagem observacional, expositiva e participativa

Bertrand Lira

Resumo


Trataremos aqui da construção da narrativa documental empreendida pelo cineasta português António Campos ao apontar seu aparato fílmico para o mundo histórico, utilizando o conceito de “voz” de Bill Nichols (2005) para se referir aos modos de abordagem do real que cada realizador utiliza na elaboração de um discurso sobre um tema e os sujeitos dessas representações. Na obra documental de Campos, identificamos o uso os modos expositivo, observacional e participativo.


Palavras-chave


Documentário; Narrativa; Estilo; António Campos; Mise-en-scène.

Texto Completo:

PDF

Referências


AREAL, L. (2011). O cinema-directo no período revolucionário português In Tradição e reflexões: contributos para a teoria e estética do documentário. Covilhã, PT. LabCom Books.

DA-RIN, S. (2004).Espelho Partido: tradição e transformação do documentário. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2004.

FREIRE, M. (2011). “Prolegômenos para um entendimento da descrição etnocinematográfica” In Tradição e reflexões: contributos para a teoria e estética do documentário. Covilhã, PT. LabCom Books.

NICHOLS, B. (2005). Introdução ao documentário. Campinas, SP: Papirus.

PENAFRIA, M. (2009). O Paradigma do Documentário: António Campos, Cineasta. Covilhã. Livros LabCom.

RAMOS, F. R. (2008). Mas afinal...o que é mesmo documentário? São Paulo: editora Senac São Paulo.

Filmografia documental

Leiria, 1960 (1960), de António Campos.

A Almadraba Atuneira (1961), de António Campos.

Vilarinho das Furnas (1971), de António Campos.

Falámos de Rio de Onor (1973), de António Campos.

A Festa (1975), de António Campos.

Gente da Praia da Vieira (1975), de António Campos.

Paredes Pintadas da Revolução Portuguesa (1976), de António Campos.

Ex-Votos Portugueses (1977), de António Campos.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: