Formas da contemporaneidade no design de notícias do jornal O Estado de S. Paulo

Solange Wajnman, Cristina Silva Ramos

Resumo


Este trabalho examina o design de notícias d’O Estado de S. Paulo e tem como objetivo central a investigação dos aspectos sensíveis e corpóreos de seus modos de presença, os quais se ampliam e reconfiguram sob a influência da digitalização nas comunicações, da conectividade e da convergência tecnológica. A reflexão proposta tem como base as materialidades e se apoia em autores como Hans Ulrich Gumbrecht, Marshall McLuhan e Vilém Flusser. A partir desses fundamentos teóricos, buscaram-se as manifestações expressivas do Zeitgeist contemporâneo no design do jornal O Estado de S. Paulo. A apreciação dessas formas enfatiza a acoplagem entre experiência estética e comunicação.

 

This work examines news design in contemporary newspaper and has as its main purpose the investiga on of sensitive and tangible aspects of its ways of presence, which are expanded and reconfigured under the influence of digitiza on of communications, connectivity and technological convergence. The proposed reflection is based on the materiality and relies on authors such as Hans Ulrich Gumbrecht, Marshall McLuhan and Vilém Flusser. From these theoretical foundations, the expressive manifestations of the contemporary Zeitgeist were sought in the design of the journal O Estado de S. Paulo. The appraisal of these forms emphasizes the coupling between aesthetic experience and communication.


Palavras-chave


Design de no cias, Jornalismo, Materialidade

Texto Completo:

PDF

Referências


AMORIM, Patrícia. (2006). Dialogando com noções de modernidade e pós-modernidade: o design e o espírito do tempo. In: INTERCOM 2006 – XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2006, Brasília.

CAUDURO, Flávio Vinicius. (2014). Pós-modernidade e hibridações visuais. Em Questão, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 273-282, jul.-dez. 2007. Disponível em: h p://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/480. Acesso em: 10 fev. 2014.

FARIA, José. N. (2008). Design, tecnologia e cultura contemporânea: do jornal impresso ao jornal em e-paper. 150 p. Dissertação (Mestrado em Design). Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo – SP. Disponível em: http://www.anhembi.br/ppgdesign/pdfs/joseneto.pdf. Acesso em: 12 jun. 2013.

FELINTO, Erick. (2001). Materialidades da Comunicação: por um Novo Lugar da Matéria na Teoria da Comunicação. Ciberlegenda (UFF), Niterói, n. 5.

FLUSSER, Vilém. (2010). A escrita. Há futuro para a escrita? São Paulo: Anna Blume.

______. (1983). Pós-história: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Livraria Duas Cidades.

______. (1985). Filoso a da caixa preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Hucitec.

______. (2007). O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac & Naify.

FREIRE, Eduardo Nunes. (2007). A influência do design jornalístico na evolução do discurso jornalístico. Um estudo de caso do jornal O Estado de S. Paulo. 187 p. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura Contemporâneas). Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA: PPGCCC/ Facom/ UFBA. Disponível em: http://poscom.tempsite.ws/wp-content/uploads/2011/05/Eduardo-Nunes-Freire.pdf. Acesso em: 12 abr. 2013.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. (1998). Corpo e forma. Rio de Janeiro: Eduerj.

______. (1998). Modernização dos sen dos. São Paulo: Ed. 34.

______. (1993). O Campo não hermenêutico ou a Materialidade da Comunicação. Rio de Janeiro: UERJ, Cadernos do Mestrado, n. 5.

______. (2010). Produção de presença: o que o sen do não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed. PUC-Rio.

LEVY, Pierre. (1999). Cibercultura. São Paulo: Ed. 34. LIPOVETSKY, Gilles. (2004). Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarola.

MCLUHAN, Marshall; FIORE, Quen n. (2011). O meio é a mensagem: um inventário de efeitos. Rio de Janeiro: Ímã Editorial.

______. (2006). Os meios de comunicação como extensões do homem. Trad. Décio Pignatari. 18. ed. São Paulo: Cultrix.

MILL, John Stuart. (1831). The Spirit of the Age. The Collected Works of John Stuart Mill, Volume XXII – Newspaper Writings December 1822 – July 1831. Disponível em: http://oll.libertyfund.org/op on=com_staticxt&staticfile=show.php%3Ftitle=256&chapter=50800&layout=html&Itemid=27#a_813828. Acesso em: 29 set. 2013.

MORAES FILHO, Ary Pimenta. (2010). Design de notícias: um estudo de casos múltiplos. 194 p. Tese (Doutorado em Design) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil. Disponível em: h p://www2. dbd.pucrio.br/pergamum/biblioteca/php/mostrateses.php?open=1&arqtese=0610642_10_Indice.html. Acesso em: 9 mar. 2013.

POYNOR, Richard. (2010). Abaixo as regras. Porto Alegre: Bookman.

RUBLESCKI, Anelise. (2009). Jornalismo pós-moderno: uma discussão dos valores míticos na sociedade hiper-espetacular. BOCC. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, v. 2009, p. 1-10. Disponível em: http://www.bocc. ubi.pt/pag/anelise-jornalismo-pos-moderno.pdf. Acesso em: 23 out. 2013.

SERRA, Paulo. (2006). O design na era da informação. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/serra-paulo-design-era-informacao.pdf. Acesso em: 28 jan. 2014.

TEIXEIRA COELHO, José. (1995). Moderno pós-moderno: modos & versões. São Paulo: Iluminuras.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Eikon

RedibDOAJ
Licença Creative Commons