A voz daquelas que não puderam falar: breve análise da voz documental em Vicenta, de Darío Doria

Isadora Ebersol

Resumo


Este artigo propõe analisar o documentário animado Vicenta (2020) de Darío Doria a partir da articulação de seus elementos e estratégias narrativas na construção do discurso documental. O filme retoma o caso de Vicenta Avendaño na busca por autorização para que sua filha pudesse interromper a gravidez fruto de estupro. Aspectos da voz documental indicam que a trajetória de Vicenta em busca de autonomia e inserção social é definida pela conquista da palavra.

Palavras-chave


Aborto; Dario Doria; Documentário animado; Vicenta; Voz documental.

Texto Completo:

PDF

Referências


Aguiar, D. & Rojas, G. (2020). O movimento feminista e de mulheres na Argentina: perspectivas pós-colonial e socialista. Revista Crítica de Ciências Sociais, 121, 169-190, Coimbra.

Anzaldúa, G. (2000). Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, v. 8, n. 1, 229-236, Florianópolis.

Avelluto, V. (2019). Gramsci, el movimiento feminista y la crisis de la hegemonía patriarcal. Revista Catarsis, v. 1, nº 1, 27-32, Buenos Aires.

Bonitzer, P. (1975). Les silences de la voix. Cahier du Cinema, n. 256, p. 22-33, fev-mar, Paris.

Bonotto, A. (2009). Bill Nichols fala sobre documentário: vozes e reconstituições. Doc On-line, n.06, 250-263.

Branco, L. C. (1985). A (im)possibilidade da escrita feminina. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, 4(1), 30-41, Belo Horizonte.

Chaves, R. P. (2019). Documentário clássico e a voz que não vemos: revisitando as noções de “voz de Deus” e “voz over”. Doc On-line, n. 26, 83-105.

Decreto-lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848.htm

Doane, M. A. (1983). A voz do cinema: a articulação de corpo e espaço. In: I. Xavier (org.), A experiência do cinema: antologia (pp.457-475), 1rd Ed. Rio de janeiro: Edições Graal.

Federici, S. (2017). Calibã e a bruxa. mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante.

Gaumet, F. & Rubin, P. (2021). Vicenta. E+E: estudios de extensión en humanidades. V 8, n°11, 138-143.

Gutiérrez, M. A. (2019). Marea Verde: la construcción de las luchas feministas. Revista Catarsis, ano 1, nº 1, 33-36, Buenos Aires.

Ley n. 27610 de 30 de diciembre de 2020. Acceso a la interrupción voluntaria del embarazo. Recuperado de http://servicios.infoleg.gob.ar/infolegInternet/anexos/345000-349999/346231/norma.htm

Ley n° 11.179 de 9 de octubre de 1921. Código penal de la nación. Recuperado de http://servicios.infoleg.gob.ar/infolegInternet/anexos/15000-19999/16546/norma.htm.

Martins, I. M. (2008). Documentário animado: um novo projeto de cinema documentário. XVII Encontro da Compós - Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, São Paulo.

Nichols, B. (2005a). Introdução ao documentário. Campinas: Papius.

Nichols, B. (2005b). A Voz do Documentário. In F. P. Ramos (org.), Teoria Contemporânea do Cinema, Volume II (pp. 47-67). São Paulo: Senac.

Norma Técnica Atenção humanizada ao abortamento, 2014. Brasília: Ministério da Saúde.

Ramos, F. P. (2008). Mas afinal... o que é mesmo documentário? São Paulo: Editora Senac.

Saffioti, H. I. B. (2011). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Serra, J. J. (2017). A vida animada: (re)construções do mundo histórico através do documentário animado. Campinas: Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas.

Xavier, I. (org.). (1983). A experiência do cinema: antologia. Rio de janeiro: Edições Graal.

Filmografia

A imagem que falta (2013), de Rithy Panh.

Ryan (2004), de Chris Landreth

The Sinking of the Lusitânia (1918) de Winsor McCay

Valsa com Bashir (2008), de Ari Folman

Vicenta (2020), de Darío Doria.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: