O panteão da terra: relações entre cinema documentário e performances culturais em Orixá Ninu Ilê

Alessandra Regina Gama, Lisandro Nogueira

Resumo


Orixá Ninu Ilê é um filme sobre a arte sacra negra brasileira criada a partir da simbologia dos orixás – Obaluaiyê, Nanã e Oxumarê – o panteão da terra. O documentário fundamenta a relação entre estes três orixás, seus domínios, símbolos e influências vitais, sobretudo, na visão dos iorubá, mais estritamente, no âmbito de uma comunidade-terreiro nagô. Este artigo aborda a análise de Orixá Ninu Ilê – Arte Sacra Negra I (1978), de Juana Elbein dos Santos, a partir das performances culturais.

Palavras-chave


Orixá Ninu Ilê; documentário; performances; performances culturais; estética; encruzilhada

Texto Completo:

PDF

Referências


Barros, J. F. P. (2009). O banquete do rei... Olubajé: uma introdução à música sacra afro-brasileira. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pallas.

Bernardet, J. C. (1985). Cineastas e as imagens do povo. São Paulo: Brasiliense.

Bezerra, C. (2014). Performance e documentário. In: Claudio Bezerra. A personagem no documentário de Eduardo Coutinho. Campinas, SP: Papirus, pp. 47-86.

Bruzzi, S. (2001). New documentary: a critical introduction. London: Routledge.

Cacciatore, O.G. (1977). Dicionário de cultos afro-brasileiros: com origem das palavras. Introdução de José Carlos Rodrigues. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária.

Carlson, M. (2010). Performance: uma introdução crítica. Tradução de Thaís Flores Nogueira Diniz e Maria Antonieta Pereira. Belo Horizonte: UFMG.

Conduru, R. (2021). África, Brasil e Arte - persistentes desafios. In: Histórias da arte sem lugar. (315-358), ARS, ano 19, n. 42, São Paulo.

Ferreira, C. (2020). Corpos e territórios negros: representação da religiosidade afrobrasileira no documentário Orí (1989). Cuadernos de Música, Artes Visuales y Artes Escénicas, v15 (1) 94-110, Bogotá.

Gama, A. & Nogueira, L. (2020). Cine ritual: uma análise sobre o modo performático no documentário Orí (1989). In: Dossiê Comunicação e as Performances da Cultura, Revista Esferas (19) 1-12, Brasília.

Guimarães, C. (2019). Filmar os terreiros: ontem e hoje. Perspectivas em Ciência da Informação, v.24 (número especial) 23-36, Belo Horizonte.

Langer, S. K. (2011). Uma nota sobre filme. In: S. K. Langer. Sentimento e forma: uma teoria da arte desenvolvida a partir de filosofia em nova chave. São Paulo: Perspectiva, pp. 427-431.

Ligiéro, Z. (2012). Performance e Antropologia de Richard Schechner: seleção de ensaios organizada por Zeca Ligiéro. Tradução de Augusto Rodrigues da Silva Junior et al. Rio de Janeiro: Mauad X.

Ligiéro, Z (2011). Corpo a corpo. Estudo das performances brasileiras. Rio de Janeiro: Garamond.

Martins, L. M. (1997). Afrografias da memória: o reinado do Rosário no Jatobá. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Mazza Edições.

Mattar, D. & Darzé, T. (2018). Mestre Didi: Mo qui gbogbo in - Eu saúdo a todos. Catálogo da exposição. São Paulo: Almeida e Dale Galeria de Arte.

Monte-Mór, P. (1984). Religião e Cinema. Comunicações do ISER, ano 3, (10) 3-35, Rio de Janeiro.

Nichols, B. (2016). Introdução ao documentário. 6. ed. Campinas, SP: Papirus.

Parés, N. (2007). A formação do candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. 2ª ed. rev. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Penafria, M. (2001). O ponto de vista no filme documentário. Covilhã: Universidade da Beira Interior. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/penafriamanuela-

ponto-vista-doc.pdf

Rodrigues, J. C. (1988). O negro brasileiro e o cinema. Rio de Janeiro: Globo: Fundação do Cinema Brasileiro-MinC.

Sabino, J. & Lody, R. (2011). Danças de matriz africana: antropologia do movimento. Rio de Janeiro: Pallas.

Santos, J. E. (2019). Os nagô e a morte: Pàde, Àsèsè e o culto Égun na Bahia. Tradução pela Universidade Federal da Bahia. 14ª ed., 6ª reimp. Petrópolis: Vozes.

Santos, M. S. de A. (2006). Òsósi: o caçador de alegrias. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo.

SECNEB. Núcleo de Cinema. Bahia, s/d.

Schechner, R. (2006). O que é performance? In: Performance studies: an introduccion, 2nd ed., 28-51, New York & London: Routledge.

Schechner, R. (2011). Performers e espectadores – transportados e transformados. Tradução de Selma Treviño. Moringa, v. 2 (1) 155-185, João Pessoa.

Schechner, R. (2012). Ritual – do Introduction to Performance Studies. In: Zeca Ligiéro (org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner. Tradução de Augusto da Silva et al. Rio de Janeiro: Mauad X, pp. 49-89.

Silva, J. P. C. et al. (2017). Deoscóredes Maximiliano dos Santos Mestre Didi: o reverberar ancestral africano-brasileiro. Salvador: EDUNEB.

Sobrinho, G. A. (2020). Orí e as vozes e o olhar da diáspora: cartografia de emoções políticas. Cadernos Pagu (60) 1-31, Campinas, SP.

Sobrinho, G. A. & Bomfim, F. C. (2017). As representações religiosas no cinema de Geraldo Sarno. Doc On-line, (21) 51-71.

Sodré, M. & Paiva, R. (2014). O que é uma categoria estética? In: Muniz Sodré & Raquel Paiva. O Império do grotesco. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Maud, pp. 33-39.

Sodré, M. (1999). Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes.

Taylor, D. (2013). O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Tradução de Eliana Lourenço de Lima Reis. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Thompson, R. F. (2011). Flash of the Spirit: arte e filosofia africana e afro-americana. São Paulo: Museu Afro Brasil.

Turner, V. W. (2015). Do ritual ao teatro: a seriedade humana de brincar. Tradução de Michele Markovitz e Juliana Romeiro. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

Verger, P. F. (1996). Orixás: deuses iorubás na África e no Novo Mundo. Tradução de Maria Aparecida da Nóbrega. 6. ed. Salvador: Corrupio.

Xavier, I. (1982). Cinema e Descolonização. Filme Cultura, ano XV (40) 23-27, Rio de Janeiro.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: