Estilhaços de memórias sob o chumbo: desenhando família e história no filme Torre

Ruy Alkmim Rocha Filho

Resumo


O artigo parte da contextualização histórica para formular uma análise fílmica do documentário em animação Torre (2017). A narrativa trata da infância de  Isabel, Gregório, Virgílio e Vlademir, apresentando as memórias de uma família perseguida pela ditadura no Brasil, sob a perspectiva dos filhos. O filme é montado como uma colagem de depoimentos, oferecendo uma abordagem que permite ouvir os estilhaços de memória, entrecruzando subjetividades, contribuindo para compreender a história recente num sentido amplo.  




Palavras-chave


documentário; animação; memória; ditadura; família

Texto Completo:

PDF

Referências


Belotte, F. (2020). A materialidade da memória na animação não ficcional. Avanca Cinema. Disponível em: https://publication.avanca.org/index.php/avancacinema/article/view/129.

Corrêa, L. (2014). Os “inimigos da pátria”: repressão e luta dos trabalhadores do Sindicato dos Químicos de São Paulo (1964-1979). Revista Brasileira de História, 34(67). www.scielo.br/j/rbh/a/3B7bd5jDTyWcQysPyzkP4fP/abstract/?lang=pt.

Ferro, M. (1992). Cinema e história. Paz e Terra.

Freire, M. & Lourdou, P. (2009). Descrever o visível: cinema documentário e Antropologia fílmica. Estação Liberdade.

Freitas Gutfreind, C. (2011). O realismo e a catástrofe histórica nos filmes testemunho Significação. Revista de cultura audiovisual, 38(36). www.redalyc.org/pdf/6097/609766002010.pdf.

Gauthier, G. (2011). O Documentário: um outro cinema. Papirus.

Holanda, K. (2008). Documentário nordestino: mapeamento, história e análise. Annablume; Fapesp.

Labaki, A. (Org.) (2015). A verdade de cada um. Cosac Naif.

Le Goff, J. (2003). História e memória. Editora da Unicamp.

Machado, A. (2005). Pré-cinemas & pós-cinemas. Papiros.

Nichols, B. (2012). Introdução ao documentário. Papirus.

Piotrowska, A. (2011). Animating the Real: A Case Study. ResearchGate. www.researchgate.net/publication/239770249_Animating_the_Real_A_Case_Study.

Ramos, F. (2008). Mas afinal – o que é mesmo documentário?. SENAC.

Ridenti, M. (1997). Que história é essa?. In Versões e ficções: o sequestro da história. Fundação Perseu Abramo.

Tomaim, C. (2019). Documentário, história e memória: entre os lugares e as mídias “de memória”. Significação – Revista de Cultura Audiovisual, 46(51). www.redalyc.org/jatsRepo/6097/609765275006/609765275006.pdf.

Xavier, I. (2005). O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. Paz e Terra.

Filmografia

Codinome Breno (2018), de Manoel Batista.

Hércules 56 (2007), de Sílvio Da-Rin.

Nanook of the North (1922), de Robert Flaherty.

O que fazemos nas sombras (1914), Taika Waititi.

O que é isso companheiro? (1997), de Bruno Barreto.

Running for freedom – Série documental (2003-2004), Piotrowska, Agnieszka.

Valsa com Bashir (2008), Ari Folman.

Zelig (1983), Woody Allen.

Música

Memória para um tempo sem memória (1980), Gonzaguinha. Disco: De volta ao Começo.


Apontadores

  • Não há apontadores.


 

Este trabalho está licenciado com uma Licença  Licença Creative Commons
 
 
 

 
Sites de interesse | Sitios de interés | Sites d'intérêt | Sites of interest: