Discriminação também na Mídia – a imagem do negro na imprensa Blumenauense

Sandro Lauri da silva Galarca

Resumo


Esse artigo nasce da necessidade de entender qual a imagem projetada pela mídia sobre o negro na sociedade blumenauense, demandada a partir da vivência e da militância junto ao Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB) da Universidade Regional de Blumenau. O núcleo é uma entidade que tem a finalidade de auxiliar a Universidade na produção e disseminação do conhecimento por meio do ensino, pesquisa e extensão, no desenvolvimento de políticas de diversidade étnico-racial, promoção de igualdade e valorização das populações de origem africana. Parte-se do princípio que a mídia forma e propaga uma imagem permanente dos atores sociais por meio de seus produtos jornalísticos, publicitários e de entretenimento. Essa investigação propôs-se a observar pelos mais diversos olhares como a constituição deste sujeito afeta sua identidade, discutindo criticamente o processo pelo qual surgem, se manifestam e se naturalizam práticas como o preconceito e a discriminação, a segregação social, a exploração no mercado de trabalho, além de contribuir com o fenômeno da invisibilidade social dessas populações consideradas minoritárias em Blumenau e região. O estudo analisou conteúdo veiculado na mídia local no período entre agosto e novembro de 2017, por meio de acompanhamento sistemático das mídias impressa, eletrônica e digital.


Palavras-chave


preconceito; negro; representação; mídia; Blumenau

Texto Completo:

PDF

Referências


Fernandes, F. (s.d.). A integração do negro na sociedade de classes, vol. 2. São Paulo: Glo.

Genro Filho, A. (2012). O segredo da pirâmide. Para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular.

Hall, S. (2006). Identidade Cultural na Pós-Modernidade. (trad. T. Silva). Rio de Janeiro: DP&A.

Hohlfeldt, A.; França, V. & Martinho, L. (2001). Teorias da Comunicação. Escolas e Tendências. Petrópolis: Vozes.

Sodré, M. (1999). Claros e Escuros. Identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes.

Traquina, N. (2004). Teorias do Jornalismo. Por que as notícias são como são. Florianópolis: Insular.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Licença URL: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/deed.pt_PT