Cobertura das violações dos menores em Moçambique: o caso da Televisão de Moçambique – Empresa Pública (TVM-EP) (2007-2017)

Luca Bussotti

Resumo


Este estudo tenciona analisar o tipo de cobertura e a linha editorial da emissora televisiva pública Televisão de Moçambique (TVM-EP) a respeito das violações contra menores, tendo como amostra os telejornais de dois anos, 2007 e 2017. Através de uma metodologia qualitativa que assenta na análise do discurso e em entrevistas semiestruturadas junto a informantes-chave, o artigo faz a análise de 55 peças divulgadas no Telejornal da TVM inerentes à matéria abordada. Resultou que a TVM apresenta um interesse crescente para com tais assuntos em termos quantitativos, porém a questão dos direitos humanos continua sendo coberta de forma superficial, episódica e relacionada em larga medida a eventos mais do que a uma autónoma linha editorial. Verificou-se igualmente a fraca participação das crianças nas matérias que lhes dizem respeito, com forte prevalência do uso de fontes estatais, portanto oficiais, raramente cruzadas com outras. A TVM preservadas parcialmente a identidade das crianças entrevistadas nas várias reportagens, apontando por uma prática deontológica ainda não madura para cobrir assuntos tão sensíveis.


Palavras-chave


jornalismo moçambicano; fontes; linha editorial; deontologia profissional

Texto Completo:

PDF

Referências


(2002). Journalism, Media, and the Challenge of Human Rights Reporting. International Council on Human Rights Policy (ICHRP).

(2002). World Report on Violence and Health.

(2015). Casamento prematuro e gravidez na adolescência em Moçambique. UNICEF. www.unicef.org.

(2016). A criança na Imprensa. RECAC & UNICEF.

(2017). Violence Against Children and Care in Africa. A Discussion Paper. Better Care Network. New York.

(2018). Relatório sobre Moçambique 2018. HRW (Human Rights Watch). www.hrw.org/pt/world-report/2019/country-chapters/326532.

(2020). Mozambique Country Report. Freedom House. https://freedomhouse.org/country/mozambique/freedom-world/2020.

ACERWC (2016). Continental Study on the Impact of Conflictand Crises on Children in Africa. ACERWC. www.acerwc.africa/wp-content/uploads/2018/07/Study_on_the_impact_of_armed_conflict_and_crises_on_children_in_Africa_ACERWC_FINAL_ENGLISH.pdf.

Arnfred, S. (2015). Notas sobre gênero e modernização em Moçambique. Cadenos Pagu, 181-224. www.scielo.br/pdf/cpa/n45/0104-8333-cpa-45-00181.pdf.

Bussotti, L. (Coord.) (2018). Os Direitos Humanos e a Imprensa nos PALOP: Uma análise comparativa à cobertura da Imprensa sobre os direitos humanos. Minerva.

Bussotti, L., & Tsope, C. (2019). A abordagem dos direitos humanos na comunicação social em Moçambique: O caso da Rádio Moçambique – E.P. 2015. In J. Maia (Coord.), Estudos em Jornalismo Contemporâneo (vol. VII). Universidade Federal de Goiás.

Carvalho, G. (2013). Diretrizes para a Análise de discurso em Jornalismo. Revista Uninter de Comunicação, ano 1(1). www.uninter.com › index.php › article › view.

Chichava, S., & Pohlmann, J. (2010). Uma breve análise da imprensa moçambicana. In L. Brito, C. Castel-Branco, F. Chichava, & A. Francisco (Eds.), Desafios para Moçambique 2010. IESE.

Cruz, C (2014). A decisão editorial em televisão: O caso do telejornal da RTP. Universidade Aberta de Lisboa.

Downman, S., & Ubayasiri, K. (2017). Human Rights as a new Value. In S. Downman, & K. Ubayasiri (Eds.), Journalism for Social Change in Asia. Palgrave Macmillan.

Hammarberg, T. (1999). Crianças e influências nocivas da mídia. O significado da Convenção da ONU. In U. Carlsson, & C. Von Feilitzen (Orgs.), A criança e a violência na mídia. UNESCO.

Hills, S., Mercy, J., Amobi, A., & Kress, H. (2016). Global Prevalence of pastyear violence against children: A systematic review and minimum estimates. Pediatrics, 137(3).

Hohlfeldt, A., & Santos, J. (2009). Síntese histórica da imprensa moçambicana: Tentativa de interpretação. Intercom. www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-0282-2.pdf.

Kearney, J. (2017). The Representation of Children in Contemporary African Fictions. UNISA.

Lage, N. (2016). Teoria e Técnica do Texto Jornalístico. Elsevier Editora.

Matias, L. (2018). Moçambique: Negligência é uma das causas do aumento da violação sexual de crianças. DW Moçambique. www.dw.com/pt-002/mo%C3%A7ambique-neglig%C3%AAncia-%C3%A9-uma-das-causas-do-aumento-da-viola%C3%A7%C3%A3o-sexual-de-crian%C3%A7as/a-46492470.

Matias, L. (2020, maio 3). Moçambique: jornalistas recorrem à autocensura para se protegerem. DW. www.dw.com/pt-002/mo%C3%A7ambique-jornalistas-recorrem-%C3%A0-autocensura-para-se-protegerem/a-53318062.

Miguel, J., & Brittos, V. (2004). Comunicação e mercado: a lógica televisiva moçambicana. Revista de Economia Política de las Tecnologias de la Información y Comunicación, VI(3).

Monjane, B., Banze, C., & Souza, A. (2008). Violência, exploração e abuso sexual de crianças: Análise da cobertura jornalística e recomendações para os media. UNICEF Mozambique.

Montgomery, M. (2007). The Discourse of Broadcast News. Routledge.

Muatiacale, L. (2007). O discurso dos telegiornais da rede pública e privada de Moçambique: Jornal Nacional e Jornal da Noite. Rev.

Estud. Comun., 8(17), 219-228.

Muatiacale, L. (2015). Televisão e política: análise das estratégias discursiva da propaganda eleitoral em Moçambique. Minerva.

Nhaueleque, L. (2012). Elemernti della religione tradizionale Makhwua. Il caso di Nampula. In L. Bussotti, M. Gatti, & Nhaueleque, L., La religione nel Mozambico contemporaneo (pp. 43-84). IBIS.

Nhaueleque, L. (2019). Direitos humanos em Moçambique: Estado e sistema de policiamento. Tese de Doutoramento em Relações Interculturais, Universidade Aberta, Lisboa.

Olow, D. (2002). Protecting children’s rights in Africa: A critique of the African Charter on the Rights and Welfare of the Child. The International Journal of Children’s Rights, 10(2), 127-136. http://doi.org/10.1163/157181802401005403.

Osório, C., & Silva, T. (2008). Buscando sentidos. Género e sexualidade entre jovens estudantes do ensino secundário, Moçambique. WLSA Moçambique.

Owusu-Addo, E., Owusu-Addo, S., Antoh, E., Sarpong, Y., Obeng-Okrah, K., & Annan, G. (2018). Ghanaian media coverage of violence against women and girls: implications for health promotion. BMC Women’s Health, (18), 129. http://doi.org/10.1186/s12905-018-0621-1.

Rembe, S. (2014). Violation of Children’s Rights by Traditional and Cultural Practices and the Responses by States in Eastern and Southern Africa. Journal of Psychology in Africa, 9(1), 63-69.

Rikhotso, M., Namunba, L., Morwe, K., & Dibetso, L. (2013). Promoting Children’s Rights: Coverage of Children in South African and Zambian Media. Media Monitoring Africa. https://www.mediamonitoringafrica.org/images/uploads/Cover

age_of_Childrens_Rights_in_Media.pdf.

Roseiro, A. (2013). Símbolos e práticas culturais dos Makondes. Tese de Doutoramento em Antropologia Social e Cultural, Universidade de Coimbra, Coimbra. https://macua.blogs.com/files/s%C3%ADmbolos-e-pr%C3%A1ticas-culturaisdos-makonde2013.pdf.

Saint-Jacques, M., Villeneuve, P., Turcotte, D., Drapeau, S., & Ivers, H. (2011). The role of media in reporting child abuse. Journal of Social Service Research, 38(3). http://doi.org/10.1080/01488376.2011.627232.

Shaw, I. (2011). Human Rights Journalism. Palgrave Macmillan.

Silva, L. (2002). Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes. EDUPE.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT