Currículo cultural e o Documentário: “Minha fortaleza, os filhos de fulano”

Jéssica Gabrielle Giacomin, Simone Thiemi Kishimoto, Cathia Alves

Resumo


Esta investigação analisa o documentário “Minha fortaleza, os filhos de fulano”(2019). Foi abordado questões sobre mães solo, abandono paterno e as manifestações artísticas, dialogando com as bibliografias que atravessam essas temáticas. As histórias são expressas pela ótica dos filhos, que depositam na figura materna a imagem de santa e guerreira. O documentário tenciona a naturalização da sobrecarga que é destinada às mulheres no que tange a proteção e cuidados dos filhos, fatos marcados pela ideologia machista e pelo sistema patriarcal.


Palavras-chave


Currículo; análise fílmica; mães solo; abandono paterno

Referências


Adichie, C. N. (2017). Para educar crianças feministas: um manifesto. São Paulo: Companhia das Letras.

AdoroCinema. https://www.adorocinema.com/filmes/filme-279459/

Alves, C. (2019). Provocações entre currículos e culturas: a ação do profissional do lazer. Conexões: Educ. Fís., Esporte e Saúde, Campinas: SP, v. 17, e019025, p.1-21. https://doi.org/10.20396/conex.v17i0.8655404

Alves, G.; Macedo, F. (2010). Cineclube, cinema e educação. Londrina: Práxis; Bauru: Canal 6.

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade (Feminismos Plurais). São Paulo: Pólen.

Baptista, M. M. (2009). “Estudos culturais: o quê e o como da investigação”, Carnets, Cultures littéraires: nouvelles performances et développement, nº spécial, automne / hiver, pp. 451-461, 2009. < http://carnets.web.ua.pt/>.

Beauvoir, S. (1970). O Segundo Sexo Fatos e Mitos. 4ed. Tradução Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Européia do Livro.

Berti, L.; Oliveira, J. (2021). Incêndio na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, põe mais um acervo cultural no Brasil em risco. El País. São Paulo, 29 de jul. de 2021. https://brasil.elpais.com/brasil/2021-07-29/incendio-na-cinemateca-brasileira-em-sao-paulo-poe-mais-um-acervo-cultural-no-brasil-em-risco.html

Bertine, C. M. S. (2021). Mulheres à frente e por trás das câmeras: uma trajetória de luta pelo seu espaço. Tintura de Amora. ICINE, p. 41-50.

Borges, L. (2020). Mãe solteira não. Mãe solo! Considerações sobre maternidade, conjugalidade e sobrecarga feminina. Direito e sexualidade. Bahia, https://periodicos.ufba.br/index.php/revdirsex/article/view/36872/21118

Bortoline, A. C. S., Oltramari, A.P., Scherdien, C. (2018). Relações de trabalho e cinema: uma análise do filme “Que horas ela volta?” Farol- Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(12), 130-197. file:///C:/Users/Usu%C3%A1rio/Downloads/3874-Texto%20do%20artigo-17898-1-10-20180617.pdf

Brasil. (2006). Lei Maria da Penha. Lei n. 11.340/2006. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Butler, J. (2016). Regulações de Gênero. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 42, p. 249–274. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645122

Butler, J. (2017) Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. 15a. edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Carneiro, S. (2003). Mulheres em movimento. Estudos avançados. 17 (49) https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/9948.

CISNE, M. SANTOS, S. M. M. (2018). Feminismo, Diversidade Sexual e Serviço Social. São Paulo: Cortez.

Crenshaw, K. (2020). Tradução: mapeando as margens: interseccionalidade, políticas identitárias e violência contra mulheres de cor. In: Martins, A. C. ; VERAS, E.F. Corpos em aliança: diálogos interpretativos sobre gênero, raça e sexualidade. Curitiba: Appris, 2020.

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. Trad. CANDIANI, Heci R. São Paulo: Boitempo.

Davis, A. (2018). A liberdade é uma luta constante. Trad. CANDIANI, Heci R. São Paulo: Boitempo.

Giroux, H. (2001). Cultura, política y practica educativa. Barcelona: Grão, Biblioteca de Aula, 2001.

Gomes, C. L; Maia, M. de F. Q. C.; Silva, M. R. C. F.; Gontijo, R. (2016) O cinema como experiência de lazer e as personagens femininas do filme “para minha amada morta”: assimilando valores, desvelando significados. Revista Brasileira de Estudos do Lazer. Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 3-19, mai./ago. https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/530

Gonzales, L. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista ciências sociais hoje. Anpocs, p. 223-244, 1984.

https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5509709/mod_resource/content/0/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais . Tempo Social, 26(1), 61-73. https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100005

Kamita, R. C. (2017). Relações de gênero no cinema: Contestações e resistência. Estudos feministas. Florianópolis, Seção temática, set./dez. 2017. • https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n3p1393

Koller, Silvia H.; Narvaz, M. G. (2006). Famílias e patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa. Psicol. Soc. 18 (1). Abr 2006. https://doi.org/10.1590/S0102-71822006000100007

Lecione, C. (2019). 28,9 milhões de famílias são chefiadas por mulheres. Observatório do terceiro setor. São Paulo, 20 mar de 2019. https://observatorio3setor.org.br/carrossel/289-milhoes-de-familias-no-brasil-sao-chefiadas-por-mulheres/

Leremen, H. S. (2015). Amor e maternidade no Cárcere: Mulheres que têm filhos com homens encarcerados. Dissertação (Mestrado em Psicologia)- Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Lyra, J. Leão, L. S.; Lima, D. C.; Targino P. Crisóstomo, A. & Santos, B. (2018).. Homens e cuidado: uma outra família? In: Acosta, A. R. & Vitale, M. A. F. (Org.). Família: Redes Laços e Políticas Públicas. 7. Ed. São Paulo: Cortez.

Matsunaga, P. S. As representações da mulher no movimento Hip Hop. Psicologia e Sociedade. 108-116, 2008. https://doi.org/10.1590/S0102-71822008000100012

Mendes, L. V. C., & Alves, C. (2019). Currículos e Resistências: “Libertem Ângela Davis e Todos os Presos Políticos”. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(2), 375–398. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.13572

Moreira, L E. & TonelI, M. J. F. (2015). Abandono afetivo: afeto e paternidade em instâncias jurídicas. Psicologia: Ciência e Profissão. 35 (4) p 1257- 1274. https://doi.org/10.1590/1982-3703001442013

Oliveira, J. (2019). Cinema fica mais pobre no Brasil e no Mundo. Streaming e mudança climática explicam isso. El País. São Paulo, 18 de mai. https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/09/cultura/1557432363_203794.html.

Paraiso, M. A. (2010). Currículo e formação profissional em lazer. Isayama, H. F. (org). Lazer em estudo: Currículo e formação profissional. Campinas: Papirus.

Penafria, M. (2009). Análise de filmes – conceitos e metodologias. VI Congresso SOPCOM, Abril. http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-penafria-analise.pdf

PEREZ, F. (2020). Pandemia exclui mães do mercado e força empreendedorismo. nd+. São Paulo, 8 de set. https://ndmais.com.br/economia-brasileira/pandemia-exclui-maes-do-mercado-e-forca-empreendedorismo/

Saffioti, H. (1987). O poder do macho. São Paulo: Moderna.

Saffioti, H. (2001). Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, 16, 115-136. https://www.scielo.br/j/cpa/a/gMVfxYcbKMSHnHNLrqwYhkL/?format=pdf〈=pt

Santos, G. V. (2019). Abandono Paterno e a responsabilidade jurídica. I Congresso de direito contemporâneo. Universidade do Estado de Minas Gerais. Unidade Utuiutaba. https://doity.com.br/anais/congressodireitouemg/trabalho/118995

Silva, T. T. (2013). Currículo e identidade social: territórios contestados. In: SILVA, Tomaz T. (org). Alienígenas na sala de aula Uma introdução aos estudos culturais em educação. 11 ed. Petrópolis: Editora Vozes.

Veiga, A. M. (2017). Gênero e cinema, uma história de teorias e desafios. Estudos feministas. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n3p1355

Vitale, M. A. F. (2018). Avós: velhas e novas figuras da família contemporânea. In: Acosta, A. R. & Vitale, M. A. F. (Org.). Família: Redes Laços e Políticas Públicas. 7. Ed. São Paulo: Cortez.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: